Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ministério da Justiça

Abramovay deixará a Secretaria Nacional de Justiça

Pedro Abramovay - Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O secretário nacional de Justiça Pedro Abramovay deixará o cargo na próxima semana, de acordo com a jornalista Luciana Cobucci, do portal Terra. Especula-se que sairá do cargo após defender o fim da prisão para pequenos traficantes, declaração que irritou o governo. O Ministério da Justiça, no entanto, nega a informação e afirma que Abramovay já havia recebido um convite externo e decidiu aceitar.

Abramovay foi convidado pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para ficar à frente da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Antes de tomar posse, decidiu deixar o governo. Com a sua saída, a Secretaria de Políticas sobre Drogas será comandada pela secretária-adjunta, Paulina do Carmo. Para a Secretaria Nacional de Justiça, será nomeado o atual presidente da Comissão de Anistia do ministério, Paulo Abrão. As nomeações de todos os secretários e a exoneração de Pedro Abramovay deverão ser publicadas na próxima semana no Diário Oficial da União.

Pedro Abramovay chegou em 2003 ao Ministério da Justiça para atuar como assessor especial do ministro Márcio Thomaz Bastos. Antes, ficou um ano como assessor jurídico da liderança do governo no Senado.

Revista Consultor Jurídico, 21 de janeiro de 2011, 18h05

Comentários de leitores

5 comentários

VIVA !!!

Richard Smith (Consultor)

Adeus e já vai tarde!

Terapia-Dependente-Traficante/Pedro Abramovay

edelvio coelho lindoso (Jornalista)

Meu Caro, que vai me avaliar; sou por formação acadêmica um jornalista, não profissional. Se o tema que exporei, não interessar a esse forum, por favor me retornem, confirmando isso. Espero ser útil e que encontre ai um promotor dessa idéia, se ela o sensibilizar.
O dependente-traficante tem, sim, ligação com o crime organizado, figurando na rabeira da cadeia. O traficante não existe, sem o consumidor, e vice-versa. O tratamento eficaz é a permuta em viez didático, da liberdade, progressão da segregação, a cada infração: 1, 2, 4, 8, 16, 32, e 64 dias, impostas por lei a ser criada, e a partir desta 7ª reincidência, punição a cargo do Juiz, no mesmo teor, mas nunca inferior à última apenação. Essa é uma medida preventiva-terapêutica, usando o 2º maior bem da pessoa, a liberdade, como moeda de troca e bom remédio, e preservando direitos do homem de bem e sua família, na sua integridade física e moral. Use-se a razão e não o romantismo, para solver-se o mal das drogas. Pena alternativa é embromação. Se for multa, os pais é que serão apenados, se for prestação de serviço, além de privar cidadãos carentes e de bem, dessa vaga, considerando que é um serviço necessário, fiscalize-o e verão que péssimo negócio para o empregador e a empulhação social, além do deboche do sacripanta. Suprlotação se resolve com mais espaço prisional, investimento bem vindo, para a sociedade.
A Polícia prende e a Justiça solta, gasto de energia e despesa, há que ter uma sicronia entre os dois trabalhos. Invista-se na construção de espigões com celas individuais, como economia de espaço, sem sociabilização direta, porque prisão não é parque de diversão nem motel; visitas de advogados, por interfone, e assinatura, usando o agente do Estado. Justiça deve ser garantida na hora.

Governo Dilma iniciou mal.Muito mal.

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

A política da hipocrisia vai continuar. A falsa virtude de alguns políticos é espantosa. É lamentável quando alguém estudioso fala a verdade e é cortado do Governo. A falta de coragem de enfrentar temas complexos faz o país perder. A Guerra contra o tráfico de drogas, perdeu faz 50 anos. Vamos continuar com a velha, antiguada e absurda política de colocar pequenos traficantes, as mulas, na cadeia. Vamos continuar matando policiais na guerra contra o tráfico. E nos Estados Unidos 25 milhões são consumidores de drogas ilicitas....no Brasil, como sempre, segue sem estatística confiante. Mas a atestar pela quantidade de droga que se apreende, dá pra ter uma idéia de como o brasileiro é adpto as drogas, também.
Então tá Dilma. Vamos fingir que não vemos as cadeias lotadas de presos mendigos. Vamos fingir que os empresários das drogas não ganham bilhões. Vamos continuar no prende e solta...Vamos fingir que a prisão solucionou o problema da saúde pública no Brasil relativo ao consumo de drogas no Brasil....espero que esse Cara volte um dia....num Governo de coragem....
Otavio Augusto Rossi Vieira,44
Advogado Criminal em São Paulo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/01/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.