Consultor Jurídico

Presença de estagiário

STF analisará composição do conselho de sentença

Condenado a 16 anos de reclusão pelo crime de homicídio entrou com pedido de Habeas Corpus no Supremo Tribunal Federal para tentar anular a decisão do Tribunal do Júri. Ele afirma que o conselho de sentença que o condenou teria em sua composição um estagiário do Ministério Público, o que seria ilegal.

A Defensoria Pública de São Paulo recorreu ao Tribunal de Justiça e ao Superior Tribunal de Justiça com o argumento de que o julgamento se deu ao arrepio da lei, uma vez que um dos jurados era estagiário do MP e fez parte do Conselho de Sentença. O pedido não foi aceito.

No Supremo, a Defensoria alega que a ilegalidade é evidente, e que o prejuízo sofrido caracteriza-se pela votação da sessão, que acabou em quatro a três pela condenação do réu.

Mas, de acordo com o defensor público, um dos jurados “não poderia ter se prestado à função exercida, haja vista integrar, desde época anterior ao julgamento do paciente, o quadro de estagiários do MP do estado, estando, inclusive, lotado na 2ª PJ Criminal desta Capital, mesmo local onde se realizou a sessão plenária”.

O fato afrontaria o artigo 449, inciso III, do Código de Processo Penal, que impede a participação no conselho de sentença de indivíduos que tenham prévia disposição para condenar ou absolver o acusado, explica a defesa.

Com esses argumentos, pede liminarmente a concessão de liberdade provisória ao réu, e no mérito que seja anulado o julgamento, concedendo o direito de aguardar o novo julgamento em liberdade.

Como a medida liminar foi negada pelo STJ, a Defensoria requer o afastamento da incidência da Súmula 691 do STF, ao afirmar que o caso em questão se trata de "situação de ilegalidade patente". O enunciado afasta a análise de HC pelo Supremo quando apresentado contra decisão que indefere liminar requerida a tribunal superior, também em sede de Habeas Corpus. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 109.369




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de julho de 2011, 18h10

Comentários de leitores

1 comentário

Fim dos tempos

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A que ponto a situação chegou. O mesmo órgão que acusada, julga.

Comentários encerrados em 22/07/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.