Consultor Jurídico

Princípios constitucionais

STF recebe HC de condenado por receptação de arma

Alegando afronta aos princípios da proporcionalidade, da individualização da pena, da presunção da inocência e da legalidade, a defesa de Gerson Cardoso de Oliveira entrou com pedido de Habeas Corpus no Supremo Tribunal Federal para que seja suspensa a condenação imposta a ele e a consequente expedição de alvará de soltura.

Oliveira foi condenado a 11 anos pelos crimes de receptação qualificada, formação de quadrilha e posse ilegal de arma de uso restrito. Além da liminar, os advogados pedem ainda a reforma da sentença para anular a condenação pelo crime de quadrilha, por afrontar o princípio da presunção de inocência e da legalidade, e a exclusão da qualificadora do crime de receptação.

O acusado teve sua sentença confirmada na íntegra pelo Tribunal de Justiça da Bahia, a qual transitou em julgado. No Superior Tribunal de Justiça, com relação à posse de arma de uso restrito foi declarada extinta a punibilidade. Porém, com relação aos outros crimes, o tribunal manteve a condenação.

Alegações
A defesa alega “total discrepância” com o princípio constitucional da proporcionalidade em relação à pena imposta pela receptação qualificada, pela qual o acusado foi condenado a reclusão por cinco anos. No HC, a defesa informa que o artigo 180 do Código Penal prevê , nesse caso, pena de um a quatro anos de reclusão, enquanto o tipo previsto no parágrafo 1º do mesmo artigo traz a pena de três a oito anos. Com isso, pede que seja aplicada a pena prevista no caput do artigo 180 do CP, conforme entendimento consagrado pelo STJ.

Quanto ao crime de quadrilha, a defesa sustenta que, pela lógica jurídica, “é inaceitável uma condenação por formação de quadrilha em processo onde só existem supostas provas contra três acusados”, quando, segundo os advogados, para configurar o crime de quadrilha é necessário a associação de no mínimo quatro pessoas para a prática de crimes.

A defesa alega ainda que há ilegalidade na decisão do STJ que indeferiu a liminar, pois “o magistrado não vislumbrou de plano a desproporcionalidade na condenação pela pena da receptação qualificada, e tão pouco percebeu a ilegalidade da condenação de formação de quadrilha que fere a inteligência do número mínimo disposto em lei para configurar o delito”.

A defesa também pediu que seja considerada a questão da isonomia, já que o Supremo vem, “repetidamente dizendo, que é desproporcional a aplicação da pena da receptação qualificada no que concerne principalmente comercializar produtos oriundos de crime”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF. 

HC 106.859




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 6 de janeiro de 2011, 6h17

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 14/01/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.