Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

Demasiada intromissão

sanettus (Contabilista)

O Estado brasileiro nada faz no ambito do que realmente lhe caba fazer e para lançar uma nuvem de fumaça sobre a visão do brasileiro desse estado corrupto e inoperante lança todos os dias leis e mais leis para pertubar aqueles cidadões que querem produzir e gerar empregos e paz social. Senão vejamos; a saúde, a educação, a justiça, o executivo não funciona a contento. Na relação de trabalho o governo interfere com normas que segundo ele é para beneficiar o trabalhador, porém é ao contrario, essas normas impostas apenas visam com que o governo arrecade mais e mais, senão vejamos a pior carga para as micros e pequenas é a multa de 50%(cinquenta por cento) do FGTS, os empressarios tem que fazer emprestimos e se endividar para pagar a rescisão de trabalho. Até a forma de criar o filho o estado interfere, porém não cumprem o seu papel como estado, fornecendo uma boa escola pública, saúde e justiça. Está tudo errado.

falta diálogo

cristina (Professor Universitário)

Infelizmente o artigo repete os lugares-comuns dos defensores da interferência mínima do Estado em questões privadas - típicas das épocas imediatamente posteriores a períodos em que o Estado esmerou-se no financiamento público de interesses privados. Pela enésima vez identifico o que insistentemente tenho afirmando na universidade: falta diálogo entre o direito e outras ciências sociais. Basta um pequeno olhar na extensa bibliografia em ciência política e sociologia do trabalho para identificar farto material acerca do direito do cidadão em ser salvaguardado pelo Estado - e dos malefícios causados por seu afastamento. tudo estatisticamente comprovado. Lamentável.

MARAVILHA DE TEXTO

Alochio (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

MARAVILHOSO o texto do prof. Aragão!

Direitos da personalidade

Marcio Valencio (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Perfeito o comentário. Ao Estado cabe tutelar, precipuamente, o direito ao exercício dos direfentes modos de ser e de se expressar do indivíduo, que se encontram hoje consagrados como direitos da personalidade.
O que se nota é que, ao contrário, o Estado vem querendo ditar o modo de ser das pessoas, quando a ele cabe somente evitar o abuso do direito, o que ocorre quando o exercício das liberdades acaba por colidir com os direitos de outrem. Não me parece ser este o caso da proibição ao bronzeamento artificial ou aos outros exemplos citados pelo autor do texto.

defensoria é o maior exemplo, pois quer ter monopólio de pob

daniel (Outros - Administrativa)

defensoria é o maior exemplo, pois quer ter monopólio de pobre e aumentou a quantidade de condenados, afinal Estado acusar e Estado defender é um absurdo

Comentar

Comentários encerrados em 29/07/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.