Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Empréstimos autorizados

Gerente de banco responde por gestão fraudulenta

Mesmo não sendo o gestor da instituição financeira, o gerente de uma agência da Caixa Econômica Federal pode responder pelo delito de gestão temerária. Para a 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, basta que fique comprovado que o acusado detinha poderes de gestão. O entendimento não foge da jurisprudência consolidada do colegiado.

De acordo com a denúncia, no caso concreto, o crime aconteceu quando o titular do cargo estava de férias e o gerente substituto autorizou inúmeros empréstimos sem garantia a uma empresa de transportes no período. Estima-se que o prejuízo tenha sido de mais de US$ 1 milhão.

O gerente foi condenado, logo em primeira instância, a três anos de reclusão em regime aberto e ao pagamento de multa no valor de R$ 5,2 mil. Na segunda instância, sua sorte mudou. O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (São Paulo) entendeu que o gerente de agência não gere a instituição financeira e não responde pelos delitos previstos na Lei 7.492, de 1986, que define os crimes contra o sistema financeiro.

O Ministério Público recorreu ao STJ. O relator, desembargador convocado Celso Limongi, em decisão individual, deu provimento ao recurso para aplicar a jurisprudência da Corte e restabelecer a sentença. Contra a decisão, o gerente apresentou agravo regimental para que o conjunto de ministros de órgão colegiado reavaliasse a questão. Com informações da Assessoria de Comunicação do STJ.

REsp 917333

Revista Consultor Jurídico, 22 de setembro de 2011, 14h18

Comentários de leitores

1 comentário

ABSURDO

Ronaldo F. S. (Advogado Autônomo)

O TST CONTINUA COM O ENTENDIMENTO ABSURDO, RETRÓGRADO E INCONSISTENTE DE QUE GERENTE DE AGÊNCIA BANCÁRIA QUE PRESTA CONTAS A SUPERVISOR OU REGIONAL, ESTE A SUPERINTENDENTE ESTE A DIRETOR E ESTE A PRESIDENTE, É GESTOR.
O COITADO DO GERENTE DA AGÊNCIA NÃO CONSEGUE NEM LOTAR CARGOS DE CAIXA E/OU ESCRITURÁRIOS NA SUA AGÊNCIA, NEM AUTORIZA CONTRATAÇÕES/DEMISSÕES, NÃO ALTERA SALÁRIOS E, MUITAS DAS VEZES, SEQUER CONSEGUE DETERMINAR O PERÍODO DE FÉRIAS DOS FUNCIONÁRIOS DE SUA AGÊNCIA.
SOMENTE ESSA MENTALIDADE DO TST E DE SEUS MINISTROS PARA ENTENDER DE FORMA DIFERENTE. SERIA NECESSÁRIO QUE ELES ENTRASSEM EM UMA AGÊNCIA BANCÁRIA (QUALQUER UMA) E CONVERSASSEM POR MEIA HORA COM O GERENTE QUE TENHO CERTEZA QUE A SÚMULA SERIA ALTERADA POR SER ABSURDAMENTE OBTUSA.

Comentários encerrados em 30/09/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.