Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Apenas subsídio

"Lista da OAB não avalia cursos de Direito"

A lista da OAB com faculdades que não aprovaram nenhum estudante no último Exame de Ordem não serve para avaliar os cursos de Direito. A opinião é do ministro da Educação, Fernando Haddad. Nesta quinta-feira (7/7), ele afirmou que os nomes servem apenas como subsídio. As informações são do blog “Eu, Estudante”, do jornal Correio Braziliense.

O ministro lembrou que a OAB não trabalha com critérios estatísticos. "O nosso sistema tem uma robustez no trato estatístico que a OAB não tem nem a pretensão de ter. Porque ela avalia o candidato, não a instituição. Não devemos misturar os dois procedimentos", afirmou.

Na terça-feira (5/7), a OAB pediu que o MEC colocasse as 90 faculdades "sob supervisão", o que poderia resultar no fechamento das instituições. Para Haddad, um dos erros da OAB é dar índice de 100% de reprovação às faculdades que tiveram apenas um inscrito, mas que não passou na prova. O ministro afirma que as instituições continuarão a ser avaliadas pelo Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) — cujo desempenho suspendeu 34 mil vagas em cursos de Direito.

Revista Consultor Jurídico, 7 de julho de 2011, 17h21

Comentários de leitores

15 comentários

provão

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Na minha época existia o famoso PROVÃO, do MEC. Creio que funcionava, não 100%, mas muito melhor do que o que temos hoje.
As instituições de ensino eram avaliadas segundo o desempenho dos alunos de 5º ano na prova, que era igual para todo o Brasil.

O JOGO SUJO DA OAB

Monteiro_ (Advogado Autônomo - Civil)

A OAB JOGA TODAS AS FICHAS, INCLUSIVE AS SUJAS, PORQUE ESTÁ CHEGANDO A HORA EM QUE O STF TERÁ QUE SE PRONUNCIAR SOBRE A CONSTITUCIONALIDADE DA SUA GRANDE MAMATA.
A DESLAVADA RESERVA DE MERCADO ENCHE AS BURRAS DA ENTIDADE E PUNE EXATAMENTE QUEM NÃO TEM CULPA, FRUSTRANDO OS SONHOS E O DIREITO AO TRABALHO DE MILHARES DE BACHARÉIS EM DIREITO.
QUE O STF CUMPRA O SEU PAPEL DE FISCAL DA CARTA DA REPÚBLICA.

Esta lista não vale nada

Charles P. (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Estudo em uma dessas instituições da lista, porém, não dá para se levar em consideração esta lista tão ridícula, pelos seguintes fatos: 1) Só uma turma que se formou desde a implantação do curso; 2) A lista não informa se são alunos que já se formaram, ou se são alunos do 9o e 10o períodos, os chamados treineiros; 3) Apesar de ser novo o curso, 12 alunos que cursam 9ºs e 10ºs períodos já passaram no exame da OAB, só aguardando a conclusão do curso; 4) Já constam alguns ex-alunos com Carteira Definitiva de Advogado; 5} Nos critérios de avaliação da OAB, a nossa Faculdade foi considerada como tendo o mesmo nível de qualidade das melhores Universidades particulares do Estado, como instalações, corpo docente, biblioteca, etc. Portanto, não dá para ficar se avaliando Faculdades pela frieza dos números, sem se avaliar corretamente as mesmas. Da mesma maneira, não se pode comparar as Faculdades particulares com as Públicas, assim como em diversas reportagens, pois nas públicas (ao contrário do que seria mais justo), é que estudam em sua maioria os filhinhos de papai, que ficam por conta só de estudar, já quem têm os familiares para lhes sustentar, além de não se preocuparem com mensalidades. Enquanto isso, os alunos de escolas particulares, em sua maioria pouco dispõe de tempo para estudo, visto que por muitas vezes têm de trabalhar o dia todo, até mesmo em dois empregos, para poderem pagar as altíssimas mensalidades, só lhes restando as poucas horas dos finais de semana para tentar adquirir um bom conhecimento jurídico. É lógico que existem Faculdades ruins, mas elas surgem da falta de maior quantidade de Universidades públicas e condições para que as pessoas que realmente não podem pagar estudem nelas, e não só os ricos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/07/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.