Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Burocracia bancária

Advogados reclamam de devolução de depósitos judiciais

Por 

O alto número de reclamações de advogados paulistas com relação aos depósitos judiciais fez com que a Associação dos Advogados do Estado de São Paulo (Aasp) enviasse ofício ao Tribunal de Justiça de São Paulo e ao Banco do Brasil cobrando medidas que diminuam a demora na entrega do dinheiro aos advogados. Entre as principais reclamações estão as demoradas filas de atendimento, a ausência de funcionários, falta de estrutura nas agências e demora no crédito na conta do advogado.

De acordo com a Aasp, os advogados têm reclamado que após, o protocolo dos alvarás de levantamento, o Banco do Brasil, “que, infelizmente, detém o monopólio dos depósitos judiciais perante a Justiça estadual de São Paulo”, prolonga por vários dias a data da efetiva entrega dos valores devidos, sem que sejam acompanhados de remuneração ou compensação pelo atraso.

A entidade afirma que, conforme o relato de seus associados, o banco tem feito “inúmeras e infundadas” exigências para que o crédito seja realizado em favor dos escritórios, quando o advogado é procurador habilitado para o recebimento. De acordo com Aasp, há casos em que se pede até mesmo cópia autenticada da certidão de registro da sociedade perante a OAB.

Diante desta situação, classificada pela Aasp como “flagrante abuso e desrespeito com o profissional que milita no foro diuturnamente”, o presidente da entidade, Arystóbulo de Oliveira Freitas, enviou, na última segunda-feira (9/4), ofício à Corregedoria da Justiça de São Paulo para que adote, “com a urgência que o caso reclama, providências necessárias para a correção de tais problemas”.

O presidente da Aasp afirma que “a advocacia de São Paulo está farta de tais reiterados abusos e, enquanto não regularizada essa questão, adotará todas as providências que estejam ao seu alcance, inclusive junto ao Banco Central do Brasil e demais instituições judiciárias responsáveis pela fiscalização da atividade em questão”. 

Clique aqui para ler o ofício.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 11 de abril de 2012, 9h04

Comentários de leitores

7 comentários

E a OAB?

Frederico Ramos (Advogado Associado a Escritório - Civil)

O tratamento dispensado aos advogados pela OAB em sua sede faz-nos sentir bem, valorizados na profissão. Porém, quando se trata de defender os interesses do profissional em ambientes externos à "casa" do advogado, o nosso órgão representativo pouco ou nada faz a respeito. Tudo bem que a AASP já oficiou ao Tribunal, mas quem deveria agir é a OAB, fazendo valer a anuidade que espontanea e alegremente pagamos.

O Juiz que não manda

JrC (Advogado Autônomo - Civil)

Na verdade o que verificamos na prática é que em relação a levantamentos de depósitos judiciais o juia NÃO MANDA NADA. Se o instrumental chama-se MANDADO, então o banco tem o DEVER de cumrpi-lo, ao invés de pedir documentos que já estão nos autos.

BURROCRACIA

José Verçosa Júnior (Advogado Assalariado - Empresarial)

Concordo plenamente com as observações do colega Dr. Ricaro Cintra. É bem mais vantajoso para os bancos utilizarem-se do nosso suado dinheiro enquanto nós ficamos feito umas "bestas" para cumprir absurdas exigências. Pessoalmente, tive a infeliz experiência, com a Caixa Econômica Federal, de me exigirem uma Certidão Simplificada atualizada da Junta Comercial, para fins de comprovar se a uma empresa cliente minha (autora do processo) ainda estava em atividade. Até então tudo bem, mas, o alvará para levantamento do dinheiro referia-se aos meus honorários, e não tinha nada a ver com a regularidade da empresa parte no processo, pois o titular do crédito era eu. Então, como a CEF se justifica? Por que ficar mais alguns dias com o meu dinheiro? E quando os alvarás são assinados por juízes do próprio Fórum onde se situa o PAB do banco, e eles exigem o reconhecimento de firma nos alvarás? Não seria mais fácil para o banco criar cartões de autógrafos, já que trabalham na sede da Justiça e executam ordens diretamente de seus juízes? E quando a ordem vem de alvará da Justiça de outro Estado, onde a CEF exije não apenas o reconhecimento de firma de um cartório daquela localidade, como também a averbação pelo tabelião da Comarca local onde o dinheiro será levantado? Como os bancos justificam tamanho EXCESSO DE BURROCRACIA?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.