Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Com o pé direito

Novo diretor da PF quer qualidade na coleta de provas

Recém empossado no comando da Polícia Federal, o novo diretor geral Leandro Daielo Coimbra já definiu prioridades: fortalecer a gestão de pessoal, inserir o órgão no cenário internacional e conferir qualidade na obtenção de provas. Ele ocupa o lugar de Luiz Fernando Corrêa, que comandava a PF desde 2007. A cerimônia de posse aconteceu nesta sexta-feira (14/1), no edifício-sede da instituição, em Brasília.

Em discurso, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo ressaltou a importância da PF na política de segurança pública do governo Dilma Rousseff. “A Polícia Federal é o braço direito, esquerdo e o corpo do Ministério da Justiça nesse enfrentamento”, afirmou.

Sobre o novo diretor, Cardozo disse que ele “tem o espírito republicano, requisito indispensável na gestão da Polícia Federal”. O ministro manifestou ainda apoio do Ministério da Justiça em desafios como a Lei Orgânica da PF e o Plano de Carreiras.

Coimbra disse que a PF precisa estar atenta e capacitada para combater problemas com evasão de divisas e movimentações no mercado de capitais. “O combate à corrupção, ao tráfico de drogas e de armas e à lavagem de dinheiro serão incessantes”, declarou.

Estiveram presentes na cerimônia o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, o ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, a embaixadora da Colômbia, Maria Elvira Pombo, além de Luiz Fernando Corrêa, ex-diretor-geral da PF.

Nascido em Porto Alegre, Coimbra tem 44 anos, é casado e pai de dois filhos. É formado em direito pela PUC-RS, e tem pós-graduação em Gestão em Políticas de Segurança Pública. Entrou na PF em 1995 como delegado. Seu último cargo foi de superintendente pelo órgão no estado de São Paulo, que exercia desde abril de 2008. Ele também passou pelo Conselho Nacional de Combate à Pirataria. Com informações da Assessoria de Comunicação do MJ.

Revista Consultor Jurídico, 15 de janeiro de 2011, 10h15

Comentários de leitores

2 comentários

Pai de família

CHORBA (Bancário)

Bom que ele seja Pai de Família e sempre lembre disto:
.
DESTRUIR FAMÍLIAS SEM PROVAS EM OPERAÇÕES VERGONHOSAS é ou deveria ser crime.
.
Na Operação Matrix podemos afirmar e provar o que digo.
.
Conduzida pelo Delegado, foi um fiasco. Passados 6 Anos a justiça não consegue definir este "processo" repleto de falhas dos Investigadores comandados pelo Ilustre Delegado. Para se ter uma idéia, o IPL - Inquérito (relatório ao MPF) Policial acabou sendo realizado por uma Delegada que pouco conhecia o processo. Terrível. Em seu depoimento palavras como: NÃO LEMBRO, NÃO SEI, EU ACHO, NÃO INVESTIGUEI... Dói Senhores....
.
AGORA QUER: conferir qualidade na obtenção de provas.
.
Aprendeu com suas falhas e não fosse as pessoas a sofrer com isto, tudo bem.
.
Quem ocupa cargos como Delegados, Promotores e Juízes não tem que aprender com seus erros, pois lidam com seres Humanos e um erro pode ser IRREPARÁVEL.
.
PROVA CONCRETA PARA PRENDER UM PAI DE FAMÍLIA É REGRA, não tem que ser priorizado.
.
Jorge Alencar Chorba
chorbamatrix@gmail.com
http://chorbamatrix.blogspot.com/
55.9623.6520

QUE SEJA TOTALMENTE TÉCNICO E NÃO POLÍTICO

Enos Nogueira (Advogado Autônomo - Civil)

Desejo boa sorte ao novo diretor da Polícia Federal, bem como espero que seja um servidor técnico e nunca político, pois já temos políticos demais no país, que prime peloS Princípios da Moralidade, da Impessoalidade etc., nunca deixe que investigar qualquer ilícito de qualquer pessoa, seja desse ou daquele partido, pois a Polícia Federal irá ficar (com os seus erros e acertos) enquanto os políticos - plantão - passam.

Comentários encerrados em 23/01/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.