Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Casado para morrer

Justiça anula casamento e determina restituição

A 7ª Vara da Seção Judiciária da Justiça Federal de Pernambuco determinou a anulação do casamento de um segurado da Previdência Social, já morto. Determinou também que a mulher com quem estava casado restituísse ao INSS R$ 120 mil pagos a título de pensão por morte do segurado. A justiça entendeu que no ato do casamento, o segurado estava com 88 anos e interditado judicialmente. Portanto, era incapaz para todos os atos da vida civil, inclusive para o casamento.

A Procuradoria Regional da União da 5ª Região ajuizou ação contra a viúva do idoso e comprovou a necessidade de anulação do casamento, pois na data o marido dela possuía incapacidade absoluta para a vida civil. Na ação, a procuradoria afirmou que a incapacidade absoluta para a vida civil está prevista no artigo 3º, parágrafo II do Código Civil e que, no caso, a Comarca de Jaboatão dos Guararapes (PE) reconheceu a demência senil do servidor, em processo de curatela - ato jurídico que confere proteção a incapazes por meio de um curador.

Segundo os autos do processo, a primeira mulher do servidor pediu sua interdição em 2002, antes de morrer. Posteriormente, a filha dela e enteada do aposentado ficou sendo a curadora. Em 2005, no entanto, a sobrinha do servidor solicitou a substituição, por ser parente legítima do homem, e posteriormente repassou a curadoria ao seu filho. Em setembro de 2006, o ancião casou com a mulher por meio de procuração pública.

Os procuradores entenderam que o casamento, que geral a obrigação da União pagar a pensão por morte para a pretnesa viúva, era nulo de pleno direito. Segundo a Procuradoria, houve má-fé da mulher, que casou-se com o servidor, mesmo sabendo da sua demência, com o objetivo de receber a pensão previdenciária de cerca de R$ 8 mil. A Justiça concordou com os argumentos da PRU-5 e determinou a restituição dos valores aos cofres da Previdência Social. Com informações da Assessoria de Imprensa da AGU.

Ação Ordinária 0010450-40.2009.4.05.8300 

Revista Consultor Jurídico, 29 de setembro de 2011, 7h24

Comentários de leitores

2 comentários

Casamento por procuração de acião senil

ACUSO (Advogado Autônomo - Dano Moral)

Na cidade de Pesqueira, no mesmo estado de Pernambuco, uma sobrinha, de 50 anos ( solteirona), induziu o seu velho tio ( também solteirão), de 90 anos e senil a assinar procuração a um outro sobrinho e com esse instrumento, casou-se, na capital, com o referido tio, que veio a falecer com 95 anos de idade. E há dois anos, a experta sobrinha vem recebendo pensão do tio-esposo, de tres mil reais ! O MP precisa saber disso! É só procurar o INSS local !

Aberração

Jaderbal (Advogado Autônomo)

O casamento por procuração é uma das maiores aberrações que existem. O legislador deveria proibi-lo, bem como o testamento particular.
Ambas as modalidades são uma via larga para a fraude, de tormentosa comprovação, especialmente a lesão aos cofres previdenciários

Comentários encerrados em 07/10/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.