Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pós-graduação

Cobrança de mensalidade pela UFG tem repercussão geral

O Recurso Extraordinário, em que a Universidade Federal de Goiás (UFG) se posiciona contra decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região teve reconhecimento de repercussão geral pelo Supremo Tribunal Federal. O TRF-1 considerou inconstitucional a cobrança de mensalidade pela frequência de um curso de pós-graduação lato sensu em Direito Constitucional, oferecido pela Universidade Federal de Goiás (UFG).

Ao endossar a proposta de reconhecimento da repercussão geral, o ministro Ricardo Lewandowski, relator do recurso, lembrou que a Suprema Corte já reconheceu repercussão geral na hipótese de cobrança de taxa de matrícula por instituição de ensino superior. Além disso, nesse julgamento, relatado pelo próprio ministro Lewandowski, a corte reconheceu, por unanimidade, que a taxa de matrícula por universidades públicas viola o artigo 206, inciso IV, da CF.

No caso presente, contudo, conforme ressaltou o ministro relator, há a particularidade de se tratar de curso de pós-graduação lato sensu, e sobre esse aspecto ainda não há pronunciamento da Suprema Corte. Por entender que a questão ultrapassa o interesse subjetivo das partes em litígio, ele recomendou o reconhecimento de repercussão geral. O mérito do recurso será analisado posteriormente.

A Universidade Federal de Goiás, no entanto, alegou que, nos dispositivos constitucionais que tratam do direito social à educação, não se inclui a gratuidade em cursos de pós-graduação lato sensu, afirmando que o objetivo seria o aprimoramento profissional e a reciclagem, de interesse individual do estudante.

Segundo a UFG, o TRF-1 teria dado interpretação equivocada não só ao artigo 206, incisos I e VI da CF, como também aos artigos 205, 208, I, II, VII e parágrafo 1º, além do 212, parágrafo 3º, todos da CF, que abordam o direito do cidadão à educação. Observa, também, que o STF ainda não debateu esta matéria em sua extensão.

Ao sugerir o reconhecimento de repercussão geral da matéria, a UFG observou, por fim,  que “a repercussão econômica exsurge inconteste em face da quantidade de feitos em que esta mesma tese vem sendo discutido, o que, a toda prova, acaba por impossibilitar a oferta de ensino superior de qualidade”.

No caso, após os candidatos serem aprovados em prova discursiva, foram cobradas taxa de matrícula e a assinatura de contratos, em que se comprometiam a pagar mensalidades para poder frequentar o curso. Embora tivesse efetuado a matrícula, um dos alunos obteve da Justiça Federal em Goiás um pronunciamento pela ilegalidade dessa cobrança, à luz do artigo 206, inciso IV, da Constituição Federal, que assegura a gratuidade do ensino em instituições públicas. E essa decisão foi confirmada pelo TRF-1. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

RE 597854

Revista Consultor Jurídico, 20 de abril de 2012, 17h53

Comentários de leitores

2 comentários

Prejuízo a longo prazo

Vinícius Ortega (Outros)

Não é possível jogar a responsabilidade da qualidade da educação na população, quando quem deve zelar e arcar com ela é o poder público. O ensino tem que ser gratuito em todos os níveis, pois não é mero instrumento de trabalho do indivíduo, mas desenvolvimento intelectual e humano que tem profundas consequências no desenvolvimento social, por mais que seja um curso lato sensu. O estado deve priorizar a educação, desde o mais baixo até o mais alto patamar, pois é fundamento básico da democracia e da capacitação humana em criticar e modificar o mundo. Não existem limites para se desenvolver o intelecto humano portanto não deve haver limitações para sua educação, mas sim fomento indefinido. Considerar o que extrapola o mínimo que o indivíduo precisa para se qualificar profissionalmente como conhecimento acessório é corromper a essência do conhecimento e ignorar o valor de sua aplicação, não importa se teórica ou prática. Impor limites ao indivíduo é também impô-los à sociedade, trazendo prejuízos inestimáveis a longo prazo.

Assunto relevante

Flávio Souza (Outros)

Creio que é o momento da sociedade brasileira refletir se não é hora de abrir discussão quanto a cobrança de mensalidades nas instituições superiores, aqui em relação a graduação, pois nos casos de pós-graduação (mestrado e doutorado) isso já deveria ter cobrança há muitos anos. Entretanto, antes de tudo é preciso fazer uma mapeamento, tipo censo escolar e verificar qual é a renda média da família do estudante, principalmente naqueles cursos de ponta como medicina, oftalmologia, direito, odontológica, entre outros.

Comentários encerrados em 28/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.