Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acusação de crimes

Justiça do Haiti proíbe Baby Doc de deixar o país

Jean-Claude 'Baby Doc' Duvalier - Marcello Casal Jr/ABr

A Justiça do Haiti proibiu o ex-presidente Jean-Claude Duvalier, o Baby Doc, de deixar o país. Acusado de crimes contra a humanidade, ele ficou 25 anos exilado na França e voltou ao Haiti no domingo (16/1) para o segundo turno das eleições, que foi adiado. Segundo a Agência Brasil, especialistas internacionais acreditam que Baby Doc tem pretensões de voltar ao poder.

Na quarta-feira, o ex-presidente foi interrogado por autoridades do Haiti, que sinalizaram que ele será interpelado judicialmente. Grupos de defesa dos direitos humanos e de apoio a refugiados e repatriados no Haiti lideram um movimento para a abertura de processos contra Baby Doc.

Ele é acusado de promover assassinatos, torturas, perseguições e de manter um sistema de trabalho escravo vinculado a pessoas da República Dominicana. De acordo com a Agência Brasil, Baby Doc ainda não explicou as razões de seu retorno a Porto Príncipe, capital haitiana.

Período violento
Baby Doc governou o Haiti de 1971 a 1986, período considerado um dos mais violentos e só deixou o poder depois de uma reação popular. Ele mantinha uma milícia acusada de promover ações violentas, assassinatos, torturas e outros crimes. Na sua gestão, a economia haitiana sofreu drásticas perdas e a dívida externa aumentou em 40%.

O retorno de Baby Doc elevou a tensão no país, que vive um período de vazio político, pois um comitê internacional constatou fraudes nas eleições. Também há dificuldades devido a epidemia de cólera e a reconstrução da infraestrutura do Haiti – destruída pelo terremoto de 12 de janeiro de 2010.

Revista Consultor Jurídico, 21 de janeiro de 2011, 11h55

Comentários de leitores

4 comentários

As supostas suposições

Siqueira (Consultor)

Depois da era do 'politicamente correto' tudo fica no terreno das suposições. Ninguém tem mais a ousadia de afirmar qualquer coisa sobre outra pessoa.
É o caso da grande maioria dos políticos e líderes de países, sejam da cor política que forem, que 'supostamente' governaram apenas para roubar e transferir todas as riquezas possíveis para contas bancárias na Suíça.
Pelo que me lembro do tal 'Baby-Doc' ele conseguiu 'supostamente' ser muito mais cruel e criminoso (além de ladrão) do que seu pai havia sido.
O ridículo apoio internacional que o país recebe é uma pequena devolução de tudo que já lhe foi tirado. Quem for conhecer a história daquele país (?), mesmo sendo insensível, deverá ficar horrorizado.
Que dêem ao Baby-Doc toda a Terra do Haiti que lhe é devida. Se possível numa cova bem funda e com uma pedra enorme como monumento ao suposto criminoso que 'governou' por tantos anos aquele país (país???).

E SOB ESTRITA VIGILÂNCIA!

Richard Smith (Consultor)

Ele está tão proibido de sair do país (aquilo ainda é um país?!) que vão sentá-lo na Cadeira Presidencial e atá-lo com a faixa ao peito, para que fique mais visível ainda e para que ninguém tire os olhos dele. Vigilância máxima!

quem se importa

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Para a comunidade internacional o HAITI é uma chateação.
Quem se importa com eles? Salvo alguns poucos humanistas, na verdade ninguém se importa.
A ignorancia do povo sustenta os ditadores.Assim será por todo o sempre em todos os países nesta situação.
Sou cético a provavel mudança.
Assim seja.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/01/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.