Consultor Jurídico

Quebra de sigilo

Confederação questiona normas que preveem punição

A Confederação dos Servidores Públicos do Brasil entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade, no Supremo Tribunal Federal, questionando o Projeto de Lei de Conversão (PLV) 4/2011 da antiga Medida Provisória 507/2010. O projeto prevê hipóteses de sanção disciplinar para violação de sigilo fiscal e disciplina o instrumento de mandato que confere poderes a terceiros para praticar atos perante órgãos da administração pública que impliquem fornecimento de dado protegido pelo sigilo fiscal. O relator da ADI é o ministro Luiz Fux.

O PLV e a MP preveem pena de demissão, destituição de cargo em comissão, ou cassação de disponibilidade ou aposentadoria para o servidor público que permitir ou facilitar, mediante atribuição, fornecimento, empréstimo de senha ou qualquer outra forma, acesso de pessoas não autorizadas a informações protegidas por sigilo fiscal de que trata o artigo 198 da Lei 5.172/1966 (Sistema Tributário Nacional). Também preveem punição para funcionário celetista que violar o referido sigilo.

Há, ainda, previsão de punições semelhantes para o servidor público que se utilizar indevidamente do acesso restrito às informações protegidas por sigilo ou que acessar, sem motivo justificado, informações protegidas por sigilo fiscal.

Segundo a Confederação, a MP 507/2010 foi regulamentada pela Portaria 1.860, de 11 de outubro de 2010 da Receita Federal do Brasil, posteriormente revogada pela Portaria RFB 2.166, de 5 de novembro de 2010.

A Confederação afirma que a análise dos artigos das portarias da Receita Federal que regulamentam a MP 507 mostra que, "sem qualquer tipo de aprofundamento, poderão ser punidos servidores administrativos, pelo simples fato de estarem laborando sob um comando manifestamente ilegal".

Do mesmo modo, segundo a Confederação, o chefe que fornecer senha, assim como o servidor administrativo em cumprimento de seu dever legal, poderiam ser punidos, "e isso em manifesto descompasso com o que disciplina a Constituição Federal de 1988, seu artigo 37". Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

ADI 4.572




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de março de 2011, 8h59

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 20/03/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.