Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

lado errado

Mudanças no CPP enfraquecem trabalho repressor

Por 

O Congresso Nacional aprovou a Lei 12.403 de 4 de maio de 2011, que veio alterar dispositivos do Decreto-Lei 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), relativos à prisão processual, fiança, liberdade provisória, demais medidas cautelares, e outras providências. A vigência dessas alterações se dará em 60 dias da publicação da nova lei (a partir 4 de julho).

Então, temos que agora o cidadão que for preso em flagrante dificilmente permanecerá detido, pois a nova lei obriga o juiz, quando recebe a comunicação da prisão em flagrante, a decidir fundamentadamente se converte a prisão em preventiva, se relaxa a prisão (no caso de ilegalidade) ou se aplica alguma medida cautelar diversa da prisão, colocando o autuado em liberdade.

Foram criadas as seguintes medidas cautelares diversas da prisão: “I - comparecimento periódico em juízo, no prazo e nas condições fixadas pelo juiz, para informar e justificar atividades; II - proibição de acesso ou frequência a determinados lugares quando, por circunstâncias relacionadas ao fato, deva o indiciado ou acusado permanecer distante desses locais para evitar o risco de novas infrações; III - proibição de manter contato com pessoa determinada quando, por circunstâncias relacionadas ao fato, deva o indiciado ou acusado dela permanecer distante; IV - proibição de ausentar-se da Comarca quando a permanência seja conveniente ou necessária para a investigação ou instrução; V - recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folga quando o investigado ou acusado tenha residência e trabalho fixos; VI - suspensão do exercício de função pública ou de atividade de natureza econômica ou financeira quando houver justo receio de sua utilização para a prática de infrações penais; VII - internação provisória do acusado nas hipóteses de crimes praticados com violência ou grave ameaça, quando os peritos concluírem ser inimputável ou semi-imputável (artigo 26 do Código Penal) e houver risco de reiteração; VIII - fiança, nas infrações que a admitem, para assegurar o comparecimento a atos do processo, evitar a obstrução do seu andamento ou em caso de resistência injustificada à ordem judicial; IX - monitoração eletrônica.”

Como se vê, fora a monitoração eletrônica que não funciona ainda na prática, as demais medidas se baseiam apenas na “confiança” na pessoa do preso, para que solto ele venha a se comportar bem. Será o suficiente em delitos graves? Será que essa nova lei não criou a figura do “preso de confiança” em liberdade?

E nos casos em que o detido não tem antecedentes criminais, como o juiz justificará a conversão da prisão em preventiva? Sabemos que não pode o juiz se referir à gravidade do crime, pura e simplesmente; pois deve apontar dados objetivos que imponham a prisão como cautela em favor da sociedade em face do perigo (que deve ser concreto) representado pelo agente que praticou o crime.

Vale dizer, mesmo com a criminalidade em níveis alarmantes, a lei evoluiu em prol daqueles que praticam crimes, enfraquecendo o trabalho repressivo da Polícia e do Poder Judiciário. Na prática, as cadeias terão sim mais vagas (talvez esse seja o objetivo maior dessa lei), mas em contrapartida a polícia prenderá e o juiz mandará soltar cada vez mais!

A culpa é do juiz?

 é juiz do Tribunal de Justiça do Paraná

Revista Consultor Jurídico, 15 de junho de 2011, 8h01

Comentários de leitores

9 comentários

Medo da mudança

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O Código de Processo Penal atual é de 1940. O novo, que na prática traz poucas inovações considerando a evolução científica desde o Código atual, deixa o processo penal brasileiro mais em sintonia com o de outros países mais adiantados. Porém, não vemos por lá as polícias sendo impedidas de realizar a sua função. Muito pelo contrário, é no exemplo dos países mais desenvolvidos que vemos as polícias atuando como deveriam. A propósito, devemos lembrar que somente a polícia da cidade de São Paulo mata mais do que toda a polícia americana, muito embora por lá, como sabemos, existam milhões de cidadãos armados até os dentes. A polícia da cidade do Rio de Janeiro mata 2,5 vezes mais do que a polícia americana. Isso em número de pessoa mortas (números absolutos). Não será o novo Código de Processo Penal que atrapalhará o funcionamento das polícias.

Questão de política criminal e direitos humanos

Felipe Lira de Souza Pessoa (Serventuário)

Fico triste ao ver advogados argumentando como leigos. Todos sabem que a lei vai ao encontro de um modelo de política criminal não estigmatizador e ao mesmo tempo repressivo. Manter o sujeito um sujeito preso é, por si, uma aberração, que dirá antes do trânsito em julgado.

ERRATA E CONSERTATA

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Corrigindo; "medidas de restrição de direitos que lhe FORAM impostas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/06/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.