Consultor Jurídico

Colunas

Segunda Leitura

A pesquisa científica nas Faculdades de Direito

Comentários de leitores

4 comentários

Pesquisa exige corpo docente qualificado

huallisson (Professor Universitário)

Ilustre Advogado Ramiro,
É pura ilusão pensarmos em pesquisa jurídica no Brasil.O pesquisador precisa de, pelos menos, conhecer o abecedário na faculdade de Direito.Ora, a Ordem extinguiu até mesmo os dois anos de estágio prático nos cursos de direito por conta do Exame de Ordem!E o Supremo deu carta branca à Ordem para instituir, cobrar e não prestar contas de taxa de inscrição de bacharéis!Um absurdo do absurdo!Pedro Cassimiro-Prof. de Direito e de Economia - Brasília.Em se tratanto de Justiça brasileira, até Deus duvida!

Pesquisa exige corpo docente qualificado

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

No Brasil temos excelente pesquisa científica em algumas áreas, infelizmente na forma de ilhas de excelência.
E uma tremenda competição interna, somada às incertezas de quando serão os próximos períodos de esgotamento de verbas.
Algumas áreas começam a acontecer nos EUA
http://www.lawneuro.org/
Em termos de Brasil o que isto implicaria? As Faculdades de Direito das grandes universidades interagirem com os Institutos Biomédicos. Profissionais de mais de uma área de formação trabalharem juntos.
E não bastasse isso, estamos ainda muito desistrumentalizados contra a fraude científica.
http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/896929-cnpq-vai-criar-comissao-contra-fraude-apos-denuncia.shtml
http://www.cnpq.br/normas/lei_po_085_11.htm
Um bom campo para os Advogados, sim...
Nos EUA a chapa é bem quente.
http://ori.hhs.gov/
O problema é que para haver pesquisa de fato em Direito seria necessário um número mínimo de professores doutores por instituição. Hoje parece haver poucas ilhas, os melhores conceitos são da USP e da UERJ, e nenhum programa de pós-graduação em Direito tem conceito 7 da CAPES. A melhor qualificação estava em 6.
Só quem vivenciou estar na rotina de um programa de pós-graduação conceito 7 CAPES sabe como é que a banda toca sem poder desafinar...

bom artigo, mas ...

daniel (Outros - Administrativa)

bom artigo, mas a pesquisa jurídica no Brasil é recente e está contaminada por MUITOS medíocres que acham que pesquisa é mera compilação de textos de terceiros e sem nada de novo descobrir e apenas buscam um título sem compromisso com resultado algum.
Tem Doutor em universidade pública que fica escrevendo sobre a influência do bater das asas da borboleta no inventário e a dignidade humana !!
Parabéns ao articulista que faz pesquisa de verdade !

ESTUDO/ENSINO EFICIENTE

Antonio D. Guedes (Professor Universitário - Tributária)

O ilustre mestre mostra iniciativa de aperfeiçoamento de métodos de ensino/aprendizagem jurídicos, a que acrescento por experiência própria (fui Coordenador de Pesquisa e Extensão da Faculdade de Direito da UFMG, na década de 90 e já existia o PIBIC, apenas inovado em 2006): a pesquisa, se bem conduzida, é excelente motivador para o estudo e a formação, inclusive em campos diversos ao do tema, mas necessários à fundamentação;bolsa do CNPq facilita dedicação e subsistência do estudante; amplia-se a possibilidade de publicações, do aluno e do professor; tem-se ótimo "ensaio geral" da defesa de monografia de final de curso inclusive no tema. Na UFMG o Direito se enquadra em "Ciências Sociais Aplicadas" com Biblioteconomia, Administração, Arquitetura, que, por mais afeitas às exibições visuais,ganhavam todas as competições, até que, providenciado um programador visual, pudemos igualar as condições e "faturar" prêmios!Parabéns ao Desembargador/Mestre!

Comentar

Comentários encerrados em 7/11/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.