Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Poder policial

Procurador critica AGU por ser contra investigação do MP

Por 

Quando o Supremo Tribunal Federal decidiu, em 2010,  que o Ministério Público tem autorização legal para investigar, limitou essa liberdade apenas para apuração de crimes cometidos por policiais no exercício da função. Em qualquer outra situação, não há previsão legal que fundamente que o órgão tome a frente dessa fase do processo. 

Esse é o entendimento manifestado pela Advocacia-Geral da União nesta semana a respeito da Ação Direta de Inconstitucionalidade em que a Ordem dos Advogados do Brasil questiona regra do Conselho Nacional do Ministério Público que autoriza os membros do MP a investigar. Para a AGU, a norma editada pelo Conselho permite a interpretação de que membros do MP possam agir em situações não previstas no acórdão do Supremo.

No entanto, o CNMP reputa a ADI a uma interpretação errada da norma, já que o órgão não abriu a possibilidade de participação dos promotores e procuradores em toda e qualquer investigação.  

A AGU concordou com a OAB em relação a dois pontos da Resolução 20/2007, considerados inconstitucionais. São eles o parágrafo 1º do artigo 4º, que trata da responsabilidade do MP em investigações que envolvam diretamente policiais no exercício da função, e a parte que confere ao CNMP o exercício de controle externo sobre as atividades-meio das corporações policiais. (Clique aquiaqui e aqui para ler a manifestação.)

A opinião da AGU foi solicitada pelo STF por conta da ADI 4.220, impetrada pelo Conselho Federal da OAB contra a resolução. “Causa estranheza o parecer da AGU e o pedido da OAB, pois tiraram o foco do controle externo para pôr reparo em matéria em que já há jurisprudência no STF”, afirma Mário Bonsaglia, procurador regional da República e conselheiro do CNMP.

Para a AGU, no entanto, a questão ainda não está pacificada no Supremo, havendo decisões nos dois sentidos, tanto reconhecendo a possibilidade de o MP investigar criminalmente, quanto entendendo que esse procedimento fere dispositivos da Constituição. Assim, a manifestação estaria fundamentada em decisões da própria corte.

Bonsaglia criticou o fato de a AGU não defender o CNMP. “O Conselho é um órgão público federal e é função constitucional da AGU defender as entidades do governo”, diz. Mas a AGU sustenta a tese de que seu compromisso é mais com a defesa da presunção de constitucionalidade dos atos normativos do que com interesses de órgãos específicos. 

Em agosto de 2009, o então advogado-geral da união e hoje ministro do STF José Antônio Dias Toffoli já havia considerado que a Resolução 20 da CNMP era inconstitucional, em Adin movida pela Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol).

A ADI 4.220 foi ajuizada em março de 2009. O presidente da Ordem, Ophir Cavalcante Junior, lembra que o motivo da ação foi o fato de que “na época se vivia um estado policial muito forte, com operações espetaculosas, muito mais midiáticas do que eficientes. Por conta disso, o Conselho Federal se reuniu e entendeu que não caberia ao Ministério Público fazer investigações”.

A Ordem é a favor da investigação, por parte do MP, apenas em casos de policiais que não cumprirem seu dever, ou quando há, por parte deles, desrespeito ao cidadão. No entanto, é contra a investigação nos demais casos. “O fato de o titular da Ação Penal fazer também a investigação pode gerar, em tese, uma situação de parcialidade”.

O conselheiro Mario Bonsaglia discorda. “Tudo o que o MP faz passa por análises judiciárias, o que elimina qualquer traço de parcialidade”, garante. Ele também acredita que, se o Ministério Público pudesse fazer investigações de qualquer natureza, a rigidez na qualidade da administração pública seria maior. “Quem tem os fins deve ter os meios, e quem tem o poder de executar as ações deve também fazer a colheita”.

A ação, cujo relator é o ministro Luiz Fux no STF, aguarda ainda parecer da Procuradoria-Geral da União para começar a ser julgada pela corte. 

Clique aquiaqui e aqui para ler manifestação da AGU.
Clique aqui para ler a Resolução 20 da CNMP.

ADI 4.220

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 4 de abril de 2012, 20h45

Comentários de leitores

4 comentários

Pq só investigar policia?

Pek Cop (Outros)

Se eh para investigar...então que investigue juízes, próprios promotores se policiarem de verdade, advogados, policiais e funcionários públicos est. fed. mun. e etc. Ou então alguns promotores poderiam pensar em prestar concurso para a policia.Pek.

A PF SERVE PARA QUE?

CHORBA (Bancário)

Ao dizer as palavras abaixo (final do texto) podemos entender que o MPF NÃO acredita nas ações da PF, o que sou obrigado a concordar.
.
A PF investiga, o MPF fiscaliza e acompanha as ações.
A partir dai quem investigará a PF ou vão acabar com a PF?
Quem fiscalizara o MPF?
.
O Sistema é perfeito, o que falta é o MPF acordar e trabalhar, acompanhar as aberrações dos investigadores, Delegados e Agentes da PF que se julgam DEUSES e não tem a menor preocupação com seu trabalho que lida diretamente com VIDAS HUMANAS.
.
A cada 10 IPLs - Inquéritos policiais, 8 são arquivados por falta de provas.
...............................................
O conselheiro Mario Bonsaglia discorda. “Tudo o que o MP faz passa por análises judiciárias, o que elimina qualquer traço de parcialidade”, garante. Ele também acredita que, se o Ministério Público pudesse fazer investigações de qualquer natureza, a rigidez na qualidade da administração pública seria maior. “Quem tem os fins deve ter os meios, e quem tem o poder de executar as ações deve também fazer a colheita”.
.
Jorge Alencar Chorba
chorbamatrix@gmail.com
http://chorbamatrix.blogspot.com/
(51)8248.7835

MAIS CORPORATIVISMO

opinião sincera (Outros)

É IMPRESSIONANTE COMO O TAL PROCURADOR SE EXPRESSA EM DESLAVADO CORPORATIVISMO: A AGU DEVE DEFENDER O CNMP PORQUE É UM ORGÃO DE GOVERNO.......... ENTÃO FICA ASSIM: POR CORPORATIVISMO, O CNMP DEFENDE OS MEMBROS DO MP, E A AGU DEFENDE O CNMP, NUMA CADEIA DE CORPORATIVISMO....... ORA, O COMPROMISSO DA AGU DEVE SER COM A VERDADE LEGAL E CONSTITUCIONAL, E NÃO OS INTERESSES E DESEJOS E UM SEGMENTO DO FUNCIONALISMO PÚBLICO.
E TAMBÉM SOA FALSA A AFIRMAÇÃO DE QUE A INVESTIGAÇÃO PELO MP DARIA CONOTAÇÃO DE SERIEDADE À APURAÇÃO DE CRIMES. O MP AINDA TEM A EXCLUSIVIDADE DO INQUERITO CIVIL PÚBLICO, INSTRUMENTO MAIS QUE EFICIENTE PARA O COMBATE À AVALANCHE DE CORRUPÇÃO QUE ASSOLA O PAÍS, DENUNCIAS DE CORRUPÇÃO ENVOLVENDO DESDE MINISTROS DE ESTADO E TODA ESTRUTURA DO SERVIÇO PÚBLICO, E NÃO SE VÊ NENHUMA AÇÃO DO MP.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.