Consultor Jurídico

Comentários de leitores

8 comentários

PELUSO E A PEC

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Mais uma Pelusada. Sem comentários!

estatísticas...

ahrens (Advogado Autônomo)

O nobre Ministro argumenta ser "inconcebível" um sistema moroso que "prejudica toda a sociedade para não correr o risco de nove injustiças"... podemos concluir, portanto, que o culto magistrado entende ser esta (nove) a quantidade de injustiças razoavelmente adequada! E se, futuramente, a morosidade voltar a nos assombrar? Ora, que se aumente a tolerância às injustiças para vinte... e depois, para cinqüenta... e, de tolerância em tolerância... Queira Deus que, ao menos nós, juristas, não sejamos incluídos dentre os injustiçados tolerados pois isso já seria um absurdo!! Aí sim teríamos que tomar alguma providência!!! Não sei bem o porquê mas lembrei de BERTOLD BRECHT:
"Primeiro levaram os negros, mas não importei com isso. Eu não era negro.
Em seguida levaram alguns operários, mas não me importei com isso. Eu também não era operário.
Depois prenderam os miseráveis. Mas não me importei com isso porque eu não sou miserável.
Depois agarraram uns desempregados, mas como tenho emprego também não me importei.
Agora estão me levando, mas já é tarde. Como eu não me importei com ninguém, ninguém se importa comigo…"
Despeço-me agora... estou indo rezar!

continuação

Ademilson Pereira Diniz (Advogado Autônomo - Civil)

(cont.)..aprender o que é O DIREITO, pois, relativamente a esses, me lembro do que disse Machado de Assis, a respeito de Bentinho, que "ele tinha se formado em Direito, mas não tinha arraigada, em seu cérebro, a idéia DO DIREITO", quer dizer que esse fenômeno da ignorância ilustrada não é novo entre nós. Se se tratar de uma TEORIA (bárbara) está errada e devem seus alunos serem encaminhados à uma BOA ESCOLA; ou será outra coisa, isto é, esse pessoal está comprometido com alguma outra coisa que não quer nos contar. O que será?

Uma monstruosidade....

Ademilson Pereira Diniz (Advogado Autônomo - Civil)

Admitir a "injustiça" como elemento de justificação de qualquer coisa, é a negação flagrante da essência do DIREITO, e, posta essa argumentação por um JUIZ é de fazer corar o maior dos bárbaros. Esse Ministro sempre surpreende: no julgamento da FICHA LIMPA, ele abdicou de um poder que, a rigor não é dele, mas do cargo que ocupa, e deixou de proferir o voto de minerva, que desempataria o placar. Recentemente li aqui que uma Promotora de Justiça Federal (MPF) havia dito: que preferia ver cem (100) inocentes na cadeia do que um (01) criminoso impune... Isso bate com a argumentação desse Min. do STF, não interessando que ele usou o subterfúgio da "estatística" para lastrear o absurdo; será que esse pensamento do "arrasa tudo o que é indício de civilidade" já se tornou uma ESCOLA? Ao MP, ainda podemos creditar que tenha essa posição, com toda ressalva possível, mas, a um JUIZ, NÃO!!! Esse pessoal DEVE voltar aos bancos escolares, desta feita, uma BOA escola, e dela só sair quando aprender o que é O DIREITO, pois, relativamente a eles, só me vem à lembrança o que disse Machado de Assis a respeito de Bentinho: "conseguiu se formar em Direito, mas não tem o 'ideia' do DIREITO arraigada em sua cabeça", só pode ser desse mal que sofrem essas pessoas, ou estão absolutamente comprometidas com algum objetivo que não nos querem contar.

Uma monstruosidade....

Ademilson Pereira Diniz (Advogado Autônomo - Civil)

Um JUIZ que admite a "injustiça" como elemento de justificação de qualquer coisa, sobretudo para, fazendo ouvidos moucos às verdadeiras causas da morosidade da JUSTIÇA, inceramente, não é digno de ser sequer um juiz de rinha. É a negação flagrante da essência do seu cargo -- fazer justiça!!! Mas, essa não é uma atitude isolada desse Ministro: no julgamento da FICHA LIMPA, ele abdicou de um poder que, a rigor não é dele, mas do cargo que ocupa, e deixou de proferir o voto de minerva, que desempataria o placar. Essa fala desse Ministro está de acordo com o que disse recentemente um Promotora de Justiça Federal (MPF): que preferia ver cem (100) inocentes na cadeia do que um (01) criminoso impune...será que esse pensamento do "arrasa tudo o que é indício de civilidade" já se tornou uma ESCOLA? Ao MP, ainda podemos creditar que tenha essa posição, com toda ressalva possível, mas, a um JUIZ, NÃO!!! Esse pessoal DEVE voltar aos bancos escolares, desta feita, uma BOA escola, e dela só sair quando aprender o

Cinismo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Todos os magistrados em atuação nesta República sabem exatamente a fórmula necessária a fazer com que as ações penais tramitem com brevidade, ainda que haja uma infinidade de recursos, da mesma forma que o cidadão comum sabe que depois do dia vem a noite: aumentar o número de julgadores, servidores e instalações; fazer com que os magistrados e membros do Ministério Público sejam responsabilizados quando usam o poder de decidir ou denunciar para perseguir desafetos. Entretanto, quem é do STF quer ser 1 entre 11, e não 1 entre 40. O magistrado de primeiro grau quer ser 1 entre 14 mil, e não 1 entre 50 mil. Nenhum deles quer ser contestado em suas decisões, ainda que atos claros de abuso de autoridade, nem ser responsabilizado. Porém, todos simplesmente ignorar essa fórmula simples, embora saibam que é a única que vai efetivamente resolver o problema da lentidão nas ações penais.

Conversa pra boi dormir

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Suprimir o habeas corpus será o passo seguinte à aprovação da PEC. Nessa época já será fácil pois bastará deixar aqueles que podem agir em sentido contrário ocupados fazendo defesa em duzentas ações penais interpostas contra cada um imputando falsamente a prática de delitos.

PEC

magi-mg (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Mknistro,
Sinto informá-lo: Não vai passar a PEC !
A quem interessa a justiça - principalmente criminal - rápida?
A eternização do processo é fonte de renda para alguns.

Comentar

Comentários encerrados em 13/05/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.