Consultor Jurídico

Sem licitação

Pagamento a escritórios de Pernambuco é suspenso

A 8ª Vara Federal de Mossoró (RN) suspendeu liminarmente o pagamento mensal a dois escritórios de advocacia de Pernambuco contratados pela Prefeitura de Pendências sem licitação. De acordo com a Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público Federal, que pede que a contratação seja anulada, os valores podem chegar a mais de R$ 300 mil.

O juiz federal substituto Bernardo Lima Vasconcelos Carneiro considerou que, "como não existe processo administrativo, não se sabe sequer a razão de fato que teria sido invocada pela autoridade administrativa como justificativa para a não realização do procedimento licitatório".

A decisão acrescenta que "todas estas circunstâncias, uma vez confirmadas no decorrer da instrução processual, implicarão inevitavelmente na declaração de nulidade do contrato". O juiz estabeleceu multa equivalente ao montante já repassado até o momento aos escritórios, para o caso de descumprimento da determinação.

O caso
De acordo com a ação do MPF de Mossoró, a Prefeitura de Pendências contratou os escritórios Ferraz & Oliveira Advogados Associados e Lopes & Moury Fernandes Advocacia — sem licitação e sem processo administrativo indicando a razão para não realizá-la — para representar judicialmente os interesses do município na recuperação de royalties de petróleo devidos pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP). Uma decisão favorável à causa fez com que os escritórios passassem a receber mensalmente 20% da quantia repassada àquela cidade pela ANP. Com informações da Assessoria de Imprensa do MPF de Mossoró.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de janeiro de 2011, 2h53

Comentários de leitores

1 comentário

Parabéns...

Carlos André Studart Pereira (Procurador Federal)

Parabéns ao MPF e ao PJ...

Comentários encerrados em 05/02/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.