Consultor Jurídico

Notícias

Em pé de guerra

“Há uma tentativa de emparedar o STF”, diz ministro

Comentários de leitores

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

42 comentários

Quem despacha ? Quem dá a decisão

ONM (Advogado Autônomo - Administrativa)

Acho que um outro ponto que vem acontecendo é Diretores e estagiários contratados, elaborarem sentenças e despachos, e juizes apenas assinarem. Em uma ação com o objetivo de obter uma liminar, fui procurar o juiz e deparei com uma estagiaria redigindo o despacho sem qualquer rascunho do juiz, ou seja, será que há a correção por parte do mesmo ? ou só assina e espera acontecer ? Acho que isto deve ser revisto, pois muitas vezes, o advogado pode levar para o lado da corrupção e não pelo lado correto, a negligencia em delegar funções a uma pessoa não apta. Cuidado, o seu despacho ou sentença pode ter sido elaborado por um estagiário ou diretor de secretaria.

Falar a verdade...falta gravíssima

wilsondecastrojr (Policial Militar)

Moramos em um país onde poucos são sérios. O executivo, o legislativo e agora o judiciário estão tão corrompidos ao ponto de tal corrupção assolar a mais alta corte do Brasil.
Como diria um antigo chefe que tive:
_ Garoto, aprenda uma coisa... aqui, faltar com a verdade é falta grave, mas FALAR a verdade... é falta gravíssima.

CONSELHO DE ÉTICA SOCIAL DA DEMOCRACIA

huallisson (Professor Universitário)

Seria muito importante que o Congresso Nacional aproveitasse os bons ventos da catarse política provocada pela atual crise moral do CNJ que revolveu o lixo do Judiciário e criasse o Conselho Social de Ética da Democracia para julgar - ETICAMENTE - os Membros do Supremo Tribunal Federal, nos moldes do Tribunal do Júri Popular.Esse Sinédrio do povo, daria à nação - simbolizando a Constituinte - a última palavra sobre o seu próprio destino. Nem o Estado nem a Constituição podem estar acima do povo, leia-se homem, ser humano, pessoa de carne e osso.Afinal, para que serve o mundo sem a vida humana!?... Pedro Cassimiro - Prof. de Direito e Economia - Brasília, Lago Sul/DF.

Ha uma tentativa...

Tonni Castro (Jornalista)

Estão querendo emparedar é a coragem de dizer a verdade, como fez a ministra Eliana Calmon, não os ministros do supremo.

Quem tem medo do CNJ

GINO (Advogado Autônomo - Consumidor)

O Dr. Peluso foi mal. O CNJ está acima dele, da Dra. Eliane Calmon e de todos os magistrados do Brasil.Quem tem medo do CNJ são exatamente os apadrinhados esperando suas chances de serem designados para um Tribunal, ou aqueles mais afeitos aos agrados dos superiores. Aqueles que se submetem a todo tipo de pressão. Quem tem medo do CNJ tem o rabo preso.Todas as profissões tem seus Conselhos. Os Deuses não? O Brasil precisa ser passado a limpo em todos os Poderes da República.

Justiça

Sargento Brasil (Policial Militar)

Como é boa a democracia! Podemos expressar nosso pensamento sem receio de termos problemas.
Porém, pelo que li nos comentários, está na hora ou já passou, de repensarmos de cabo a rabo a justiça em nosso país. E...acho que além do povo, o próprio ministério deveria ser o principal interessado nessa tarefa. A indignação existe, então nada melhor apurar, sem lastimar.

POR QUE TANTO MEDO DAS PALAVRAS DA MINISTRA?

Fernando Bornéo (Advogado Autônomo)

Impressiona-me o alarde em torno das declarações da Ministra Eliane Calmon que teve a coragem de sacudir o Poder Judiciário. A manifestação da Ministra tem o mesmo sentido daquela máxima "Aquele que não tem pecado que atire a primeira pedra". O Judiciária deveria ser o primeiro a querer moralizar o está parecendo imoralizável. O que mais se tem ouvido nos corredores do forum dos Estados é a prática da venda de favores e, consequentemente, de sentença e acórdãos. O CNJ, antes de ser criado, foi gerado para ser um órgão externo para fiscalizar a magistratura, mas não sei por que motivo foi trasmudado para ser o que era até a Ministra "sacudir a poeira". Vamos incentivar quem quer moralizar o Poder Judiciário, pois o princípio CONFIANÇA, EFICIÊNCIA, CELERIDADE, DESAFIO, TRANSPARÊNCIA E COMPROMISSO, que são metas traçadas pelo CNJ para a Justiça Brasileira, precisa ser levada adiante, por hoje o jurisdicionado não confia na justiça, porque a justiça não é eficiente, não é célere, não é transparente, e não tem compromisso com sua missão institucional. Já está passando da hora de juízes, desembargadores e ministros serem eleitos pelos brasileiros, prática que é utilizada nos Estados Unidos, e acabar com concursos que nem sempre trazem sapiência e conhecimento jurídico para a entrega da prestação jurisdicional. Pisou na bola, dança!

REAJUSTE PARA OS MEMBROS DO STF É OBRIGATÓRIO

Enos Nogueira (Advogado Autônomo - Civil)

Não vejo nenhuma decisão da mais alta corte do país, do STF, que obrigue o poder executivo (o mais poderoso e que manda nos outros dois) a reajustar anualmente os vencimentos dos servidores públicos, mas quando o poderoso poder executivo ameaça não dá reajustes para os membros do STF, a gritaria é geral. O guardião da constituição não deveria zelar para que a mesma fosse aplicada? O princípio da isonomia só vale quando benficia o STF?

auto explicativo

joão gualberto (Advogado Autárquico)

Do Jornal Gazeta do Povo (Curitiba-PR), em 25/09/2011:
Auxílio-livro 1
Os 120 desembargadores e os 700 juízes do Paraná contam agora com um benefício que, até pouco tempo, só se encontrava no Maranhão: trata-se do “auxílio-livro”, uma verba anual de R$ 3 mil para cada magistrado comprar livros. A ideia ganhou o respaldo do Tribunal de Contas que, na quinta-feira, respondeu positivamente a uma consulta do presidente do TJ, desembargador Miguel Kfouri Neto, sobre a legalidade do auxílio.
Auxílio-livro 2
O Ministério Público de Contas foi voto vencido: cinco conselheiros votaram a favor, dentre estes Ivan Bonilha, o único a fazer candente defesa oral do benefício. Na semana anterior, o TJ anunciara o resultado de uma outra curiosa licitação: por R$ 9 mil mensais pagos a uma empresa especializada, os desembargadores contarão com o fornecimento de frutas de livre escolha em seus respectivos gabinetes. Uma espécie de “auxílio-fruta”.

Viva o CNJ!

Chcampello (Auditor Fiscal)

Cadê vez que leio um comentário de algum juiz sobre o CNJ, convenço-me do acerto das declarações da Minitstra Eliana. É incrível como ainda existe algum magistrado cara de pau e fala em isonomia! Não li todos os comentários, mas Carpetro falou numa isonomia com a criação de outros CNJ...Ora, MEU FILHO, se houvesse isonomia um juiz não teria 2 meses de férias (podendo vender 20 dias...), não seria rigorosamente punido com aposentadorias, não teriam a condição de trabalharem como tartarugas (fazendo com que bandidos deixem de ser punidos em função da prescrição...), teriam uma lei específica somente para eles....Vocês precisam se conscientizar que são servidores públicos, existem para trabalhar para a sociedade, não são uns fins em si mesmos! Isso vai mudar, já escapamos de um ditadura militar e ingressamos numa ditadura judiciária.Todos os poderes são cobrados pela sociedade, o Judiciário é o poder menos fiscalizado e cobrado de todos! Precisa ser aberta essa caixa preta recheada de privilégios! Viva o CNJ!!!!

Estado Democrático de Direito...?

Eduardo Mauat (Delegado de Polícia Federal)

O conceito de Estado Democrático de Direito não se presta a garantir a uma determinada casta o beneplácito de não ser interpelada pela sociedade em face às decisões que adota. Um grande poder equivale a uma grande responsabilidade, e os tribunais superiores, infelizmente, vêm se tornando cortes cada vez mais políticas, não fazendo jus aos históricos juristas que já ocuparam aquelas cadeiras.
O CNJ já laborou em equivoco por diversas vezes ao legislar através de atos administrativos, mas essa atuação vem na senda do mau exemplo dado pelo Supremo, que agora invoca o EDD para justificar eventual limitação quanto a abusos que foram criteriosamente tolerados ao talante daquela Corte no decorrer dos anos, desde a criação do CNJ.
De forma inexplicável ainda temos determinadas castas – políticos, magistrados e membros do MP – imunes à Lei que aplicam aos cidadãos comuns, o que torna quase impossível que desvios sejam apurados, trazendo uma sombra de desconfiança e menoscabo institucional que meras palavras de desagravo e notas de repúdio jamais irão desfazer. Querem mostrar respeito de fato à sociedade? Acabem como o inconstitucional privilégio de foro investigativo.

Caro carpetro (Juiz Estadual de 2ª. Instância)

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Essa sua sugestão significa dizer, então, que concorda com a existência do CNJ. Isso é bom.

Isonomia

carpetro (Juiz Estadual de 2ª. Instância)

Porque não se cria, também , um C.N.J. para outras categorias pofissionais, tipo C.N.do Jornalismo, C.N.da Advocacia, Defensores, etc., com a a mesma estrutura do de Justiça, para receberem diretamente as queixas, reclamações e pedidos de providencias contra tais profissionais, em homenagem e respeito ao
principio constitucional da isonomia?

LAMENTO INFORMAR-LHES...

J.Koffler - Cientista Jurídico-Social (Professor)

... QUE TODO ESSE BARULHO ARGUMENTATIVO, EM TERRAS TUPINIQUINS, NUNCA SERVIU (E NEM SERVIRÁ) PARA NADA. CERTAMENTE QUE NENHUM DOS DOUTOS COMENTARISTAS SOBRE ESTE TEMA - NESTE ARTIGO E NO PRECEDENTE - LEU MEU COMENTÁRIO, CENTRADO NO CONCEITO DE DEMOCRACIA. SE O TIVESSEM LIDO, NÃO PERDERIAM SEU TEMPO EM CONTINUAR A POLEMIZAR NO EMBRÓGLIO DA VEZ, ONDE O CENTRO "ESTRELÍSTICO" É NADA MENOS QUE O BI-PRESIDENTE CESAR PELUSO (STF/CNJ).
"MANDA QUEM PODE; OBEDECE QUEM É SUBMISSO".

impeachment

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

As acusações contra Gilmar Mendes foram esquecidas. Na verdade, em respeito ao contraditório, quem acusou precisaria provar. E punição severa em caso de acusações falsas, ou de comprovação dos fatos.
Porém, Peluso JÁ COMETEU ato suspeito, ao deixar de instaurar os devidos procedimentos de apuração dos fatos. E ainda pretende dar uma de "zorro dos magistrados"...
Portanto, IMPEACHMENT DE PELUSO!!

ATÉ AGORA REFERIA-SE A MINORIA. SERÁ O CONTRÁRIO ?

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

"LIMITAR OS PODERES DA CORREGEDORIA DO CNJ É O 1º CAMINHO P/ A IMPUNIDADE DA MAGISTRATURA QUE HOJE ESTÁ COM GRAVÍSSIMOS PROBLEMAS DE INFILTRAÇÃO DE BANDIDOS QUE ESTÃO ESCONDIDOS ATRÁS DAS TOGAS". É tão difícil discernir que na frase acima , proferida pela Ministra Calmon,está se tratando de "EXCEÇÃO" e não de "REGRA" ?
É com essa falta de entendimento e responsabilidade que o STF julga os seus processos Sr. Peluso ? Ou seria essa 'infiltração' bem maior do que a afirmada (?) Considerando o "furdunço" causado pelo Min. Peluso, parece que ele fala pelos maus juízes. Seria isso? Em todas as categorias existem os bons e os maus e, no caso, a população vai acabar acreditando que, na Magistratura, os maus predominam. Por favor Dr. Cesar Peluso, não aumente, interprete, ou distorça as palavras da sua colega pois isso, além de não ajudar, favorece a tese da 'árvore contaminada'. Se pretendem "EMPAREDAR" o Supremo,como afirmado, parece que 'OS INCOMODADOS' já estão preparados para 'CAVAR' um buraco nele, confirmando com isso as declarações da Ministra Corregedora. Entendeu ou é preciso desenhar senhor Ministro presidente ?

PORQUE A VISÃO DESVIRTUADA DOS FATOS

joaobastos.adv (Bacharel - Civil)

Pelo que vejo, o tal ius, isso mesmo essa é a identificação que consta na nota publicada com o titulo “REALMENTE EXISTEM MAGISTRADOS À MARGEM DA LEGALIDADE,” , estranho não? Bem voltando ao tema, pelo que vejo ele andou misturando as coisas, atentem que ele reclama porque os processos tiveram andamentos mais céleres, isso não deveria demonstrar o compromisso da ministra Eliana Calmon com a elucidação dos fatos? Em vez disso, o tal ius, enxerga as coisas de forma diversa, alguma coisa não esta bem explicada nessa sua visão, enquanto todos torcemos para que o judiciário tenha o mínimo de celeridade, vem você , e na contramão da historia, critica tal celeridade, ficou difícil, ou impossível entender, ou, com a devida vênia, estaria sendo ferido seus interesses?

Estado democrático?

Corradi (Advogado Autônomo - Civil)

Desde criança, sempre ouvi dizer que não se deve colocar cachorro para tomar conta de linguiça. Criou-se um Conselho, teoricamente independente, para fiscalizar o Poder Judiciário, mas deixou-se o próprio chefe para censurá-lo. Evidentemente que o corporativismo não irá permitir nenhuma espécie de crítica, porque ali se acha que só se merece louros. Apenas se acha... Agora, o Min. Peluso falar em estado democrático quando ele mesmo age como ditador, como noticia a nota acima. Bater à mesa, exigir posição contrária aos demais Ministros, tomar a caneta do outro Ministro para redigir a nota de repúdio e no final da sessão sorrir ares de vitória, isso para mim não é democracia é ditadura interna. Estranho também o Min. Peluso sustentar que para definição de atribuições do CNJ deve-se aguardar Lei, quando o próprio STF, sob o seu referendo, tem atuado em inúmeras situações como legislador, a exemplo da regulamentação do casamento entre pessoas do mesmo sexo, quando a lei ainda não admite. Por que dois pesos e duas medidas? Para os amigos a lei e para os inimigos o rigor da lei? Min. Eliana Calmon, como V. Excia. pode notar pela repercussão deste fato, a sociedade está a seu lado. É o povo que forma uma nação e é a favor dele que deve ser dirigido o estado democrático de direito e, não, a um grupo que aos poucos está tomando o poder. Está na hora de também o povo escolher por voto, no Brasil, os ministros da Suprema Corte, com mandato limitado.

O Judiciário é Perfeito! Eu sou uma fada!

edvaldo (Outros)

Sabemos que em toda a profissão existem bons e maus profissionais. No caso do judiciário não pode ser diferente. O tiro de canhão com o qual o Sr. Peluso, dono da verdade, quis atingir a Sra Ilustríssima, Ministra, CORREGEDORA, ELIANA CALMON, saiu pela culatra e, acertou-lhe as fusas. Poderia ter ficado quieto e, esse assunto não teria tomado a proporção que tomou. Nós povo é que somos o dono da razão de fato. Afinal de Contas, TODO O PODER EMANA DO POVO. Eles (judiciário, legislativo e executivo), são nossos funcionários. E se eles não estão sabendo governar com seriedade, nós, povo, cidadãos, honestos, de fato, que colocamos a mão na massa, temos o dever e autoridade para colocá-los em seus devidos lugares. Somos mais de 150 milhões contra meia dúzia de pessoas não sérias. Ela disse infiltrado. Não disse todo o poder judiciário, pois não é tola, do contrário, afirmaria que ela também é bandida, ou ela não é ministra desse poder também? Disse de forma genérica. A CARAPUÇA SERVE PARA QUEM MERECE. Não sei nem o porquê que o Senhor Peluso ficou tão feroz. Acaso nunca vimos, com vergonha, pois eu fico envergonhado, juízes serem algemados? Delegados serem presos? Membros do MP atropelarem e atirar em pessoas? Delegado, de cueca, negar-se a cumprir alvará de soltura? Policiais tirarem a roupa de uma mulher dentro de uma delegacia e outros tantos descalabros vergonhosos praticados não por todas as autoridades,mas por algumas pessoas, que acham que podem tudo? Muitos reinos e governos caíram, quando, descaradamente, enganaram o povo. O Supremo, Congresso e Planalto,tem que se submeter a nós povo sim. Pois NÓS O POVO SOMOS MAIOR ATÉ mesmo QUE A CONSTITUIÇÃO, POIS A CONSTITUIÇÃO FOI CRIADA PARA O POVO E NÃO O POVO PARA A CONSTITUIÇÃO. Edvaldo Téc Enfermagem.

Ministro Joaquim Barbosa!!

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Quem pensa ser o Sr. Min. Peluso, que tratou logo de providenciar uma reunião a portas fechadas com todos os ministros do STF, com exceção de Joaquim Barbosa, a fim de expedir nota de apoio ao Gilmar Mendes??? Que moral tem um tribunal com tal característica, ou seja, de abafar uma situação de graves denúncias, que foram feitas pelo Min Joaquim Barbosa??
Assim, só posso achar uma piada o que diz o tal Min. Luiz Felipe.
Quanto ao que disse o Min Marco Aurélio, que o STF não é um teatro, eu e mais alguns milhões de pessoas estamos aqui, esperando para ver se não é mesmo.

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

Comentar

Comentários encerrados em 6/10/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.