Consultor Jurídico

Vigiar e punir

Militares questionam corregedoria para policiais do RJ

A Federação das Entidades dos Oficiais Miliares Estaduais (Feneme) entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) que questiona a constitucionalidade da lei estadual que criou a Corregedoria Geral Unificada das Polícias Civil e Militar e do Corpo de Bombeiros no Rio de Janeiro.

Entre outras funções, a corregedoria apura infrações cometidas por integrantes dessas corporações, aplica penas disciplinares e pode propor ao governador a demissão de policiais civis e sugerir ao Judiciário a mesma penalidade para militares.

Na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), a Feneme argumenta que a Lei fluminense 3.403/2000 fere o parágrafo 6º do artigo 144 da Constituição Federal, o qual prevê que as Polícias Civil, Militar e o Corpo de Bombeiros estão subordinados somente aos governadores dos estados e do Distrito Federal.

A Feneme destaca ainda que a administração militar tem características e regramentos próprios na Constituição Federal e na legislação federal, que reproduzem valores específicos da instituição, tendo como última instância na corporação o comandante geral. Sua violação, segundo a entidade, implica a quebra do princípio constitucional da ampla defesa e da hierarquia e disciplina. “O cargo de direção não confere à autoridade civil o poder de disciplinar militar, função de caráter indelegável, exercida pelos superiores militares e pelo chefe do Poder Executivo”, alega.

Para a federação dos militares, a lei também viola o artigo 22 da Constituição, que conferiria somente à União o papel de legislar sobre Direito Processual e sobre normas gerais de organização e de garantias dessas corporações.

Por fim, o órgão argumenta que a norma também contraria o Código de Processo Penal Militar, que definiria que apenas os comandantes da Polícia Militar ou o do Corpo de Bombeiros podem exercer função de polícia judiciária.

No Supremo Tribunal Federal, a matéria é relatada pelo ministro Luiz Fux. Com informações da assessoria de imprensa do STF.

Ação Direita de Inconstitucionalidade 4.750




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de abril de 2012, 9h57

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.