Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova composição

Jefferson Kravchychyn é aprovado na CCJ do Senado

Por 

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, nesta quarta-feira (29/6), mais três nomes indicados para integrar a nova composição do Conselho Nacional de Justiça: o procurador da República Wellington Cabral Saraiva, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho Carlos Alberto Reis de Paula e o advogado Jefferson Kravchychyn, reconduzido ao cargo por indicação da Ordem dos Advogados do Brasil. Para que tomem posse no CNJ, o Plenário do Senado ainda deve aprovar os três.

Depois de uma curta sabatina, que durou apenas uma hora e meia, Saraiva e Reis de Paula foram aprovados por unanimidade, com os votos dos 19 senadores presentes à sessão. Kravchychyn teve um voto contra e 18 a favor. Ou seja, conseguiu dirimir as dúvidas a respeito de sua indicação colocadas pelos senadores na semana passada.

No começo da sabatina, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) leu nota assinada por nove dos 15 conselheiros do CNJ em defesa da indicação de Kravchychyn e contra as acusações feitas contra ele pelo desembargador Elpídio Donizetti, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (clique aqui para ler reportagem sobre as acusações).

De acordo com a nota (leia a íntegra abaixo), os conselheiros “repudiam as acusações infundadas trazidas à baila pelo desembargador em relação à pessoa e a conduta conselheiro Jefferson Luis Kravchychyn”. Segundo o texto, o conselheiro não foi responsável por vazar para a imprensa dados do processo que corria contra o desembargador no CNJ.

Na sessão desta quarta, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) voltou a questionar Kravchychyn sobre uma nova acusação, agora feita pelo desembargador Carlos Prudêncio, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, seu estado. De acordo com o senador, o desembargador acusou o conselheiro de se reunir com outros dois desembargadores, seus inimigos no tribunal, para prejudicá-lo nos processos em que responde.

Kravchychyn se defendeu. Disse que foi vítima de uma “arapongagem desavergonhada de um desembargador que responde a mais de oito processos no CNJ” e que não era o relator do processo contra o juiz catarinense. Os senadores se satisfizeram com as explicações do conselheiro e aprovaram sua recondução.

De acordo com Demóstenes Torres, o desembargador Elpídio esteve em seu gabinete na terça-feira (28/6), mas não o convenceu das acusações que fez na semana anterior. “Embora a acusação não seja leviana, não assiste razão ao desembargador.”

Os senadores defenderam mais uma vez que as sabatinas têm de ser verdadeiras, para colocar à prova os candidatos. “A sabatina não pode ser um convescote entre amigos. A sabatina mais longa do Brasil durou sete horas. A mais longa dos Estados Unidos, do juiz Clarence Thomas, da Suprema Corte, durou sete meses”, disse o senador Pedro Taques (PDT-MT).

Apesar disso, os senadores deram uma trégua aos sabatinados desta quarta. Apenas Demóstenes e Taques fizeram perguntas. Taques colocou em questão a judicialização das decisões do CNJ e os limites de sua atuação. O ministro Reis de Paula lembrou que quando uma discussão é submetida à Justiça e se fixa a competência do Judiciário para julgá-la, o CNJ não pode atuar, já que sua competência é eminentemente administrativa.

O procurador Wellington Saraiva disse que o CNJ não pode deliberar sobre um ato judicial. Mas ressaltou que o Conselho, em relação ao prazo prescricional de cinco anos de processos administrativos, pode fazer a ponderação entre o princípio da moralidade pública e o da segurança jurídica, na tentativa de recolocar as coisas em seus devidos lugares.

Leia a nota do CNJ em defesa de Kravchychyn

Os membros do Conselho Nacional de Justiça comunicam aos Srs. Senadores da República o que se segue:

1 — O Conselho nacional de Justiça julgou por unanimidade o processo de número 000.6968-27.2010.2.00.0000 que determinou a exoneração da Sra. Leila Donizetti Freitas do cargo em comissão do gabinete do Desembargador Elpídio Donizetti Freitas Nunes, por ser ex-esposa do mencionado magistrado.

2 — O referido Processo de Controle Administrativo tramitou sob sigilo por determinação do Conselheiro Relator, Jefferson Luis Kravchychyn, quando, regimentalmente, poderia ter tramitado sem tal cautela.

3 — A sessão de julgamento foi pública no dia 24 de maio corrente, como determina o artigo 116 do regimento Interno do Conselho Nacional de Justiça, transmitida via internet, pelo sítio oficial do Conselho Nacional de Justiça, como habitualmente ocorre.

4 — Eventual divulgação do resultado, após o julgamento do procedimento, se deu pelas vias oficiais do Conselho nacional de Justiça, através de seu órgão de comunicação, que não está subordinado ao Conselheiro Jefferson Luis Kravchychyn, e sim institucionalmente à Presidência do Conselho nacional de Justiça, como órgão executivo das políticas e ações do Conselho Nacional de Justiça.

5 — Afirmam que o Conselheiro Jefferson Luis Kravchychyn, sempre exerceu seu múnus com independência, probidade, competência, ética, respeito, dedicados a todas as partes, pares, e às instituições da República. Nada tendo sido aventado, quando da sua primeira indicação e primeira sabatina do Senado Federal, assunto que somente tomou vulto quando atingiu o determinado magistrado, repita-se julgado por unanimidade dos membros do CNJ.

6 — Repudiam as acusações infundadas trazidas à baila pelo referido desembargador em relação à pessoa e à conduta do Conselheiro Jefferson Luis Kravchychyn, atestando que o Sr. Conselheiro possui todas as condições de ordem objetiva e subjetiva para recondução, permanência e desempenho do cargo ora ocupado neste Conselho Nacional de Justiça, requisitos este que o levaram ao exercício do primeiro mandato e se mantém presentes para uma eventual recondução.

Brasília, 27 de junho de 2011.

Eliana Calmon
Ives Gandra
Jorge Hélio
José Adônis
Marcelo Neves
Marcelo Nobre
Milton Nobre
Paulo Tamburini
Walter Nunes

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 29 de junho de 2011, 19h22

Comentários de leitores

3 comentários

Terrorismo disfarçado é muito pior do que «bullying»

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Se é verdade o que afirma o Dr. Wagner Göpfert, quando sugere ao Conselheiro que não torne à advocacia em seu Estado natal porque isso acarretará prejuízo para todos os seus cliente, então, força convir, que os magistrados contrafeitos não hesitariam em praticar atos verdadeiramente TERRORISTAS. Isso mesmo: quem retalia o advogado mas no atos de retaliação atinge o cliente do advogado age como Usama Bin Laden que, para retaliar o governo dos EUA, atingia pessoas inocentes. A diferença é de método, de armas e de grau das consequências. Mas a espinha dorsal da ação, a intenção, a motivação, essa é a mesma: um sentimento pessoal de vingança fundado na intolerância e, no caso dos magistrados, na total ausência de vocação para o exercício da profissão, pois tudo o que um Magistrado, desses que se escreve com letras capitais, não pode ser, é intolerante, irascível, colérico, retaliador. Se for, pode até ter preparo técnico para a profissão, mas definitivamente, não está talhado para exercê-la e deveria pedir para sair. Aliás, falta um acompanhamento psicológico e psiquiátrico sério dos magistrados para determinar quem pode e quem não pode exercer a profissão, quem fica inebriado com a investidura do poder de mando, decisão e prisão e quem sabe usar isso com temperança, quem confunde aplicar o direito como razão de justiça e quem acha que ser juiz é o mesmo que ser justiceiro.
.
(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito pela USP – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Que sorte

Wagner Göpfert (Advogado Autônomo)

Pois é. Para um advogado “mexer” com um Deusembargador precisa de muito peito e “costas quentes”, pois, fatalmente, irá ser alvo das mais perversas perseguições e acusações efetuadas por ele mesmo e por seus pares não abrangidos. Afinal, quem ele pensa que é? Sugiro ao nobre Conselheiro que se mantenha em cargos públicos, porque voltar a advogar no Estado do denunciado irá prejudicar todos os seus clientes. Se não acredita, acompanhe meu blog http://wagnergopfert.blogspot.com/ - wgopfert@adv.oabsp.org.br

Kravchychyn??? que isso?

Sunda Hufufuur (Advogado Autônomo)

Puxa, com um nome desses tenho até medo que poderá vir daí.

Comentários encerrados em 07/07/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.