Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Luto na corte

Morre o desembargador Adilson de Andrade, do TJ-SP

Por  e 

Adilson de Andrade - 10/04/2012 [Jorge Rosenberg]Morreu nesta terça-feira (10/4) o desembargador Adilson de Andrade, do Tribunal de Justiça de São Paulo. O desembargador foi encontrado morto em sua casa, em Santos (SP), com dois tiros no abdômen. De acordo com a Polícia, ele morreu entre as 7h e as 7h30 da manhã desta terça. 

Adilson de Andrade tinha 60 anos, completados na última terça-feira (3/4). Deixa três filhos e a ex-mulher.

Especialista e professor de Processo Civil, Andrade ingressou no TJ-SP em 2006, oriundo da magistratura. Era formado em Direito pela Unissantos e concluiu o curso em 1975. Começou a carreira de juiz em 1982. Antes, foi advogado em São Paulo e escrevente do 2º Cartório de Notas e Ofícios, também na Capital.

Foi juiz em Araçatuba, Iguape, Juquiá, Registro, São Vicente, Cotia e na Capital paulista. No ano passado, esteve entre os desembargadores que mais julgaram na Câmara de Direito Privado do TJ paulista. Foi o quarto mais produtivo do grupo.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

 é jornalista.

Revista Consultor Jurídico, 10 de abril de 2012, 13h59

Comentários de leitores

1 comentário

Cheiro ruim no ar...

Elza Maria (Jornalista)

Em fevereiro de 2009 o mesmo desembargador foi alvo do noticiário policial. Na sua casa foi morto o caseiro José Francisco de Souza. Na época, conforme noticiou o Conjur (http://www.conjur.com.br/2009-fev-13/caseiro-morto-tiro-nuca-dentro-casa-desembargador-guaruja), houve diversas versões sobre o caso. Como terminou, não sei, não há notícias. Passados 3 anos, vem essa nova notícia. Mais um crime ou suicídio? A matéria não esclarece. Se foi suicídio, ele teria se dado dois tiros no abdome. Se foi homicídio, uma autoridade judiciária foi morta em sua própria casa o que constitui uma ameaça institucional e reclama apuração rigorosa e publicidade plena dos seus resultados e desfecho. Aliás, o primeiro caso também reclama maiores esclarecimentos públicos, já que o desembargador falecido está mais uma vez envolvido com fatos de violência extrema.

Comentários encerrados em 18/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.