Notícias da Justiça e do Direito nos jornais desta sexta-feira


  Consultor Jurídico > Áreas > Criminal > Notícias da Justiça e do Direito nos jornais desta sexta-feira
Noticiário Jurídico

A Justiça e o Direito nos jornais desta sexta-feira

Autor

31 de julho de 2015, 12h33

A Advocacia-Geral da União apresentou ação contra seis empresas envolvidas no esquema de propinas da Petrobras e pede o ressarcimento dos lucros obtidos, devolução de 3% sobre os contratos alterados indevidamente (valor esse referente às propinas pagas) e multa de até três vezes os valores pagos pela estatal. As companhias envolvidas são Mendes Junior, Andrade Gutierrez, Odebrecht, Setal, MPE Montagens, KTY Engenharia e UTC. A Mendes Junior afirmou não ter sido comunicada oficialmente da ação, mas que vê "duplicidade" no caso, já que o MP ajuizou ação semelhante. A Odebrecht disse que a ação não aponta conduta ilícita e que demonstrará a legalidade dos seus atos. A Andrade Gutierrez não quis se pronunciar. As demais não responderam. As informações são da Folha de S.Paulo.


Voz das ruas
Em sua fala em um evento organizado pelo Instituto dos Advogados do Paraná em Curitiba, o juiz Sergio Moro afirmou que o apoio da opinião pública é importante para os juízes, pois, sem ela, a atuação dos magistrados fica "muito limitada". As informações são do Valor Econômico.


Sob pressão
A defesa do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque não descarta a hipótese de delação premiada por conta de sua prisão — ele teve sua segunda prisão preventiva decretada em março. Seu advogado Alexandre Lopes, porém, nega que o ex-diretor esteja negociando um acordo de delação cno momento. As informações são do Valor Econômico.


Retaliação
Em sua coluna na Folha de S.Paulo, a jornalista Monica Bergamo afirma que entre os nomes que podem ser citados por Duque no suposto acordo de delação com o MPF está o da ex-presidente da Petobras Maria das Graças Foster, cujo nome não foi citado em nenhum dos depoimentos. A intenção é vista como tentativa de retaliação a Foster, que teria bloqueado o esquema de corrupção na estatal.


Doação para o PMDB
O presidente da Andrade Gutierrez Energia, Flávio David Barra, afirmou que Ricardo Pessoa, presidente da UTC Engenharia, pediu a ele que doasse para campanhas eleitorais do PMDB. Segundo Barra, Pessoa afirmou que falava em nome do senador Edison Lobão. A defesa de Lobão afirmou que o senador nunca pediu nada nem autorizou ninguém a falar em seu nome e que, em seu depoimento, Flávio Barra disse nunca ter feito nenhuma doação ao Senador. As informações são de O Estado de S. Paulo.


Denúncia apresentada
O Ministério Público Federal apresentou denúncia contra o empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, devido a desvios de R$ 2,9 milhões no Ministério das Cidades. Além de Bené, mais sete executivos também foram citados pelo MPF. O acusado também é citado na operação acrônimo, que apura crimes eleitorais cometidos pela campanha do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), nas eleições de 2014. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Delação homologada
A delação premiada do lobista Mário Goes foi homologada nessa quinta-feira (30/7) pelo juiz Sergio Moro. Atualmente, o delator está em Curitiba e é monitorado por uma tornozeleira eletrônica. As informações são do Valor Econômico.


Efeito colateral
As mensagens encontradas no celular do presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, fizeram com que o Superior Tribunal de Justiça acelere o julgamento da disputa societária entre a família Grandin e a empreiteira. A corte informou que analisará o caso em agosto. As informações são do Valor Econômico.


Multa do FGTS
A Corte Especial do Tribunal Regional Federal da 4ª Região irá analisar a validade do adicional de 10% da multa do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Segundo advogados consultados pelo Valor Econômico, a jurisprudência da segunda instância é desfavorável às empresas.


Perfil
O Valor Econômico publicou reportagem sobre o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso. O jornal o classifica como progressista e prestigiado professor de Direito constitucional. A reportagem ainda detalha seu processo de escolha, as mudanças pelas quais teve de passar depois que assumiu o cargo no STF, além de casos de grande repercussão que contaram com sua atuação na corte ainda como advogado.


Ofensiva americana
A indústria siderúrgica dos EUA moveu ações antidumping contra representantes do nicho brasileiro, entre eles a Usiminas e a CSN. Os processos podem fazer com que uma sobretaxa de 59% seja aplicada aos produtos brasileiros como penalidade. As informações são do Valor Econômico.


OPINIÃO
Proteção parlamentar

Em editorial, O Estado de S. Paulo critica a falta de punição a parlamentares. O jornal cita o envolvimento dos presidentes da Câmara e do Senado na operação "lava jato" e afirma que tal situação enfraquece as instituições democráticas.

Setor Elétrico
A Folha de S.Paulo, em editorial, trata da nova fase da operação "lava jato". No texto, o jornal detalha o esquema de propinas que está sendo apurado pela Polícia Federal e cobra que os envolvidos sejam levados à Justiça e prestem esclarecimentos sobre suas ações nos processos de licitação.

Tags:

Encontrou um erro? Avise nossa equipe!

Noticiário Jurídico

A Justiça e o Direito nos jornais desta sexta

Autor

15 de julho de 2011, 10h58

Os jornais O Globo, Correio Braziliense, Folha de S.Paulo, Diário do Nordeste, O Estado de S. Paulo, DCI, Jornal do Brasil e Correio do Estado contam que mais de uma década após as primeiras denúncias de fraude, a União conseguiu, por determinação da Justiça Federal, receber R$ 54,9 milhões do Grupo OK, do ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF), parte do dinheiro desviado da construção do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. O caso envolveu o juiz Nicolau dos Santos Neto, que se aposentou. O juiz Ricardo Gonçalves, da 19ª Vara da Justiça Federal, assinou a ordem. Leia mais aqui na ConJur.


Crimes da internet
Como informam os jornais Folha de S.Paulo e Jornal Floripa, o senador Jorge Viana (PT-AC) tem um projeto de lei para punir com prisão quem invade sistemas de segurança na internet. O texto tem como objetivo coibir ataques de hackers como os que foram feitos em junho. O texto altera o Código Penal e propõe a punição de dois a quatro anos de prisão para quem "atentar contra a segurança de meio de comunicação informatizado", segundo afirmou, em nota, a assessoria de imprensa do senador da base aliada.


Laços estreitos
Reportagem do jornal Valor Econômico afirma que informações em redes sociaiis, como o Orkut e o Facebook, estão sendo monitoradas por empregadores e advogados para serem usadas em processos trabalhistas. Mas nem sempre os juízes têm classificado uma amizade virtual como relacionamento íntimo. Pelo artigo 801 da Consolidação das Leis do Trabalho, um juiz pode recusar uma testemunha que tenha inimizade pessoal, amizade íntima ou parentesco com uma das partes ou interesse particular na causa.


Sanção patrimonial
A pessoa que abandonar a família e não voltar em até dois anos perderá o direito sobre o imóvel onde morava. Uma lei que entrou em vigor em 16 de junho deste ano cria uma sanção patrimonial para quem abandona o lar. A regra vale só para imóveis urbanos de até 250 m2 e quando a pessoa que deixou o lar não registrar seu interesse futuro na propriedade. Pela mudança no Código Civil, após dois anos do abandono, o cônjuge ou companheiro deixado para trás se torna proprietário da residência mesmo que ela esteja em nome do outro, noticia o jornal Folha de S.Paulo. Leia mais aqui na ConJur.


Crueldade com animais
Segundo o jornal Folha de S.Paulo, uma jovem australiana foi condenada a fazer trabalhos comunitários por gravar um vídeo no qual aparecia decapitando um rato e depois divulgá-lo no Facebook, informou a imprensa australiana. O Tribunal de Brisbane, no nordeste do país, considerou Naomi Anderson culpada por crueldade com os animais e a condenou a prestar 180 horas de serviços sociais, informou a agência local AAP. Leia caso semelhante aqui na ConJur.


Abuso na infância
Uma gaúcha receberá indenização do ex-marido por abusos sexuais. A 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça condenou o homem de 77 anos que fez parte da extinta Guarda Civil a pagar 300 salários mínimos à mulher, informa o jornal Zero Hora. Além disso, deverá pagar alimentos à vítima no valor correspondente a 40% dos ganhos. Também foi decretado o divórcio. A mulher permaneceu 12 anos dentro do pátio ou da casa, sem autorização para sair. Leia mais aqui na ConJur.


Passada da perna
De acordo com os jornais Diário do Grande ABC e O Estado de S. Paulo, os Estados Unidos anunciaram o início de uma investigação sobre o banco suíço Credit Suisse envolvendo o envio de fortunas de cidadãos americanos ao banco no país europeu para burlar o fisco norte-americano. O banco foi informado por meio de uma carta sobre a abertura da investigação conduzida pelo Departamento de Justiça dos EUA, confirmou o Credit Suisse, acrescentando que se trata de uma investigação sobre todo o setor bancário. "O Credit Suisse continuará cooperando com as autoridades americanas a fim de solucionar a questão", informou o banco em breve comunicado. Leia mais aqui na ConJur.


Pretende contestar
O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro cassou o mandato do deputado estadual Domingos Brazão (PMDB). Ele também foi declarado inelegível por oito anos. Acusado de abuso de poder econômico, captação ilícita de voto e conduta vedada a agente público durante a campanha eleitoral de 2010, Brazão pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral. Em julho do ano passado, "centros sociais" do deputado foram fechados por fiscais do TRE. Por meio de assessores, ele informou que vai contestar a sentença. As informações estão nos jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, Correio Braziliense, O Globo e Jornal do Brasil.


Crimes militares
A Justiça da Argentina condenou à prisão perpétua dois militares por 156 crimes ocorridos durante o período da ditadura no país, entre 1976 e 1983. Cinco agentes penitenciários receberam setenças que variam entre 18 e 22 anos de prisão. O ex-general Héctor Gamen, de 84 anos, e o ex-coronel Hugo Pascarelli, de 81 anos, foram condenados a pena de prisão perpétua por homicídio qualificado, privação ilegítima da liberdade e tortura no centro clandestino conhecido na época como El Vesubio, informa o jornal O Globo.

Tags:

Encontrou um erro? Avise nossa equipe!

Entrar
x fechar

Informe um problema