Consultor Jurídico

Copa e Olimpíada

DEM questiona MP do regime diferenciado de licitação

O deputado federal Antonio Carlos Magalhães Neto, líder do DEM na Câmara dos Deputados, impetrou Mandado de Segurança no Supremo Tribunal Federal para suspender a discussão e votação da Medida Provisória 521, que cria o Regime Diferenciado de Contratações, que poderá ser aplicado nas licitações para a Copa do Mundo e Olimpíadas.

A norma tratava de questões funcionais de médicos residentes e de funcionários requisitados para a Advocacia Geral da União, mas foram adicionados dispositivos para criar o Regime Diferenciado de Contratações, que poderá ser aplicado nas licitações para as obras de infraestrutura da Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016.

Para ACM Neto, a MP foi drasticamente descaracterizada. Segundo ele, a tramitação da proposta “viola o direito líquido e certo dos deputados federais de participar de um processo legislativo livre de vícios de inconstitucionalidade”.

O deputado pede liminar para que o processo legislativo seja suspenso e alternativamente, para que seja determinado ao presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), que não admita qualquer emenda parlamentar, inclusive da própria relatora, sobre matéria estranha à temática principal da MP.

No mérito, pede a declaração de nulidade do processo legislativo da MP 521, em especial na parte relativa à inclusão de dispositivos que tratam do Regime Diferenciado de Contratações. A relatora do mandado de segurança é a ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha. Com informações da Assessoria de Imprensa do Supremo Tribunal Federal.

MS 30.614




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de maio de 2011, 0h52

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/05/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.