Consultor Jurídico

Patrimônio da universidade

Ex-reitor da UnB é absolvido em ação de improbidade

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região manteve a sentença que absolveu Timothy Martin Mulholland, ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB), da acusação de improbidade administrativa. Ele foi acusado pelo Ministério Público Federal de desviar verbas que deveriam ter sido usadas para o financiamento de pesquisas para comprar um carro de luxo e diversos itens de expressivo valor, como TV de plasma de 52 polegadas, móveis e duas lixeiras com pedal, avaliadas cada uma em cerca de R$ 1 mil.

O tribunal julgou improcedente, na sexta-feira (11/11), a ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal, por entender que Mullholland não praticou ato de improbidade administrativa, nos termos do artigo 11 da Lei 8.429, de 1992. O mesmo entendimento já havia sido firmado pela 21ª Vara da Seção Judicial do Distrito Federal.

Os desembargadores do TRF-1 aplicaram a tese do advogado de defesa do ex-reitor, Marcos Joaquim Gonçalves Alves, de que não houve participação de Mullholland na decisão do Conselho da Fundação da UnB de instalar e equipar o imóvel oficial da Reitoria para fins de representação institucional da Universidade.

Além disso, a corte considerou que os itens comprados para o imóvel funcional da universidade e o automóvel comprado para uso da Reitoria são de propriedade exclusiva da UnB. Não houve, portanto, qualquer ofensa à Legislação Federal e aos atos reguladores da Universidade no processo de decisão e aquisição desses bens.

O caso
Timothy Martin Mulholland e Paulo Weidle, ex-decano da administração da UnB, foram acusados pelo MPF de utilizar, com desvio de finalidade, recursos do Fundo de Apoio Institucional à Universidade de Brasília, originários da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec), destinados ao desenvolvimento tecnológico e científico e ao financiamento de pesquisas.

O ex-reitor alegou que não praticou ato de improbidade administrativa, pois não participou da decisão que lhe cedeu o imóvel funcional. Ele afirmou ainda que a compra de utensílios para o imóvel e a aquisição do automóvel são providências inseridas no conceito de desenvolvimento institucional, previsto no Decreto 5.205/2004. A defesa de Mulholland destacou que o valor das despesas é condizente com a dimensão do imóvel funcional e que a decisão é discricionária.

O ex-decano argumentou que apenas deu execução à deliberação do Conselho Diretor da Universidade de Brasília, não havendo a configuração de dolo na sua conduta, sendo evidente a má-fé do MPF ao incluí-lo na Ação Civil Pública.

Ao julgar improcedente o pedido do MPF, o juiz Hamilton de Sá Dantas alegou que não há como enquadrar o caso na hipótese de improbidade administrativa, pois os bens adquiridos foram, desde a data de sua compra, integrados ao patrimônio da UnB. Ele destacou ainda que a verba utilizada não tem natureza pública, segundo informações da própria universidade, pois a Finatec é uma fundação de Direito Privado autônoma, sem vínculo com a UnB.

"Portanto, enquanto não houver a instituição do 'princípio da simplicidade', abolidor de toda suntuosidade inútil e desrespeitosa com a população ainda muito carente deste país, teremos que conviver com o pensamento de que o luxo promove o 'desenvolvimento institucional' ou é compatível com a 'dignidade do cargo'", afirmou o juiz na sentença. Ainda cabe recurso. Com informações da Assessoria de Imprensa da Justiça Federal do DF.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de novembro de 2011, 19h01

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/12/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.