Consultor Jurídico

Comentários de leitores

7 comentários

E a OAB?

Frederico Ramos (Advogado Associado a Escritório - Civil)

O tratamento dispensado aos advogados pela OAB em sua sede faz-nos sentir bem, valorizados na profissão. Porém, quando se trata de defender os interesses do profissional em ambientes externos à "casa" do advogado, o nosso órgão representativo pouco ou nada faz a respeito. Tudo bem que a AASP já oficiou ao Tribunal, mas quem deveria agir é a OAB, fazendo valer a anuidade que espontanea e alegremente pagamos.

O Juiz que não manda

JrC (Advogado Autônomo - Civil)

Na verdade o que verificamos na prática é que em relação a levantamentos de depósitos judiciais o juia NÃO MANDA NADA. Se o instrumental chama-se MANDADO, então o banco tem o DEVER de cumrpi-lo, ao invés de pedir documentos que já estão nos autos.

BURROCRACIA

José Verçosa Júnior (Advogado Assalariado - Empresarial)

Concordo plenamente com as observações do colega Dr. Ricaro Cintra. É bem mais vantajoso para os bancos utilizarem-se do nosso suado dinheiro enquanto nós ficamos feito umas "bestas" para cumprir absurdas exigências. Pessoalmente, tive a infeliz experiência, com a Caixa Econômica Federal, de me exigirem uma Certidão Simplificada atualizada da Junta Comercial, para fins de comprovar se a uma empresa cliente minha (autora do processo) ainda estava em atividade. Até então tudo bem, mas, o alvará para levantamento do dinheiro referia-se aos meus honorários, e não tinha nada a ver com a regularidade da empresa parte no processo, pois o titular do crédito era eu. Então, como a CEF se justifica? Por que ficar mais alguns dias com o meu dinheiro? E quando os alvarás são assinados por juízes do próprio Fórum onde se situa o PAB do banco, e eles exigem o reconhecimento de firma nos alvarás? Não seria mais fácil para o banco criar cartões de autógrafos, já que trabalham na sede da Justiça e executam ordens diretamente de seus juízes? E quando a ordem vem de alvará da Justiça de outro Estado, onde a CEF exije não apenas o reconhecimento de firma de um cartório daquela localidade, como também a averbação pelo tabelião da Comarca local onde o dinheiro será levantado? Como os bancos justificam tamanho EXCESSO DE BURROCRACIA?

Estratégias dos Bancos

JrC (Advogado Autônomo - Civil)

Caro Dr Marcos. Os bancos impõem restrições pelo fato de lucrarem usando o SEU DINHEIRO. Emprestam o dinheiro (junto no mesmo montante) a juros absurdos, enquanto você se desdobra para cumprir as exigências (ilegais).

Tudo dominado

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Apenas para exemplificar, há alguns meses fui receber uma verba sucumbencial depositada no Banco do Brasil. Como estávamos no começo do ano, essa verba era isenta do pagamento de imposto de renda vez que naquela data eu não havia ainda recebido honorários em valor superior ao limite de isenção. Apresentei toda a documentação necessária, e uma declaração afirmando sob as penas da lei que aquele verba era isenta do recolhimento do imposto de renda. Porém, o gerente se recusou a efetuar o pagamento, argumentando que só o faria se eu concordasse em abrir mão de 3% do valor, que seria direcionado à Presidência da República (que por sinal é dona do Banco). Assim, ingressei com uma ação judicial (processo 576.01.2012.007427-3, da 3.ª Vara Cível da Comarca de São José do Rio Preto), em 13.02.2012, há dois meses, e até o presente momento sequer foi prolatada decisão de recebimento da inicial. Enquanto isso, o Conselho Nacional de Justiça ainda "discute" se magistrados podem ou não receber propina paga por bancos...

Propina

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O problema é real, e se agrava a cada dia. Teve início a partir de quando o Banco do Brasil passou a distribuir propina de forma disfarçada em favor de magistrados, bancando supostos "congressos" ou mesmo festa caríssimas como a da posse do atual Presidente do Tribunal Regional Federal da 3.ª Região. O Banco do Brasil sabe que pode fazer o que bem entende a partir de agora, já que os magistrados, em retribuição à propina recebida, vão acobertar todas as irregularidades.

Não é só no BB

Fernando Casado (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Na Caixa Econômica Federal o problema é o mesmo.
Os funcionários não tem a menor ideia de como proceder com os alvarás, ficam fazendo exigências absurdas, por vezes não encontram os depósitos e por aí vai.
No interior do estado pouquíssimas são as agências que tem uma estrutura mínima para lidar com os depósitos judiciais!

Comentar

Comentários encerrados em 19/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.