Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Povo estúpido

Metade dos brasileiros não sabe o que é autoritarismo

Por 

É alarmante o resultado da pesquisa da chilena Latinobarometro que a Folha de S.Paulo publicou no dia 29 de Outubro. Ela mostra que no último ano o apoio da população brasileira à democracia caiu de 54% para 45%. Caiu mais que a média de apoio na América Latina. Ou seja, menos de metade da nossa população prefere a democracia a qualquer outra forma de governo. A maioria acha que um governo autoritário pode ser preferível a um democrático, ou que dá na mesma a democracia ou o autoritarismo.

Vivo hoje, à vista desse fato, Nelson Rodrigues diria que, além da unanimidade ser burra, a maioria é estúpida. Parece incrível que, numa nação que foi vítima da opressão de uma ditadura, mais de metade da população pense que um governo totalitário pode ser melhor que a democracia, ou que tanto faz.

É por isso que tem tanta importância o trabalho que vem sendo feito pelo Instituto Vladimir Herzog, com seu projeto “Resistir é preciso...”, resgatando os jornais e jornalistas que, nas bancas, na clandestinidade ou no exílio, combateram a ditadura. Em vídeos, livros, documentários e outras iniciativas, o Instituto insere na História do Brasil e procura mostrar a todos, principalmente aos mais jovens, qual era a realidade que vivíamos nos anos de chumbo. Para que não permitamos que isso aconteça de novo.

Os estúpidos que dispensaram a democracia nessa pesquisa do Latinobarometro não sabem que, sem democracia:

1. A imprensa amordaçada não poderia denunciar corrupção nos governos, nem opinar livremente sobre todos os assuntos;

2. Um presidente da República rejeitado pela população não teria sido castigado pelo impeachment;

3. Um presidente que terminou oito anos de mandato com apoio de 86% da população, também segundo o Latinobarometro, não poderia sequer ter sido eleito;

4. O fim do sigilo eterno de documentos do governo e a criação da Comissão da Verdade, já aprovados pela Câmara e pelo Senado, nem projetos teriam sido;

5. O Brasil não viveria o atual desenvolvimento social e econômico, nem gozaria do respeito que hoje lhe dedicam os outros países;

6. Nenhuma crítica ao governo seria permitida – por jornalistas, por sindicalistas, por estudantes, por políticos, ou por quem quer que fosse;

7. A corrupção, a incompetência e o desmando de governantes e funcionários públicos estariam permanentemente acobertados pela intransparência do poder totalitário;

8. Estaríamos todos continuamente sob a ameaça arbitrária de prisão, tortura e morte;

9. Teríamos de tomar cuidado com o que disséssemos perto de colegas de escola e de trabalho, vizinhos, conhecidos, até parentes, pois qualquer um poderia nos delatar, em troca de alguma vantagem junto aos donos do poder;

10. Ainda existiria um DOPS, com o inacreditável nome de Departamento de Ordem Política e Social, onde se prendiam pessoas pelo crime de pensamento e opinião;

11. Não poderíamos votar porque os mandantes nos seriam impostos, nem a opinião pública poderia se manifestar.

Com a provável exceção dos estúpidos 55% da população brasileira que acham que democracia não é indispensável, todos conhecem a frase de Sir Winston Churchill: ”A democracia é a pior forma de governo, exceto todas as outras que têm sido tentadas de tempos em tempos." E a de Ulysses Guimarães, que disse que "A grande força da democracia é confessar-se falível de imperfeição e impureza, o que não acontece com os sistemas totalitários, que se autopromovem em perfeitos e oniscientes para que sejam irresponsáveis e onipotentes."

Só na democracia é possível criticar até mesmo a própria democracia – e, de Saramago e Bernard Shaw até ao Marquês de Maricá, há comentários derrogatórios a ela em suficiente quantidade. Mas eu fico com Goethe: "A democracia não corre, mas chega segura ao objetivo."

 Consultor de empresas e diretor do Instituto Vladimir Herzog

Revista Consultor Jurídico, 11 de novembro de 2011, 12h42

Comentários de leitores

4 comentários

Que democrata é esse?

APIMENTA (Engenheiro)

Como o articulista pode se achar tão ou mais democrata do que os que rejeitaram a pesquisa?Chamar de estúpido aqueles que pensam diferente, é isso ser democrata?Sinceramente,por suas palavras percebemos está num regime outro, em que só se dá bem quem for militante. O texto faz inveja a qualquer militante do PSOL, do PCdoB ou do PT.

Metade?

Deusarino de Melo (Consultor)

Graças a Deus, nem 5% sabem... Aqui nunca houve autoritarismo. Até nossas revoltas tiveram um andamento fantasioso. Há muito que muitos ditos heróis dão tiros de pólvora seca, agora que os porões funcionaram,lá isso funcionaram e ainda funcionam e não é mais só em´porões. CUIDADO!!!

BRASILUSÃO

Luiz Carlos de Oliveira Cesar Zubcov (Advogado Autônomo)

QUE DEMOCRACIA É ESSA QUE DEIXA IMPUNE OS LADRÕES DO COFRE PÚBLICO (PARA NÃO DIZER OS POLÍTICOS) – DESGRAÇADOS QUE SE REGOZIJAM COM A MORTE E A TORTURA DE MILHÕES DE VIDAS INOCENTES – E QUE JOGA NA MASMORRA A MÃE QUE SE APOSSOU DE UMA LATA DE LEITE PARA SALVAR A VIDA DA SUA CRIANÇA?
É UMA ÓTIMA NOTÍCIA. ENFIM, O POVO ESTÁ DESPERTANDO. CUIDE-SE A MINORIA OPRESSORA!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/11/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.