Consultor Jurídico

Notícias

Ano eleitoral

Petistas querem que mensalão seja julgado em 2013

Comentários de leitores

13 comentários

Estamos em concordância (quem diria?)

Richard Smith (Consultor)

Pois é, amigo Pintar, concordo plenamente.
.
Mas como, se a maioria da imprensa livre é "domesticada" e preocupadíssima em demonstrar que não antipetista, eis que inteiramente pautada por militantes deste partido ou simpatizantes?
.
E os veículos a serviço do PIG (Partido da Imprensa Governista) e os virulentos "blogs" do JEG (Jornalismo da Esgotosfera Governista), ambos regiamente pagos com publicidade estatal, seduzem a um número enorme de incautos e imbecilóides? ("Uma mentira repetida muitas vezes acaba por tornar-se verdade" - vladimir iilich ulianov, o "Lênin" - 1913)
.
Concordo mais ainda quando você diz que este processo vem de muito antes, ainda que sem a sofisticação escancarada que assumiu na condição de "mesada". Lembro-me claramente do episódio de Paulo de Tarso Venceslau, militante aguerrido e fundador do PT que tomou conhecimento, através da então prefeita Angêla Guadagnin (sim, a "Dançarina" do pelnário da Câmara!) de um esquema, montado por gushiken (o "China", das cartilhas de 2 milhões de dólares que ninguém nunca viu e do escândalo da BRASIL TELECOM de Daniel Dantas) para extorsão de fornecedores das prefeituras governadas pelo PT. Foram denunciar o esquema diretamente para o cacique Lulla. Resultado? Expulsão do Paulo de Tarso, do PT. Isto foi em 1993!
.
E como não lembrar do famoso caso de extorsão da LUBECA, protagonizado pelo então vice-prefeito greenhalg, que motivou a probição da sua entrada na prefeitura de São Paulo (!). Isso foi em 1988;
.
E o rumoroso (e vultuoso) sumiço do dinheiro do FAT - Fundo de Amparo ao Trabalhador, jamais adequadamente investigado e nunca punido?. Isso foi em 1994;
.
E o Celso Daniel em 2002?
.
Então, crer e votar no PT, só sendo muito burro ou da "tchurma".
.
Saudações.

Cidadão não se importa

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Creio que a questão principal, prezado Richard Smith (Consultor), é uma só: quem efetivamente está preocupado com o "Mensalão". Respondo: Marcos Pintar, Richard Smith, e mais uns quinze ou vinte cidadãos, entre 190 milhões. Praticamente 7 anos se passaram desde que o "Mensalão" chegou à grande mídia, embora já fosse conhecido muito antes (e ninguém ousava tocar no assunto sob pena de ser trucidado institucionalmente), e em todo esse período não vimos sequer uma revolta, uma única manifestação popular de vulto clamando por Justiça (ou seja, que o caso fosse submetido a julgamento isento e imparcial). Lamentavelmente, Justiça não faz parte dos anseios do cidadão comum brasileiro. Dizer que quer Justiça é apenas uma fachada, um rótulo que as pessoas usam para "ficar bem na fita". Não haverá Estado justo, se os cidadãos em sua maioria deixarem de clamar por Justiça.

Pouca vergonha na p. da cara!

Pek Cop (Outros)

Gosto do Lula mas deveria se envergonhar pelas atitudes descabidas visando a manutenção da turma do Pt, o julgamento deve ser o qt mais rápido para sabermos se votamos de forma confiável ou caso contrario nem o direito de se candidatar.

Isso é que é independência dos poderes

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Ali Babá diz para ex-ministros que não gostaria de ver julgado ainda este ano o caso do mensalão. Outro,o ex-ministro da Justiça e agora 'novamente' advogado, cria incidentes processuais e procrastinatórios para seus 'colegas' do STF decidirem sobre um cliente seu, também envolvido. Enfim , todo mundo 'opina', 'sugere' e manda. Ao STF, composto de oito indicados pela quadrilha petista, compete apenas obedecer.

Independencia e harmonia entre os poderes (CF)

ubirajara araujo (Advogado Autônomo - Civil)

Parece que no regime democratico brasileiro, diferente das demais democracias, os poderes são muito mais harmonicos, que independentes. Uma pena não possam demonstrar à sociedade sua real importância e competência na preservação da ordem democrática que tanto se diz ¨conquistada bravamente¨. O que acontece hoje e que a sociedade honesta e contributiva, nao acredita em nada e os mentirosos de plantao acreditam nas proprias mentiras que criaram. Como dizia Victor Hugo as instituições e os governos são despudorados como as mulheres da vida.

Façam as apostas, senhores!

João Szabo (Advogado Autônomo)

Com todo o respeito que o Supremo Tribunal Federal possa merecer, mas como ele foi montado, e como ele é politicamente montado, no Brasil, pode-se, sim, colocar em dúvida sua eficiência neste caso. Oito dos atuais integrantes foram nomeados pelo Lula, que segundo a reportagem coordena o grupo que “quer” o julgamento para 2013. Já notícias estão sendo veiculadas de que o Presidente do STF pretende fazer o julgamento até junho deste ano, parecendo tal notícia mais um balão de ensaio do que uma pretensão. Cabe à sociedade reagir, embora o Ministro César Peluso diz que o Supremo não atua para a platéia. O próprio ministro Fux, diante do quadro da reportagem não tem a mínima condição de atuar neste julgamento, tal o seu envolvimento com pessoas envolvidas no mensalão. Não é culpa dos ministros, mas da própria forma como um ministro é guindado ao cargo. O cargo e patentemente político, e por evidente, exclui qualquer possibilidade de isenção, principalmente, no caso presente, quando o julgamento envolve políticos, e muitos de alta influência. Basta ver aquilo que se denomina “Sabatina do candidato” a ministro. Além de tapinhas nas costas, mais nada, pois os congressistas sabem que mais cedo ou mais tarde, dada a corrupção histórica reinante na casa, terão, mais cedo ou mais tarde, que sentar no banco dos réus, e desde a sabatina não podem se indispor com o futuro ministro do Supremo. Alguém tem dúvida, ainda que este julgamento ocorrerá, antes da prescrição dos crimes? As apostas ficam abertas. Acho até que a CEF deveria fazer uma loteria sobre isto. Não seria de todo absurdo. Claro que o Supremo, como parte do Judiciário, teria sempre a desculpa que a alta carga de serviços impediu o julgamento a tempo.

Volta ao passado.

JPLima (Outro)

Voltamos ao Brasil da Justiça em que o redondo vira quadrado e o quadrado vira redondo. É assim no Governo do PT e na atual democracia instalado no Brasil. Vivemos uma quadra em que temos em nossa Democracia a regência de um único e totalitário Poder, refiro-me ao Executivo que controla o Legislativo e Judiciário com a "velha nova" política do "é dando que se recebe", no caso do Judiciário "se prescreve". E assim, vamos vivendo no País do sofismo, no qual nada se vê, nada se sabe ou se viu. Vivemos no País da Corrupção, até intelectual, pagando um alto custo pela falta de conhecimento e ignorância de toda uma Nação, sem ética e muito menos moral.

Ética

Paulo Fonseca (Advogado Autônomo)

Não basta derrubar o político X ou Z, para destruir a corrupção do poder, da mesma forma que a cura de uma endemia não se erradica curando um ou dois infectados.
É fundamental uma metanóia de toda a nossa nação, a começar por cada um de nós, nas relações mais comezinhas da Ética pessoal.

QUE VERGONHA! (e, que País é este?!)

Richard Smith (Consultor)

A coisa que os PeTralahs mais detestam em mim é minha boa memória. Lembro-me claramente do fescenino Abortista-Excomungado dando entrevistas nas quais, suando, olha para os lados como se a qualquer momento a polícia fosse entrar e colocar belas "pulseiras" nele (deve ter assistido muito filme americano!).
.
Hoje, o fescenino que confessou ter querido violentar um rapaz, preso político (ao ocntrário dele, preso da justiça comum), quando esteve preso no DOPS em 1980, brada aos quatro ventos a "farsa" do Mensalão.
.
Rui falcão quer uma CPI "da cachoeira" só para desviar a atenção do público, dirceu, o "guerrilheiro de festim e de boteco" manobra nas sombras e "la nave vá"...
.
Repito: NÃO HOUVE CRIME maior na nossa história republicana do que o episódio do Mensalão: a tentativa de cooptação de um Poder independente da República por outro mediante dinheiro. E ainda por cima DINHEIRO PÚBLICO, como ficou bem provado.
.
É algo como se amanhã descobrisse-se que o Executivo paga a membros do STF ou do STJ para ter somente sentenças favoráveis, contrárias às provas nos autos.
.
O que é que se está discutindo ainda, então? Que vá para julgamento! Senão, estar-se-iam proibindo julgamentos nos anos de eleições, somente os poderiamos ter nos anos ímpares. É um absurdo total!
.
Quanto à tese da remessa de quase todos os réus para a "justiça comum", como o regiamente pago ex-ministro Bastos está propugnando, é um absurdo completo, como o de se querer colocar o estado do Amazonas dentro do estado do Espírito Santo. O causídico em tela já ouviu falar em privilegiamento do fôro? Ah, imagino que sim...
.
Enfim, de patacoada em patacoada, a "coisa" vai caminhando, com passos de formiga, bem discretamente, para a Prescrição.

E desde quando?

Advcrítico (Advogado Autônomo - Criminal)

Admitindo a independência dos poderes, é de se perguntar: desde quando políticos decidem quando e por quem um processo deve ir a julgamento? Só falta os tais decidirem se o réu deverá ser julgado inocente ou culpado. Já no tangente ao ex-diretor do Banco Rural, sua manobra outra coisa não é, senão o jus enrolandi, ao fim de tentar que o processo nunca vá a julgamento.

Discordo

Cid Moura (Professor)

da teoria da pizza (conspiração). Acredito que se não fosse a pressão da imprensa (Ipobe) este processo poderia vir a não ser julgado. Os Ministros vivenciaram experiência parecida quando votaram o - ficha limpa - (que tem questionamentos jurídicos). A pressão popular será intensa.

E viva o mensalão.

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

Olhem aí o mensalão seguindo rumo à prescrição. É, infelizmente, o crime compensa "nestepaiz" de Lula. O Bananistão é aqui.

Pizza à vista

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Ainda bem que ando com vontade de comer uma boa pizza. Não vou morder a que Lula prepara convocando os Ministro que nomeou, mas pelo menos posso sentir o cheiro.

Comentar

Comentários encerrados em 24/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.