Consultor Jurídico

Comentários de leitores

10 comentários

Solução: Planejamento

Eduardo Miranda (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

o que falta não só no Poder Judiciário, é PLANEJAMENTO. É incrivel a incompetencia gerencial. O grande problema é a forma pacifica que o Judiciário Paulista encara o "corte" no orçamento. Mesmo com os cortes realizados nos ultimos anos, a peça orçamentária tem tido um acrescimo de quase 1 bilhão de reais. É crível o Poder Judiciário do maior estado Brasileiro acumula um passivo de VERBAS TRABALHISTA NÃO PAGAS AOS SERVIDORES, de 2 bilhões e 100 milhões. O problema não é receber os 6% (seis inteiros por cento) da arrecadação. O problema a falta de planejamento. Só não esta pior porque os servidores e apenas esses tentam defender a instituição.
Devo lembrar apenas os principios da administração publica da Constituição Federal do artigo 37 e ainda a autonomia administrativa e financeira do Judiciário prevista na Constituição, artigo 99.
vamos aguardar.

Demorou.....paulistas copiarem os cariocas...

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

O Fundo Especial do TJ-RJ foi criado por iniciativa do atual governador em 1995. A partir daí o Tribunal passou a gerir toda a arrecadação de custas, taxas emolumentos etc. o que resulta hoje em uma infra estrutura moderna, produtividade etc. Vale esclarecer que o fundo não pode ser utilizado para pagamento de pessoal, na minha opinião o que falta para atingir níveis de excelência em qualidade de serviços ao público. Esse o fundamento do TJ-RJ figurar no topo das estatísticas de produtividade do CNJ.
Todavia é certo que não adianta recursos sem gestor competente, por isso, na minha opinião absolutamente isenta entendo que a gestão do TJ-RJ tem dois momentos, antes e depois do Des. Luiz Zveiter atual presidente do TRE-RJ. Vale destacar que o trabalho por ele iniciado tem continuidade com o atual presidente, inclusive na informatização do processo judicial e de julgamento.

AUTONOMIA FINANCEIRA PARA O JUDICIÁRIO

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Esta idéia nasceu em 25 de janeiro de 1554. Acho que podemos levar adiante a ideia por mais 500 anos. Até lá, acredito que a falência do Poder Judiciário estará cumprida.

Solução definitiva

Ricardo Cubas (Advogado Autônomo - Administrativa)

A melhor de todas as propostas seria federelizar o orçamento de todo o judiciário brasileiro. Uniformizam-se os gastos, uniformiza-se o controle, retira-se a influência do executivo estadual na justiça estadual.
.
Obviamente, a contrapartida seria a subtração desse custo de uniformização nacional, no contingenciamento das receitas estaduais repassados da União para os Estados da Federação.

Suplementação de verba

Fernanda Fernandes Estrela (Assessor Técnico)

S.m.j. houve suplementação de verbas nos dois últimos meses.
Porém, os débitos trabalhistas continuam pendentes.
Ao menos, os servidores nada viram nesse sentido até agora.
E, ao que me recordo, o acordo do ano passado entre os poderes Judiciário e Executivo era que:
suplementações de verbas seriam para que o primeiro acertasse as contas com seus credores.

um poder de joelhos

mat (Outros)

EM primeiro lugar aos desmotivadamente ressentidos (algúem já tabalhou sem receber direitos trabalhistas ou horas extras por anos), os dados de toda a estrutura remuneratória são públicos e estão no site facilmente compreensíeis. Quanto aos palácios, conclui-se que há anos tal cois comenáristas não entram num recinto da justiça estadual neste estado, tendo havido intedições de fóruns pelo corpo de bombeiros por absoluta falta de estrutura. A cúpula da Magistratura de São Paulo se curva indecentemente ao executivo. è o o único estado em que o o executivo atropela a bel prazer o judiciário. Em outros estados tem se discutido formas de melhorar o financiamento até com alteração dos 6% da LRF. em SP o executivo tem destinado cerca de 4% e temos um poder sucateado, com uma estrutura vergonhosa. No último ano, após grande mobiliaçao dos servidores e da OAB, havia intençao de emendas pelo legislativo e o então presidente publicamente anunciou um acordo com o sr. governador para suplementação à medida do aumento da areecadação. Houve aumento da arrecadação e nehuma suplementação. O estado mais rico do país´possui o pior judiciário. Ao lado MG, RJ e ES conferem aos juriscicionados muito superiores condiçoes.E o pior é que o mero cumprimento da CF bastaria para uma melhor prestação; basta que as custas arrecadas pelo prórpio poder não sejam desviadas para a politicagem do executivo ou para emendas corrompidas do legislativo.

Pode ser uma alternativa

Flávio Souza (Outros)

Ora, se do orçamento anual da União X% é destinado ao Poder Judiciário, creio ser discutível e defensável a proposta estampada na reportagem, inclusive que o Poder Judiciário honrem não somente com as dívidas trabalhistas com tb com possíveis precatórios com fatia de seu próprio orçamento. Gente, o erário não suporta mais a carga tributária. Quanto mais oneroso for a máquina pública mas pesada é e continuará a ser a carga tributária. A equação não fecha nunca. Isso ainda se falar na previdência social que é um Deus nos acuda.

Quanta ignorância.

Flávio (Funcionário público)

Lí o comentario da bacharel Ana Lucia e fiquei abismado.O que é que voces pensam, o TJ está com seu sistema de informatica totalmente defasado, foruns caindo aos pedaços, basta ver o da Lapa, funcionarios desmotivados, muitos magistrados com verba a ver do estado. Quem trabalha de graça é relógio e ainda assim precisa dar corda e ainda vem uma pessoa que pelo visto deve ser totalmente alheia ao poder judiciario falar que a verba é para construir palacio. Procure se informar e depois comente. Se o governador e os deputados não liberarem o que o TJ pediu, não há outra saída. Ação no STF. Pelo menos o disposto na Lei de Responsabilidade Fiscal: 6%, e não se esquecer do passa depois que o Des. Viana Santos levou do Alckmin. O dinheiro é público e a divida tambem.

Repartição

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Dever-se-ia esclarecer quanto é pago com vencimento de magistrados, e o quanto é pago com o restante dos servidores, quando sabemos que não raro o famoso "escrivão" é quem faz quase todo o serviço do juiz paulista.

querem torrar o dinheiro do povo sem controle algum !

analucia (Bacharel - Família)

querem torrar o dinheiro do povo sem controle algum ! Ou seja, aumentar as mordomias, construir mais palácios e enxugar gelo.

Comentar

Comentários encerrados em 1/11/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.