Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

CPI da Arapongagem

CPI no DF investigará denúncias de grampos ilegais

A Câmara Legislativa do Distrito Federal vai instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito, apelidada de CPI da Arapongagem, para investigar denúncias de grampos telefônicos ilegais feitos pela Casa Militar do distrito. Os parlamentares vão verificar acusações de que tenham sido gravadas conversas de cidadãos, jornalistas, políticos aliados e adversários do governo. Também serão apuradas informações sobre as relações entre o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e autoridades. As informações são da Agência Brasil.

O requerimento propondo a abertura da comissão será lido nesta quarta-feira (18/4) no plenário da Câmara. As investigações contarão com o apoio da maioria dos deputados distritais, embora dezenove deles façam parte da base de apoio ao governador do Distrito Federal (DF), Agnelo Queiroz (PT). A decisão foi definida, por unanimidade, na noite de terça-feira (17/4) durante reunião na qual participaram os 24 distritais.

O presidente da Câmara Legislativa, deputado Patrício (PT), disse que a CPI pretende dar uma resposta à sociedade sobre as suspeitas de escutas ilegais. Na relação dos grampeados ilegalmente também está o vice-governador do DF, Tadeu Filippelli (PMDB).

Segundo o deputado Patrício, será aprovada ainda uma moção condenando os grampos ilegais e exigindo do governo a imediata exoneração do chefe da Casa Militar, o coronel da Polícia Militar Rogério Coelho.

Os deputados discutirão também a atuação da comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) do Congresso Nacional que vai investigar os desdobramentos das apurações da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal (PF). Nas investigações da PF, Agnelo e integrantes do governo do DF são citados como envolvidos nas relações com Carlinhos Cachoeira.

No fim de semana, a revista Veja publicou reportagem na qual informa que Agnelo determinou a instalação dos grampos pelo gabinete militar, como meio de se proteger de eventuais ameaças que ponham em risco sua integridade física. 

Revista Consultor Jurídico, 18 de abril de 2012, 14h03

Comentários de leitores

1 comentário

Pensamento equivocado

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Deputado Patrício (PT), o sr. está equivocado .A sociedade civil, ordeira, não quer satisfações sobre os grampos ilegais que flagraram políticos e bicheiros em situações criminosas explícitas. Ao contrário, nós queremos saber o que será feito contra esses safados pegos com a boca na botija e os demais (que ainda vão aparecer nessa operação)em termos de responsabilização.

Comentários encerrados em 26/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.