Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

Curiosidade

Barchilón, R H (Advogado Autônomo - Civil)

Alguém aqui já ouviu falar de BIM - Building Information Modeling ?

Curiosidade

Barchilón, R H (Advogado Autônomo - Civil)

Alguém aqui já ouviu falar de BIM - Building Information Modeling ?

Orçamentistas

Tiago - Eng. de Segurança do Trabalho (Engenheiro)

O superfaturamento em obras públicas tem uma diversidade de razões, que se alimentam para criar o cenário que hoje vemos, de obras superfaturadas.
A primeira delas, a permissão da Lei 8.666/93 de se licitar somente com o chamado projeto básico. Na verdade, o nome deveria ser projeto burro, porque em suas graduações nenhum profissional aprende diferença entre um projeto meia boca, e um projeto completo, correto, que, no mundo das licitações, é chamado de projeto executivo.
E quando o projeto é mal feito, os problemas vem em cascata...O orçamentista recebe um projeto incompleto, que faltam detalhamentos, lista de material, então, nem pensar!
Então os quantitativos já saem furados... E, para evitar os famosos pedidos de aditivo durante a vigência do contrato, alguns orçamentistas são obrigados a errar acima, a chamada "gordurinha" de planilha orçamentária.
Sobre os preços, catálogos como SINAPI e o da EMOP possuem alguns que, até se a contratada comprar no varejo, consegue sobreviver. Por isso o comentário da reportagem que a metodologia não avalia as grandes compras que uma empresa pode fazer.
E, por fim, o fator final: os orçamentistas não podem exigir fabricantes, sob pena de estar favorecendo outras empresas privadas. Esta previsão da lei 8.666 é um tiro no pé do próprio ente público, pois, por melhor que sejam as especificações técnicas, não há como impedir a utilização de materiais de baixa qualidade.
Após a licitação, entra a contratada. Corpos de prova de concreto forjados, economia em estruturas, pagamentos baixos pelo mínimo do sindicato.
Vou parar por aqui...

15%?

ELISBERG (Outros)

Vocês acham que o brasileiro é burro? Esses 15% de diferença é justamente a porcentagem, que no mínimo vai para o bolso dos "chefões" do Estado. Muitas dessas mutretas já foram descobertas envolvendo parlamentares sob todos os aspectos. Já viu algum deles detrás das grades? Nem viu e nunca vai ver!!!

Comentar

Comentários encerrados em 3/04/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.