Consultor Jurídico

Comentários de leitores

8 comentários

Associação dos Bacharéis de Direito

EDSON (Bacharel)

Sou bacharél em Direito, porém, jamais me submeterei a este inescrupuloso exame de ordem. Ainda na graduação, percebi que o omesmo era inconstitucional e continua sendo, mesmo tendo o STF se procunciado contra este pensamento. Está virando moda eles desdizerem o que disseram. O inciso XIII do art. 5º da CF diz: "é livre o ercercício de qualquer profissão, trabalho, ofício oou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estaqbelecere". Exame de ordem não é qualificação e muito menos é competência da OAB prescrever qualificação profissional, porque isto é competência do MEC. Infelizmente não disseram isto para os MInistros do Supremo Tribunal Federal. Esta certo o Presidente Collor de Mellos quando vetor esta pretensão da OAB e errado o Itamar Franco quando sancionou este monstrengo. Mais errado que o Itamar Franco foram os Ministros do STF que cederam aos apelos desta organização. Principalmente, pelas palavras nadas recomendáveis para um Ministdro do Supremo ao afirmar que o exame era democrático porque o jovem poderia repeti-lo tantas vezes quanto quizesse. Meus pêsames Sr. Fux. Talvez vossa excelência não o tenha feito ou não teve o desprazer de ter um filho nesta barbárie.
Parabéns Walquíria pelo seu posicionamento, 6 milhões de bacharéis são convidados a formarem uma associação para enfrentar esta organização já instalada e acredito que sairemos vitoriosos. É importante que eles saibam que o inciso XVIII do art. 5º."A criação de associações e, na forma da lei,a de cooperativas independem de autorização, sendo vedado a interferência estatal em seu funcionamento. Conte comigo para luta.

Mais uma vez, a lucidez com o dr. Pintar

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

E tal qual a palhaçada 'tupiniquim' do "DIREITO/DEVER' de votar (como se ambas as palavras fossem sinônimos)quando na verdade seu sentido léxico é exatamente o oposto, o advogado também tem o DIREITO/DEVER para com a OAB. O DIREITO de trabalhar feito burro de carga, se quiser sobreviver 'honestamente' da profissão, pagando uma mensalidade acima da previsão legal e o DEVER de aceitar as imposições dos seus comandantes, eleitos via da 'ação entre amigos' promovida pela instituição. Causa espécie verificar que a OAB empunhou a bandeira das 'diretas para presidente da república' e sempre se opôs a esse mesmo critério democrático nas eleições dos seus próprios dirigentes nacionais.

A verdadeira desilusão é dos Advogados.Araujo/Civilista

araujo (Advogado Autônomo - Comercial)

Quanta ironia! Fala o presidente nacional de uma entidade que poderia ser forte, no entanto apenas grita, xinga, ameaça, e nada demonstra ter feito pela classe dos advogados. É uma vergonha uma entidade com mais de 1.000.000 de membros ainda utilizar os métodos sombrios da ditadura, na escolha do Presidente, pela via indireta e sem a participação dos advogados. O presidente Ophir não tem legitimidade para em nome da advocacia brasileira, que de fato ele não representa, criticar o Congresso Nacional que é eleito pelo povo. E essas ofensas não nos ajudam em nada, pelo contrário, faz com que cada vez mais tenhamos leis derrogando os direitos e prerrogativas dos Advogados, aqueles que de fato vivem da Advocacia. Acho que o presidente foi infeliz, em sua manifestação. Será que se tivesse demonstrado as agruras da Advocacia, e pleiteado publicamente o cumprimento integral de nosso Estatuto e pleiteado outras leis em favor da classe dos Advogados, como por exemplo a criminalização dos violadores das nossas prerrogativas não teria saído no lucro? Não era uma boa hora para dizer que a eleição do presidente nacional da entidade que ele diz representar passaria a ser direta? Que a Democracia na OAB seria seu legado?Teve sorte Ophir em não recebido a resposta naquele momento. Acho que os participantes já sabiam que ele estava falando em nome próprio e por isso mesmo não merecia resposta, e não deram importância a sua fala. É preciso falar e dar exemplo, no momento certo. Joel de Araujo, ex Presidente da OAB/Sorocaba e ex Conselheiro Estadual da OABSP.

Como disse senhor ophir....

Walquiria Molina (Bacharel - Criminal)

Mais uma vez vemos este arrgg senhor ophir dar uma de bonzinho e salvador dos indefesos é de se enojar ver um espúria deste chegar a mais alta côrte do nosso país e falar que a oab é defensora disto ou daquilo.A faça me o favor senhor ophir mostre quem realmente o senhor é ou seja uma pessoa que só olha para o próprio umbigo e ainda por cima cita pensadores do nosso país como fez no discurso..“Onde o povo não é tudo, o povo não é nada”.Em um país de poucos heróis verdadeiros e de muitas injustiças reais, esta frase sintetiza o sentimento coletivo que nos leva, afinal, a clamar, em alto e bom som:
“A Pátria somos nós”.realmente é assim que o senhor se sente ao fazer com os bacharéis o que fez no fatídico julgamento do stf que antes o Ministro declarou as quatro ventos que o exame era inconstitucional....massss....mas após o senhor dar um jeitinho todos votaram contra os bacharéis e a favor do exame....realmente senhor ophir a Pátria são vocês mesmo pois o resto que está aqui embaixo para vocês são vermes ou lixo principalmente a constituição rasgada no dia por todos os ministros.Realmente nós os bacharéis não somos nada separados mas pode apostar que estamos nos unindos e espere que terás muitas lutas e batalhas pela frente pois o senhor como é sabido tambem é um bacharel pois NÃO PRESTOU EXAME DE ORDEM PEGOU A CARTEIRA A LA MULHER DE DEMÓSTENES E AGORA FICA AI CURTINDO COM OS BACHARÉIS.Pode esperar que a sua hora vai chegar e ai sim quem será O POVO SERÁ NÓS OS BACHARÉIS EM DIREITO .Curta seu carguinho enquanto é tempo pois ele não é eterno e Deus existe.

Oab pará

JPLima (Outro)

É verdade Dr. Marcos Pintar. Que o diga os Advogados membros da OAB/Pará.

É preciso esclarecer

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

É preciso deixar claro aos cidadãos brasileiros, principalmente a aqueles que estão pouco familiarizados com o funcionamento da Justiça, que o cidadão Ophir Cavalcante Junior NÃO representa a advocacia brasileira. É certo que ele é o Presidente do Conselho Federal da OAB, mas nunca foi eleito pelos advogados. É que quando a Ditadura se findou, e as "eleições indiretas" foram extintas, a advocacia não teve forças para depurar o Conselho Federal da OAB, que permaneceu como antes. Desde essa época, grupos de advogados que anseiam pelo poder a qualquer custo, e a qualquer preço, se revesam no poder, sem que nós tenhamos possibilidade de retomar o controle. Assim, o Presidente do Conselho Federal acaba sendo eleito através de barganhas e conxaves, a portas fechadas, sem qualquer participação nossa. Eleitos, preocupam-se exclusivamente em manter o próprio poder, sendo que os advogados nada tem a fazer uma vez que o Conselho Federal também controla o Tribunal de Ética, que pode punir os "insurgentes" com penalidade que vão até a expulsão. Assim, quando Ophir Cavalcante Junior fala, ou mesmo é demonstrado suas "qualidades", deve-se ter em mente que isso não representa a vontade, ou mesmo recebe apoio, da advocacia brasileira, formada em sua maioria por cidadãos de bem, que miram a Justiça (e não a politicagem barata) como fim.

Pimenta nos olhos dos outros é refresco II

JPLima (Outro)

3 x R$ 200,00 x 100 Mil = R$ 6 Milhões. Esse é o valor dos três exames de ordem realizado por ano, considerado a média de 100 mil bachareis (já houve exame com 123 mil). A OAB tem imunidade. Por essa razão eu discordo do Ministro Marco Aurélio quando ele disse que o Curso de Direito tinha virado status social. Não é verdade. A verdade é que o Exame de ordem passou a ser um Comércio muito lucrativo, razão pela qual apenas 23% em média são aprovados em cada exame. Esses dados não foram revelados aos Ministros do STF. A OAB precisa explicar como e onde são aplicados seus recursos.

Pimenta nos olhos dos outros é refresco

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Obviamente que o Sr. Ophir Cavalcante Junior é contra o financiamento privado de campanhas. A um porque ele, na condição de Presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil de forma indireta (sem ter recebido um único voto por parte dos advogados), nunca precisou fazer campanha aberta, como todo e qualquer candidato. A dois porque estando recebendo vencimentos pagos pelo Estado do Pará sem trabalhar, e mantendo em paralelo escritório privado, o dinheiro lhe jorra como água em boa fonte. Assim, é claro que ele é contra.

Comentar

Comentários encerrados em 27/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.