Consultor Jurídico

Crime doloso

Ex-policial acusado de matar juiz do ES vai a júri

Acusado de participar do assassinato do juiz Alexandre Martins de Castro Filho, de Vila Velha (ES), o ex-policial civil Cláudio Luiz Andrade Batista deve ir a júri popular. A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça concedeu em partes o pedido de Habeas Corpus impetrado pelo réu. Assim, fica revogada a prisão cautelar.

A defesa do ex-policial alegou uma série de irregularidades. De acordo com ela, os juízes que atuaram no caso seriam suspeitos. Por isso, pediu a transferência do processo para a Justiça Federal. Além do mais, apontou problemas na denúncia oferecida pelo Ministério Público local feita por promotores que atuam apenas em primeiro grau, usando as mesmas peças que embasaram a denúncia contra o juiz apontado como suposto mandante do crime.

Segundo o relator do caso, ministro Og Fernandes, os magistrados foram regularmente designados para atuarem como juízes adjuntos na 4ª Vara Criminal de Vila Velha, e não para julgar esse caso específico. Quanto ao deslocamento da competência, o relator afirmou que esse pedido não pode ser analisado em Habeas Corpus porque essa provocação é de atribuição exclusiva do procurador-geral da República.

A jurisprudência do STF e do STJ determinam que em crimes dolosos contra a vida cometidos por mais de uma pessoa, quem não tem prerrogativa de foro por função deve ser julgado perante júri popular. A previsão está no artigo 5º da Constituição Federal. Com informações da Assessoria de Comunicação do STJ.

HC 52.105




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de junho de 2011, 12h30

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/06/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.