Consultor Jurídico

Coação de testemunha

Condenação em processo não exclui nova denúncia

De acordo com o Superior Tribunal de Justiça, a condenação por um processo não exclui a instauração de nova denúncia. A decisão veio depois de julgamento de pedido de trancamento de ação contra condenado à prisão por homicídio, agora acusado por ameaça a testemunha, que é sua ex-mulher.

A nova denúncia, feita pelo Ministério Público, afirma que o homem, enquanto era julgado pelo homicídio, telefonou para sua ex-mulher e a ameaçou para que ela não o incriminasse. O problema é que a denúncia foi feita depois que o homem já tinha sido condenado e preso.

Segundo a defesa, a denúncia se tratava de um crime impossível, pois o homem é acusado de ameaçar uma pessoa para que ela não o incrimine de um crime pelo qual já cumpre pena. Com esses argumentos, foi pedido um Habeas Corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo para trancar a ação. O recurso foi negado.

O TJ-SP alegou que o delito foi cometido no momento da ameaça, e não da denúncia, enquanto o processo ainda corria. Segundo o TJ paulista, “sempre haveria a possibilidade de que a mulher, amedrontada, viesse a juízo retratar-se para inocentar o denunciado”. O Tribunal julgou ser impossível antecipar a análise do mérito da acusação no HC.

No STJ, a defesa voltou a falar do crime impossível e falta de justa causa para a ação. Dessa vez, completou que a ameaça não surtiu efeito, já que a mulher não se intimidou e depôs contra o ex-marido. Para a relatora do caso no STJ, ministra Maria Thereza de Assis Moura, no entanto, a coação de testemunhas é um delito formal e, por isso, não se pode exigir resultados. O crime é consumado no momento da ameaça.

Segundo Maria Thereza, o que conta, no caso, é o momento em que a ameaça foi feita, e “é irrelevante se a sentença condenatória já havia transitado em julgado”. Ela citou jurisprudência do STJ, afirmando que o crime de coação no curso do processo ocorre por meio de simples ameaça a qualquer pessoa que influencie no julgamento final. As informações são da Assessoria de Imprensa do STJ.

RHC 23415




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 25 de junho de 2011, 10h29

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/07/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.