Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Judiciário popular

Na Bolívia, juiz constitucional é escolhido pelo povo

Por 

Juan Lanchipa Ponce - prensa.tribunalconstitucional.gob.bo

A Bolívia se prepara para instituir eleições nacionais inéditas no país. Entre junho e setembro deste ano, juízes de todos os Tribunais de Justiça e da Corte Constitucional serão escolhidos diretamente pelo voto popular. A medida foi possível graças à revisão na Constituição boliviana, reformulada com a eleição do presidente Evo Morales. A intenção é que a designação dos magistrados fique sob controle da cidadania, com o objetivo de garantir a independência política na hora da escolha dos juízes, de acordo com o presidente do Tribunal Constitucional da Bolívia, Juan Lanchipa Ponce (na foto ao lado).

"A população quer a absoluta independência nas cortes e se ver representada de maneira efetiva, inclusive na esfera judicial", afirmou Ponce, que falou sobre a novidade na II Conferência Mundial de Cortes Constitucionais, realizada no Rio de Janeiro. A nova Constituição, segundo o ministro, representa a reação popular aos anos de opressão política e social no país, marcado por conflitos com países vizinhos e tensões internas.

De acordo com o artigo 199 da nova Constituição da Bolívia, estão qualificados para compor o Tribunal Constitucional pessoas com 35 anos ou mais e que tenham conhecimento especializado ou experiência comprovada de pelo menos oito anos nas disciplinas de Direito Constitucional e Administrativo e de Direitos Humanos. Os candidatos serão propostos por organizações da sociedade civil, inclusive as indígenas e camponesas, e pré-selecionados pelo Congresso. A lista será submetida a votação popular.

A novidade jurídica boliviana vem acompanhada de uma invenção política: eleições sem propaganda. Para garantir a isenção política do pleito, o porta-voz do Tribunal Constitucional, Ernesto Félix Mur, explicou que os candidatos, e terceiros, estarão proibidos de fazer propaganda direta ou indireta: "Apenas o tribunal poderá difundir os méritos de cada candidato". O Tribunal Eleitoral ficará responsável pela organização das eleições de juízes.

A Corte Constitucional será composta pelos sete mais votados. Garantido o preenchimento das cotas para as mulheres (três vagas), e para indígenas ou camponeses (duas vagas) restam duas vagas para a livre escolha de toda a sociedade. Os que ficarem entre as posições 8ª e 14ª serão os suplentes. Os sete que vierem em seguida serão os suplentes dos suplentes. Os juízes ficarão no cargo por seis anos, sem direito a reeleição. A nova Constituição foi aprovada em referendo constituinte em 6 de fevereiro de 2009.

"Vivemos um momento histórico muito importante, com uma Constituição plurinacional, que prioriza a proteção coletiva, sem suprimir a proteção individual", afirmou Félix Mur. A expectativa é que a posse dos novos membros aconteça em outubro deste ano.

Opiniões contrárias
Rui Moura Ramos - II Congresso Mundial de Cortes Constitucionais - stf.jus.brO novo sistema de designação de juízes é visto como um passo transcendental por Félix Mur, pois prevê a representação da parcela indígena e camponesa da população e vai garantir a independência do magistrado, já que não será indicado por político, seja o presidente ou parlamentares. No entanto, a medida é vista com ressalvas por outros juízes constitucionais.

O presidente do Tribunal Constitucional de Portugal, Rui Manuel Gens de Moura Ramos (na foto ao lado), não é favorável à escolha do juiz constitucional por voto popular, por se tratar de uma posição técnica. "Entendo que o juiz deve preencher uma série de qualificações técnicas para desempenhar as funções na Corte Constitucional. A via democrática não pode ser usada para justificar a independência do juiz, pois a eleição envolve questões políticas. E o juiz não pode depender do poder político", destacou. Em Portugal, dez membros da corte são escolhidos pelo parlamento e três pelos juízes do Tribunal Constitucional. O mandato é de nove anos, como contou em entrevista concedida à ConJur e publicada no último domingo (16/1).

O presidente da corte portuguesa foi gentil e preferiu relativizar suas restrições à iniciativa boliviana: "Podemos observar que a adoção dos critérios de designação de juízes, e a forma como eles exercem suas funções, é ditada em cada país pelos caminhos históricos e culturais trilhados por ele". Moura Ramos destacou ainda que apenas quando os juízes assumirem a independência como valor é que as pessoas vão entender o seu papel na corte.

O excesso de democratização dos tribunais constitucionais pode representar uma ingerência política na corte, de acordo com o vice-presidente da Corte Constitucional do Equador, Edgar Zárate. Ele afirmou que os procedimentos para escolha do juiz constitucional devem ser determinados pelos dispositivos de legitimidade da Constituição do país. "A discussão democrática é sempre positiva, mas, nesse caso, o povo nem sempre tem conhecimento dos preceitos constitucionais. Ele vai fazer sua escolha de acordo com a propaganda dos candidatos, pela simpatia. Acho que dessa maneira se perdem muitas oportunidades de se escolher alguém que vá respeitar os direitos constitucionais. Há ainda a possibilidade da corte ficar politizada, o que esbarra em sua autonomia, em sua isenção."

Zárate explicou que, no Equador, os juízes constitucionais são escolhidos por meio de concurso de mérito. O processo se inicia com a escolha dos candidatos por dois delegados do Poder Executivo, dois do Legislativo e dois de associações de controle social. Cada um deles escolhe nove candidatos. Os 27 indicados passam então por um concurso de mérito, do qual serão selecionados nove. Eles permanecem no cargo por 12 anos.

As regras foram estabelecidas com a entrada em vigor da nova Constituição do Equador, em 20 de outubro de 2008. A carta também estabeleceu a mudança da Corte Suprema de Justiça para Corte Constitucional, que, além de assegurar os direitos constitucionais, permite a revisão de sentenças da Justiça ordinária.

Para a ministra Marisol Peña Torres, do Tribunal Constitucional do Chile, na hipótese de o juiz ser eleito popularmente, ele pode se comprometer com o setor político que o levou ao cargo. "O juiz constitucional deve obedecer somente à Constituição. Não deve estar atrelado a poder nenhum." Ela destacou que, com a reforma constitucional em 2005, a Carta Magna do Chile garantiu a autonomia do Tribunal Constitucional, independente dos outros poderes. Além disso, segundo Marisol, os juízes são regidos pelo "dever de ingratidão", ou seja, ao decidir, não podem considerar os interesses daqueles que lhes indicaram. "Esta é uma das formas de garantir a independência da corte dos outros órgãos."

A corte chilena é composta por três membros indicados pelo presidente da República, três indicados pela Corte Suprema, dois pelo Senado e dois pela Câmara dos Deputados, com ratificação do Senado. Eles devem ter 15 anos de exercício profissional, podendo ter se destacado em atividade pública ou acadêmica. "O tribunal pode ser composto, por exemplo, por um ex-parlamentar, um advogado de grande prestígio ou mesmo por um acadêmico."

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 19 de janeiro de 2011, 11h25

Comentários de leitores

25 comentários

Desvio do foco da discussão

Dominique Sander (Advogado Sócio de Escritório)

= Magister_2008,
O senhor não consegue argumentar sem tentar atingir o orador?
Não é a primeira vez que faz isso!
Esse método é um sofisma clássico descrito em qualquer livrinho de retórica. É usado por quem não possui argumentos suficientes para combater a mensagem e, então, afronta o mensageiro. Pesquise no google a expressão "Argumentum ad hominem""
Tenho certeza que o senhor é capaz! É só se esforçar um pouco.
Ademais, devo observar que impressiona sua necessidade de auto afirmação. Uma visita a um psicólogo lhe fará muito bem.
= Marcos Alves Pintar,
Sua colocação é interessantíssima!
É verdade que o índice de analfabetos e o número de pessoas politicamente ignorantes é assustador. Alguns acreditam que isso é capaz comprometer a legitimidade popular.
Prefiro ver sob outro foco!
No pior cenário, o processo eleitoral favorece os mais "espertos" que tem poder de convencimento sobre massas e a capacidade de comprar votos.
Ocorre que, no pior cenário, a ausência de eleição favorece as castas hereditárias, os nobres, aristocratas e burgueses que tem o poder de equilibrar-se engenhosamente no comando.
Fico com a primeira opção porque nela o povo decide e arca com as conseqüências ( boas ou más ). Na segunda o povo não decide e arca com as conseqüências más ( porque as conseqüências boas ficam na aristocracia ).
Não acho legítimo ( nem aos bem intencionados )substituir a vontade de um co-cidadão apenas porque ele não é letrado. Esse analfabetismo funcional vinha diminuindo no último século até que alguns militares bonzinhos houveram por bem entender que poderiam consertar o país!
Daqui há pouco os juízes e promotores bonzinhos vão querer consertar o país. Por mim tudo bem se eles eu os legitimar pelo meu voto.

MAGIST_2008 - PARE DE ENCHER O SACO

rodolpho (Advogado Autônomo)

MAGIST_2008
Você está precisando urgente de um antibiótico e de um remédio comum. O antibiótico é “vaiemboramicina” e o remédio super-poderoso é “calabocol”.
Cacete, cara, como você enche o saco! Se você quer dar suas opiniões nazistas, ditatoriais, contrárias ao voto popular, faça isso, mas sem atacar a honra alheia.
Você sofre de mania de grandeza, cara. Pensa que só porque fez um concursinho mequetrefe, chulé, onde a lógica simbólica e a lógica modal estão absolutamente ausentes, você pensa que se transformou num grande jurista.
O Dominique Sander tem todo o direito de externar a opinião dele sobre qualquer assunto de caráter público, sem ser ofendido por você, neste espaço.
Você vem aqui para endeusar o Peluso?! O Peluso, que amarelou na hora de tomar uma decisão vital para a Nação, e fugiu da raia?! Se fosse o Marco Aurélio ou o Gilmar Mendes a decisão teria, sim, sido tomada.
Jurista é o Gilmar Mendes, talvez o maior jurista deste país, e não o Peluso.
O Peluso foi o cara que instaurou a gerontocracia no Tribunal Paulista. O cara que instaurou a tirania dos velhos, impedindo a democracia do voto.
Eu sou absolutamente favorável à limitação imediata ao poder dos juízes brasileiros, ao estabelecimento de mandatos temporários, com dois anos, no máximo. E mais: a punir juízes, com cadeia de cinco a quinze anos, que julguem contra a lei.
O juiz brasileiro é o único profissional que causa danos funestos aos jurisdicionados sem responder por seus atos.
Um médico que erra, paga caríssimo por isso: pode ir parar na cadeia. O mesmo se diga de um engenheiro e de um advogado.
O juiz não: o juiz ri-se, gargalha, diante do dilúvio e do desastre que ele provoca.
Concluo dizendo: pare de encher o saco Magist_2008; vá baixar noutro centro.

Cuidado

Oziel (Funcionário público)

Bela ideia essa do Evo "Folha de Coca" Morales.
Só tome cuidado para que o eleitorado paulista não emigre para participar da eleição.
Se aqui elegeram um analfabeto funcional como deputado...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/01/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.