Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Constrangimento público

Policial barrado em restaurante deve ser indenizado

A 5ª Vara Cível do Distrito Federal mandou a Caixa Beneficente da Polícia Militar indenizar um policial militar por constrangê-lo ao impedi-lo de entrar no estabelecimento. Segundo funcionários da associação, em fevereiro de 2009, ele não poderia usufruir dos serviços do restaurante por possuir pendências em seu cadastro. O juiz entendeu que a conduta da Associação produziu “dano moral que atingiu o âmbito psíquico do ofendido, que sofreu violação em sua tranqüilidade e subtração de sua paz de espírito”.

Por estar fardado, ser contribuinte da entidade há mais de 20 anos, e ter passado pelo constrangimento de ser barrado na frente de diversas pessoas, o policial entrou com um pedido de indenização por danos morais.

Em sua defesa, a Caixa Beneficente informou que tudo não passou de uma "falha de comunicação" e que o policial teria sofrido "apenas meros aborrecimentos, não tendo a instituição atentado ou violado o decoro ou honra alheios". Disse ainda que decidiu "abrir as portas de seu estabelecimento, não sendo necessário que o associado faça refeições em outro local" e pediu que fosse colocada uma "pá de cal no mal entendido".

O juiz substituto da 5ª Vara Cível entendeu que se o policial é filiado da entidade há mais de vinte anos, a associação poderia facilmente tê-lo contatado para esclarecer sobre as modificações que pretendia implementar e no momento em que o fato ocorreu, os responsáveis pela instituição poderiam ter resolvido a situação "franqueando a entrada do associado ao restaurante e procurado informar que seria preciso que houvesse uma atualização dos dados junto aos cadastros da associação". Por isso, entendeu o magistrado ser devida a indenização ao policial no valor de R$ 3 mil.

Ainda de acordo com a sentença, o valor indenizatório fixado levou em consideração "a proporcionalidade entre o dano moral e suas consequências, bem como as condições econômico-financeiras do agente causador do dano". Com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

Processo 2010011054327-7
 

Revista Consultor Jurídico, 5 de setembro de 2011, 16h57

Comentários de leitores

2 comentários

Policial impedido

E.Rui Franco (Consultor)

Se até em associações específicas, isso acontece, imagine para nós pobres mortais. E os do PT que cospem no prato em que comeram, e desdizm tudo o que disseram, é uma corja de corruptos só, com as raras exceções de sempre antes que me processem, vovê que se sentiu ofendido, é uma delas, fique tranquilo.

PROPORCIONALIDADE

DUANY (Outros)

Segundo a assessoria de imprensa do TJ/DF a indenização de três mil reais de danos morais atendeu o princípio da proporcionalidade (leia-se: PARA QUEM É UM NADA DEVE SER OFERTADO O NADA). Mais preconceito que isso impossível.

Comentários encerrados em 13/09/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.