Consultor Jurídico

Falta de licitação

Liminar suspende sindicância contra desembargador

O ministro Joaquim Barbosa concedeu liminar parcial para suspender, temporariamente, a instauração de sindicância, no âmbito do Conselho Nacional de Justiça, por fatos apurados em Procedimento de Controle Administrativo (PCA) contra ex-presidente do Tribunal de Justiça do Paraná.

O ministro, entretanto, negou pedido de igual providência em relação ao Ministério Público, à Receita Federal do Brasil e à Procuradoria do estado do Paraná, observando que "tais entidades agem por dever de ofício e não estão subordinadas à autoridade coatora (no caso, o CNJ). Assim, a medida liminar não pode impedi-las de tomar as medidas que entendem cabíveis a partir de informações fornecidas pelo CNJ".

Ao conceder a liminar parcial, o ministro Joaquim Barbosa reconheceu preliminarmente a decadência da revisão da conduta do desembargador nos anos de 2003 a 2004, pois o prazo de cinco anos, previsto nos artigos 52 a 54 da Lei 9.784/1999, já se havia esgotado quando foi iniciado o Procedimento de Controle Administrativo pelo CNJ.

Entretanto, o ministro manteve a parte do acórdão do CNJ que determinou "o encaminhamento dos autos ao Ministério Público e à Procuradoria do Estado do Paraná para apuração dos prejuízos causados ao erário daquele estado e promoção das ações cabíveis para ressarcimento do dano causado pelos agentes públicos responsáveis pelos fatos que enumera".

No seu despacho, o ministro Joaquim Barbosa ressaltou que a medida liminar por ele concedida "é precária e efêmera e, portanto, não poderá ser invocada para sustentar a estabilização legítima de qualquer expectativa". Observou, ademais, que ela "poderá ser revista a qualquer momento, especialmente após o recebimento das informações (do CNJ) ou da manifestação do procurador-geral da República". O processo ainda será examinado pelo STF em seu mérito.

A sindicância
De acordo com os autos, o CNJ determinou a instauração de sindicância contra o ex-presidente do TJ-PR perante a Corregedoria Nacional de Justiça para apuração de responsabilidade do desembargador "pela realização de despesa pública no exercício de 2003 a 2004, sem prévia licitação, com indícios de prejuízo ao erário e descumprimento de princípios da Administração Pública, bem como por ter dirigido a contratação de empresa para a fiscalização da obra do edifício anexo ao Palácio da Justiça para a Globo Engenharia Ltda., além de ter realizado despesas sem relação com o interesse público primário e com intuito de promoção pessoal".

No Mandado de Segurança impetrado perante o STF, o desembargador alega que o CNJ é incompetente para iniciar, originariamente, processo disciplinar contra membro da magistratura; que a administração perdeu o poder/dever de rever sua conduta em relação a fatos ocorridos há mais de cinco anos (decadência); e, por fim, que foi regular a contratação da empresa Globo Engenharia, bem como a do Banco Itaú/Banestado para gerir os depósitos judiciais. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

MS 30.383




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de março de 2011, 8h58

Comentários de leitores

3 comentários

Supressão de instância

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

De fato, prezado Daniel André Köhler Berthold, a notícia não diz que o Ministro entendeu que a atuação do CNJ deve se dar somente no caso de omissão da Corregedoria Regional. Mas é o que efetivamente vem entendendo a Corte em outros julgados.

Sem exageros

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Penso que o Sr. Marcos Alves Pintar exagerou na felicitação.
Pelo que se conclui da notícia, a decisão do Exmo. Sr. Ministro do STF baseou-se na decadência, não na impossibilidade de atuação do CNJ: ão é que o CNJ não pudesse atuar; começou a atuar muito tarde.
Por sua vez, se a Corregedoria-Geral da Justiça do Estado, ou a Regional, demorasse propositalmente na apuração, seus próprios integrantes poderiam, em tese, responder por isso.

Sem órgão de apuração

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Termina assim a vigência dos dispositivos constitucionais introduzidos pela Emenda Constitucional 45/2004, anulando por completo a atuação do CNJ. A própria decisão do Ministro comentada na reportagem já nos mostra como. Sabe-se que as Corregedorias Regionais são confrarias nas quais vale a força política. Havendo condições favoráveis qualquer magistrado articulado pode cometer toda espécie de delito ou ato ilícito que jamais será condenado, exceto se se desaviar com o grupo político dominante. Assim, com o STF passou a entender (contrariando o texto constitucional) que a atuação do CNJ é sempre supletiva, não podendo conhecer diretamente de representação contra magistrado, basta que as Corregedorias Regionais "cozinhem" o caso até a decadência. Mesmo se o CNJ ingressar no caso, após a enrolação feita na Corregedoria Regional, não haverá mais tempo suficiente para qualquer providência. Parabéns aos magistrados brasileiros, que mais uma vez demonstraram seu poder de organização e articulação, anulando por completo essa nova tentativa do povo brasileiro de retomar o poder que supostamente lhe pertence.

Comentários encerrados em 23/03/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.