Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Passaporte apreendido

Roger Abdelmassih pede para continuar em liberdade

A defesa do médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por crimes sexuais contra pacientes, entrou nesta segunda-feira (10/1) no Supremo Tribunal Federal com pedido para que o réu continue respondendo ao processo em liberdade. A defesa, liderada pelo ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, pede que seja restabelecida a liminar concedida pelo então presidente da Corte, Gilmar Mendes, no final de 2009, como informa a Agência Brasil. O médico é considerado foragido, já que após o decreto de prisão não foi encontrado em casa.

Na semana passada, Abdelmassih, que aguardava julgamento de recurso em liberdade, compareceu pessoalmente à sede da Polícia Federal de São Paulo para requerer a renovação de seu passaporte. O delegado da PF comunicou a Justiça, que, por sua vez, deu vista ao Ministério Público e oficiou o Supremo Tribunal Federal, que analisa pedido de HC do médico. Os promotores fizeram o pedido de prisão preventiva na última quinta-feira (6/1), que foi aceito no mesmo dia pela juíza substituta da 16ª Vara Criminal de São Paulo.

Depois da decisão, o advogado de Abdelmassih, José Luiz de Oliveira Lima, enviou petição ao STF, comunicando a corte que a renovação do passaporte é um direito do médico. "Mas diante do sensacionalismo do MP, entramos com uma petição informando da desistência da renovação."

No dia 30 de dezembro, a defesa de Abdelmassih havia pedido ao STF que informasse à Delegacia de Imigração da Polícia Federal em São Paulo não haver restrição para que o réu obtivesse um novo passaporte. A defesa pedia que fosse determinada à Polícia Federal a imediata entrega do documento, “retido de forma discricionária pela autoridade policial”.

O Habeas Corpus de Abdelmassih começou a ser julgado pela 2ª Turma do STF no dia 30 de novembro. Após a relatora do caso, Ellen Gracie, votar pela não concessão do benefício, o ministro Joaquim Barbosa pediu vista dos autos.

Revista Consultor Jurídico, 10 de janeiro de 2011, 19h57

Comentários de leitores

4 comentários

Até quando as coisas vão funcionar desse jeito?!

Antonio de Assis Nogueira Júnior (Serventuário)

São Paulo, 13 de janeiro de 2011.
Senhor Diretor:
As coisas estão durando muito. A impunidade está sempre vencendo. Podia ser condenado a um milhão de anos de cadeia... E daí? Não vai preso. A única prisão no Brasil, quando acontece, é a Preventiva. Fora isso... Daqui para frente...(Passaporte para condenado - presunção é de CULPA - é uma vergonha! O
"primo" do Maluf também é poderoso porque tem a poderosa colônia árabe por trás (São Juízes e outros membros do Poder estatal a defendê-lo dos crimes hediondos). A única discussão que deve ser feita é a humanística e que envolva RESPEITO às vítimas cuja pena bem que poderia ser de PRISÃO PERPÉTUA (Sim, a Lei das Leis não permite etc.). Acho que estou ficando velho... e também confuso. A única realidade é da mentira, da indecência e da sempre bem-vinda IMPUNIDADE para os culpados.Vamos esperar o que é mesmo? Trânsito em julgado! O que é isso? Os poderosos e seus advogados estão cada vez mais gozadores dos poderes... Aqui é o Brasil e tudo pode. Ou não? Brasil, meu Brasil brasileiro, até quando vai chafurdar na.... Por ora basta. Respeitosamente,
Antonio de Assis Nogueira Júnior
Analista Judiciário do E. TRT/SP

TODOS SABEMOS COMO FUNCIONAM AS COISAS

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Io capisco, e como capisco.

TRANSPARÊNCIA ABSOLUTA

José R (Advogado Autônomo)

UAU! FERNANDO, VOCÊ NÃO FAZ MESMO CIRCUNLÓQUIOS, VAI DIRETO AO PONTO, GEOMETRICAMENTE.
AMBOS, AO QUE PARECE PATROCINAM - COM GRANDE COMPETÊNCIA, ALIÁS - A CAUSA DO DR. ABDELMASIH. NOS REVESES APARECE SÓ O NOME DO GRANDE ADVOGADO JOSÉ OLIVEIRA LIMA E NAS BONANÇAS O NOME DO OUTRO PROFISSIONAL, QUE NÃO PODE SER ASSOCIADO A REVESES...
HA CAPITO?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 18/01/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.