Consultor Jurídico

Comentários de leitores

30 comentários

Piada!!

Senhora (Serventuário)

A frase do advogado de Daniel Dantas ao final do artigo só pode ser piada!! Acho que o normal é criminosos cometerem crimes e não juízes.
Só no Brasil mesmo, Daniel Dantas virou herói, o baluarte da honestidade e dos injustiçados!!!
Perseguido pelo cruel Juiz Fausto de Sanctis!!!
Deus tenha piedade deste país, porque nosso Poder Judiciário NÃO TEM!!!

O dono do Brasil

Senhora (Serventuário)

Daniel Dantas!!
O dono do Brasil e do Poder Judiciário!!
Parabéns a ele, não é p/ qualquer um!!!

Assustador

Wagner Göpfert (Advogado Autônomo)

É assustador o descortino dessas mazelas proporcionadas pela LOMAN da DITADURA, ao lado da notícia do “O GLOBO” sobre a aprovação, pela Comissão de Emendas da Alerj, da PEC que modifica o artigo 171 da Constituição do RJ, retirando dos promotores a prerrogativa de apresentar ações de improbidade contra parlamentares, prefeitos, secretários, conselheiros de tribunais de contas, delegados de polícia e defensores públicos (http://oglobo.globo.com/rio/mat/2011/06/06/emenda-constitucional-retira-de-promotores-poder-de-apresentar-acoes-contra-deputados-prefeitos-delegados-924629778.asp) . As más notícias andam de todos os lados
É imperioso o fortalecimento de nossas instituições democráticas, mas assim fica difícil e desanimador. A única saída é a divulgação e a vigilância pública pelas pessoas que se indignam com esses vergonhosos episódios e como se fazem democraticamente neste espaço e na internet de modo geral. Não vejo outro. (http://wagnergopfert.blogspot.com/)

Enquanto isso ...

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Enquanto isso, a OAB continua levando adiante suas prioridades visando defender o Estado de Direito e os advogados:
.
1 - zelar pela autopromoção dos ocupantes de cargos e funções;
2 - pentear bem o cabelo para aparecer bem nas câmeras;
3 - zelar pela autopromoção dos ocupantes de cargos e funções;
4 - zelar pela autopromoção dos ocupantes de cargos e funções;
5 - pentear mais uma vez o cabelo para aparecer bem nas câmeras;
6 - arrumar novas formas de atrair holofotes;
7 - zelar pela autopromoção dos ocupantes de cargos e funções;
...
...
...
...
767 - zelar pela autopromoção dos ocupantes de cargos e funções;
...
1350 - verificar novas formas de atrair holofotes;
...
...
10789 - construir novo discurso vazio para atrair a atenção de todos.
....
....

Raízes do Judiciário

Manfrei (Advogado Autônomo - Criminal)

Depois o peluso diz que sua proposta de PEC dos ABSURDOS mexe nas raízes do Judiciário. Enquanto a lei não corrigir muitas distorções existentes, esse tipo de atitude "legal" mas incrivelmente imoral, vai continuar. Invés de reformularmos o Judiciário retiramos ou afrouxamos os direitos e garantias constitucionais do cidadão. E o pior é que todo mundo aplaude! Ainda bem que ainda temos pessoas que pensam como o Marcos Alves e VITAE-SPECTRUM. Quanto ao estudante cpecuch ainda tem muito o que aprender, pois o que se está defendendo não é a pessoa do acusado, mas o direito do cidadão e, muito mais, as conquistas de séculos de aprimoramento do pensamento jurídico de liberdade e legalidade, como imposição de limites de atuação do poder público, pois até um Juiz tem que ter seus limites, o que não ocorre no nosso País.

O "X" DA QUESTÃO

olhovivo (Outros)

Em todo esse imbróglio - Dantas, Protógenes, De Sanctis e desobediência ao STF - o fato mais grave, gravíssimo aliás, parece não estar sendo apurado. Trata-se da revelação contida em um processo de Milão: que policiais, jornalistas e políticos foram subornados para cair de pau em cima do Dantas. Alô, é do MPF? (O telefone não funciona...)

FAVAS CONTADAS...

VITAE-SPECTRUM (Funcionário público)

Os que o acusaram de saltitantes irregularidades ganharam, mas não levaram. Aliás, em comentário feito alhures, tínhamos chegado à ilação de que o referido juiz federal havia aceitado a promoção a fim de livrar-se de qualquer punição. Ontem, na matéria em que se prenunciava o julgamento, o DR. MARCOS ALVES PINTAR já nos alertava o resultado do julgamento administrativo.
.
De um lado, a sensação de vitória pirrônica e de escancarada impunidade. De outro, o anacronismo da LOMAN, na qual avulta o senso aristrocrático e estamental. Naturalmente, o reconhecimento da indisciplina e insurreição do magistrado tem efeitos morais, porém ele diminuiu o STF e expôs a Suprema Corte à fragilização institucional.
.
De mais a mais, afigura-se conivente a interpretação do regime disciplinar dos magistrados, na qual se afasta o TEMPUS REGIT FACTUM, em favorecendo o "statu quo". Em outras palavras: pode-se cometer qualquer irregularidade punível com a censura, desde que, à época do julgamento administrativo, já se esteja envergando a toga no segundo grau de jurisdição.
.
De mais a mais, fosse aplicável a pena de suspensão, ia-se dizer que os fatos ocorreram quando o acusado era juiz, o que impediria o apenamento de quem ora ocupa o cargo de desembargador. Isto seria um absurdo, mas, diante da blindagem legal, nada pode ser realmente desconsiderado.
.
Tal ocorrência apenas reforça a tese de que existe uma inata SELETIVIDADE LEGAL a ser comumente observada no dualismo entre pobres e ricos, mas renegada em se tratando de quem exerce ou não determinados cargos públicos. Evidentemente, a lei tem espectros interpretativos válidos apenas em dadas condições, graças à formação de verdadeiros estamentos de imunidade legal e social. Vamos à frente...

Acordando do sonho

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Quando da criação do Conselho Nacional de Justiça todos nós sabíamos de uma lição ensinada pela sociologia, que teimávamos em refutar: não há instituição pública que funcione sem um devido controle popular. Diante da falta de opções, mesmo a contragosto fomos forçados a acredita no CNJ, sonhando que com uma composição mista o órgão poderia por fim aos desmandos das corregedorias e órgãos de cúpula dos tribunais. Tudo não passou de um sonho. A atuação do Conselho e seu funcionamento ficou sendo observada tão somente por um pequeno grupo que se preocupa ainda com a Justiça, estando sempre muito longe das preocupações da massa da população brasileira. Tal como um belo bolo de casamento exposto ao sol do Saara, o Conselho definhou e se transformou em mais uma "corregedoriasona", na linha dos abusos e equívocos que motivaram sua criação. O mais grave é que inexiste qualquer esperança ou horizonte visível e os magistrados, que se preocuparam um pouco em dada época, agora se sentem livres para se articularem e cometer toda espécie de desmando.

Culto ao ato ilícito

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

De fato, uma manobra bastante elegante visando livrar o Magistrado faltoso, já articulada nos bastidores há várias semanas e esperada por todos. Qualquer jurista sabe que uma vez sendo os fatos que motivaram o procedimento administrativo disciplinar anterior à promoção do Juiz Federal, hoje Desembargador, a promoção deve ser revista diante de gravidade do fatos. É normal (mas não aceitável) que partes, advogados e até membros do Ministério Público incorram em condutas inapropriadas ao atuarem nos feitos, mas não se espera isso de um magistrado, na qual todos repousam a confiança e isenção. É possível inclusive que algum concorrente à vaga no Tribunal, caso seja de facção diferente, ingresse com ação visando anular a promoção. Mas a massa da população não sabe de nada disso, e aplaudirá o Magistrado de pé com a distorção que a mídia criará, tratando-o como herói. E com isso, o Tribunal Regional Federal da 3.ª Região ganhou um Desembargador que não gosta de cumprir ordens de seus superiores, e que tratará de incidir na mesma conduta ou até outras ainda mais graves diante da (engendrada) ausência de punição. Assim, viva a irresponsabilidade e prática de atos ilícitos, e salve-se quem puder.

Grande De Sanctis

Pekush (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Boa! Seria uma vergonha puni-lo em detrimento da corrupção, esta que assola esse vergonhoso país governado por déspotas aos próprios interesses. Sinceramente, tenho vergonha de ter nascido aqui. E não me venham os penalistas pensar o contrário. Ah, por favor!!! Temos uma lei avançada para um país podre pela corrupção. Governo corrupto. Ministros corruptos. Ninguém se salva! Onde mexe há algo errado. E o pior de tudo isso é que o alto escalão do Governo quer acobertar. Fato: Daniel Dantas comprou o país inteiro!
Parabéns ao desembargador Fausto De Sanctis!!!!!

Comentar

Comentários encerrados em 15/06/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.