Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Quinto da OAB

Advogada é nomeada desembargadora do TJ-RJ

Por 

A advogada Flávia Romano de Rezende foi nomeada nesta segunda-feira (21/11) desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro pelo quinto constitucional da advocacia. Flávia concorria com Carlos Eduardo Pontes Lopes Cardoso e Luiz Octávio Rocha Miranda Costa Neves, mais votados entre seis nomes levados pela seccional fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil ao TJ em agosto. O governador do estado escolhe um dos três nomes escolhidos pela corte.

Flávia era diretora jurídica da Coca-Cola, onde trabalhou por 13 anos. Antes, advogou para o Citibank. Foi professora de pós-graduação em Propriedade Industrial na Universidade Estadual do Rio de Janeiro e na PUC-RJ. É nora do advogado Condorcet Rezende, sócio do escritório Ulhoa Canto, Rezende e Guerra Advogados, um dos mais tradicionais do Rio.

Foi a segunda tentativa dela ao cargo. Na primeira, no ano passado, concorreu para as vagas deixadas pelos desembargadores Galdino Siqueira e Francisco Assis Peçanha, que se aposentaram, e Ismênio Pereira de Castro, que morreu. Porém, desistiu ainda na fase de escolha da OAB. Voltou a concorrer em julho, para a vaga do desembargador aposentado Gilberto Pereira Rêgo. Nesta segunda, foi a primeira a ser escolhida para a lista tríplice feita pelos magistrados, com 92 votos. Carlos Eduardo Cardoso e Luiz Octávio Neves entraram depois. Ela já havia sido a mais votada entre os candidatos escolhidos pela OAB-RJ.

Carlos Eduardo Cardoso e Luiz Octávio Neves também já tinham disputado as vagas deixadas pelos desembargadores Ismênio Pereira de Castro, Galdino Siqueira Neto e Francisco de Assis Pessanha. Mas perderam os cargos para Patrícia Ribeiro Serra Vieira, Luciano Sabóia Rinaldi de Carvalho e Cláudio Tavares de Oliveira Junior, escolhidos pelo governador em abril.

Na mesma sessão desta segunda, o Pleno do TJ elegeu a desembargadora Letícia de Faria Sardas como membro efetivo do Tribunal Regional Eleitoral, com 120 votos, na vaga do desembargador Sérgio Lúcio de Oliveira e Cruz, que completou o primeiro biênio representando a corte no TRE.

O colegiado ainda escolheu os desembargadores Otávio Rodrigues, com 97 votos, e Ademir Pimentel, com 135, para integrarem o Órgão Especial, em virtude do término dos biênios dos desembargadores Sérgio Lúcio Cruz e José Carlos de Figueiredo. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-RJ.

[*Notícia alterada em 23/11/2011, às 17h07, para correção de informações.]

 é editor da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 22 de novembro de 2011, 10h22

Comentários de leitores

1 comentário

OAB DE OPHIR DÁ TIRO DE MISERICÓRDIA NA PÁTRIA BRASILEIRA

huallisson (Professor Universitário)

EXCELENTÍSSIMOS SENHORES GOVENADORES E DEMAIS AUTORIDADES BRASILEIRAS PERTINANTES,
Em cumprimento à Constituição Federal e ao Regime Democrático de Direito, e, mormente, em respeito à memória da Pátria que, gravemente enferma, agoniza no leito da morte, na qualidade de cidadão brasileiro nato, RG 221.576-SSP/DF, REQUEIRO seja sobrestado, incontinenti,toda e qualquer indicação de advogados promovida pela Ordem dos Advogados do Brasil - OAB a cargos de Juiz, Desembargador e Minsitro ao Poder Judiciário, devido à completa imoralidade pública por que passa a OAB nacional.No que pese a indiscutível capacidade profissional desses eminentes advogados escolhidos, o antro de corrupção e o indomável perfil déspota que se transformou a Ordem - divulgado às escâncaras pela mídia -, lamentavelmente, a mesma não goza mais de conduta moral para cumprir tão nobre missão constitucional. Com a recente denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado do Pará, em desfavor do atual Presidente do Conselho Nacional da OAB, o Sr. Ophir Cavalcante,em meio a um cipoal de fraudes de improbidade administrativa, falsificação de documento, corrupção ativa e passiva,advocacia administrativa e tantos outros crimes que vieram à tona, qualquer ato praticado com a chancela do Conselho Federal da Ordem está, irretorquivelmente, até que se prove o contrário, eivado de irregularidades insanáveis.Qualquer indicação da Ordem, nesse sentido, significa um tiro de misericórdia no corpo gélido da Pátria Mãe assassinada por essa gente. Em nome da Constituição e da Democracia, o Requerente pede e aguarda Defetimento. Brasília,22.11.2011. Pedro Cassimiro de Souza - Professor.

Comentários encerrados em 30/11/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.