Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ações conjuntas

Governo federal e estadual de SP querem aliança

Parcerias na área de segurança pública serão discutidas nesta segunda-feira (17/1), às 17 horas. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, participam na próxima segunda-feira (17), do primeiro encontro com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o secretário Estadual de Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, discutem ações conjuntas entre o governo federal e o governo estadual.

A intenção é construir uma aliança com vistas ao enfrentamento da violência e do crime organizado. O compromisso foi assumido por Cardozo em seu discurso de posse.

Os encontros com com governadores e secretários de Segurança Pública dos estados devem definir a pauta e a proposta de um possível pacto entre os entes. O resultado será depois apresentado à presidente da República, Dilma Rousseff, em reunião com os governadores, em Brasília. Com informações da Assessoria de Comunicação do MJ.

Revista Consultor Jurídico, 16 de janeiro de 2011, 11h06

Comentários de leitores

2 comentários

Reais intenções

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Aliança para combater o crime? Ou aliança para manipular a opinião pública, a mídia, e tudo o mais, visando criar uma FALSA IMPRESSÃO de que o crime está sendo eficazmente combatido?

responsabilização

Delegado Ari Carlos (Delegado de Polícia Estadual)

Governadores deveriam ser pessoalmente responsabilizados pela falência da segurança pública, obrigação dos estados federados e não da união.
Só assim, governos como do Estado de S. Paulo adotariam políticas sérias em segurança pública e não buscariam transferir a falência na gerência da área para a União.
Enquanto em estados com uma arrecadação bem inferior ao do Estado de São Paulo já desenvolveram políticas sérias, organizando a Polícia; adotando posturas de valorização do policial, como primeira meta, conferindo-lhe prerrogativas, garantias e salário adequado, o nosso vai na contra mão de direção. Remunera seus policiais com os piores salários da federação; mantem um efetivo totalmente incompatível com o número de habitantes e coloca, na secretaria de segurança pública, pessoas alheias aos quadros das polícias, como advogados, promotores, etc.
Assim agindo, o Governo do Estado de S.Paulo revela imaturidade e amadorismo quando o assunto é segurança pública, deixando-se levar por opiniões distorcidas e equivocadas, levadas aos seus ouvidos por pessoas que apostam na expressão "quanto pior melhor" .

Comentários encerrados em 24/01/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.