Consultor Jurídico

Notícias

Morte anunciada

EUA aguardam execução de réu considerado inocente

Comentários de leitores

8 comentários

O AVESSO DO AVESSO

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

'ESTADOS UNIDOS AGUARDAM EXECUÇÃO DE PESSOA CONSIDERADA INOCENTE' - "BRASIL AGUARDA A SOLTURA/FUGA DE PRESOS CONSIDERADOS CULPADOS" - INCOERÊNCIAS DA VIDA -

corrigindo

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

E se for inocente?

E SER FOR INOCENTE?

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

CLARO QUE TAL FATO NÃO TEM IMPORTÂNCIA CULTURAL ...

MATA LOGO!

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

O cidadão não foi condenado à morte. Ele foi condenado a ficar preso por mais de 21 anos e depois ser morto. Pode?

Lição irretocável.

Vitor Guglinski (Advogado Autônomo - Consumidor)

Não há, em pleno século XXI, como compreender e admitir a manutenção da pena de morte, seja em que lugar for. Segundo o insígne Kildare Gonçalves Carvalho, o professor Lydio Machado Bandeira de Mello foi precisamente cirúrgico ao afirmar que "o Direito Penal é um direito essencialmente mutável e relativo. Logo, deve ficar fora de seu alcance a imposição de penas de caráter imutável e absoluto, de total irreversibilidade e irremediáveis quando se descobre que foram impostas pela perseguição, pelo capricho ou pelo erro. Deve ficar de fora de seu alcance a pena que só um juiz onisciente, incorruptível, absolutamente igual seria competente para aplicar: a pena cuja imposição só deveria estar na alçada do ser absoluto, se ele estatuísse e impusesse penas: a pena absoluta, a pena de morte. Aos seres relativos e falíveis só compete aplicar penas relativas e modificáveis. E, ainda assim, enquanto não soubermos substituir as penas por medidas mais humanas e eficazes de defesa social(LYDIO MACHADO BANDEIRA DE MELLO. O criminoso, o crime e a pena, 1970, p. 335, "apud" CARVALHO, Kildare Gonçalves. Direito Constitucional,15ª ed. p. 748). É o argumento que basta.

PENA DE MORTE

Gervasio (Advogado Autônomo)

É lamentável que em alguns Estados Americanos ainda se aplique a pena de morte, o mesmo se diga quanto a China Cuba e outros.
Mas presisamente quanto aos estados Unidos a aplicação da pena de morte, não é aplicada para mostrar a força das decisões judiciais, mas sim para mostrar ao mundo a arrogãncia de seus governantes.
E espero sentado algum pais questionar essa decisão, fazendo um boicote por exemplo.
Aliás, não é o povo que governa, portanto a opinião em matéria como essa deve ser juridica e não de clamor público, pois se assim fosse os Estados Unidos não estaria no buraco que está, ou seja, sua economia fraca e sem credibilidade, mas as autoridades americanas continuam arrogantes e destoadas com um mundo melhor, onde preso cumpre pena, pelo que se nota eles se transformam em deuses, quando se aproxima as eleições.
É lamentável, que no pais mais desenvolvido do mundo, pelo menos é o que se fala, ainda aplique esse tipo de punição.
Espero que esse mesmo conselho de sentença amanhã ou depois verificado o erro sejam condenados a mesma pena.
Assim, um erro se justificaria com o outro, e avante a ignorância e arrogância, das autoridades americanas que manda seus convidados entrar descalso em seu pais.

Farinha do mesmo saco!

 (Advogado Autônomo - Civil)

Pergunto: qual a diferença entre os EUA e países por eles desdenhados como atrasados, a exemplo do Irã que executa apedrejando ou mesmo países cuja mão é cortada quando pego roubando. Compara-se os EUA a Estados radicais. Civilizado, sim, mas nem tanto...

SISTEMA MUITO (D) EFICIENTE

Dr. Juliano A. Souza (Advogado Autônomo)

Essa matéria deve cair como uma luva para aqueles que defendem que devemos imitar o modelo americano de aplicar a Justiça..ora vemos que lá, não funciona tanto quanto aqui, mas aqui pelo menos, pessoa inocente não é assassinada pelo Estado, de forma direta.

Comentar

Comentários encerrados em 28/09/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.