Consultor Jurídico

Notícias

Caso Goldman

Justiça dos EUA nega visitas de avós de Sean

Comentários de leitores

8 comentários

EUA

Nicoboco (Advogado Autônomo)

Decisão certa e objetiva. Deveria ser esfregada na cara de muitos "pensadores" aqui no Brasil, que se valeram do caso para dar umas alfinetadas no "império estadunidense".
Nada a discutir no mérito. Os avós dos garotos agiram de forma a ter em mira um único objetivo: OS PRÓPRIOS INTERESSES. A coisa começou errado (com a mãe retendo a a criança no Brasil ilegalmente), é claro que só poderia ter terminado errado, para quem tem culpa, é claro.

Como sempre: apenas dois comentários...

Richard Smith (Consultor)

1)De fato, a justiça americana é extremamente objetiva e didática, ou seja, procura FAZER JUSTIÇA (e tanto tenta que, no mais das vezes, acaba conseguindo). Bem diferente de um certo e evoluidissimo País Tropical, não é? Como aliás já notaram bem e mencionaram os caros comentadores abaixo.
.
Por vários motivos, sou a favor do Direito Romano, mas sem dúvida alguma, temos muito o que aprender em termos de praticidade e de objetividade, principalmente na questão do "vamos recorrer!", sem causa alguma!
.
A mera, boa e duríssima aplicação dos art. 17 e 18 do CPC inibiria em muito as avenbturas jurídicas e a procrastinações, que assumem aspecto cruel com a morosidade do judiciário.
.
.
2) Agora, sem querer sacanear, mas já sacaneando: cadê, novamente, a voz dos PeTralhas vários que viam no caso uma "polêmica" (sempre ela!) e ficavam bradando pela nossa "SOBERANIA", como no caso battisti?!

Concordo com a sentença.

Carmen Patrícia C. Nogueira (Advogado Autônomo)

Concordo com a sentença, por todos os fundamentos fáticos e jurídicos expostos.
A notícia é clara. Os fatos e fundamentos da decisão são cristalinos. A sentença, impecável.
Parabenizo o magistrado norte americano pela sensibilidade humana, objetiva, clareza e fundamentação.

ENTENDERAM que é assem que se FAZ JUSTIÇA????

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Parabenizemos a JUSTIÇA AMERICANA, que está agindo com decisões bem fundadas e estruturadas no INTERESSE da CRIANÇA e NÃO da FAMÍLIA que insiste, tudo indica, com as manchetes de jornais.
Parabéns ao Pai e parabéns ao Filho, o pequeno Sean.
Que possam viver tranquilos, que possam retomar a sua Vida, se as tempestadas falaciosas identificadas pelos especialistas, segundo os processos, não forem superficialmente criadas pelos que são contra o Pai!
Parabéns à JUSTIÇA AMERICANA e, esperamos, que mereça, também os PARABÉNS a JUSTIÇA BRASILEIRA, se fizer JUSTIÇA ao PAI!

Tome o troco...Lá, pai é pai.Por aqui, há controvérsias...

Mig77 (Publicitário)

Agora cabe aos que amam o garoto esperar que ele fique adulto.E acreditem, o tempo passa rápido.Olhem o lado bom da coisa.Ele crescerá num país bem melhor.Os avós e o padrasto poderiam olhar por esse lado...Se for difícil entender assim, abram as janelas e olhem as favelas do Rio de Janeiro com suas balas traçantes.Talvez a dor da saudade não passe, mas não será tão forte.

Sentença Pedagógica! Gostei.

Willson (Bacharel)

Para o bem ou para o mal, a justiça estadunidense julga segundo seus próprios parâmetros. Eles possuem doutrina e jurisprudência próprias, com base nos precedentes. Já nós, erramos ou acertamos com base no pensamento enlatado, de doutrinas ultrapassadas e enfadonhas, emergidas da 2a. Guerra Mundial. Lá esse negócio de paternidade socioafetiva é conversa mole pra boi dormir. Pai é pai e acabou, exceto se houver maus tratos. E punem os nacionais ou os estrangeiros que abusam do direito de litigar ou desrespeitam suas decisões, seja através de custas altíssimas, seja por meio da sentença desfavorável, sem lenga-lenga emocional. Aqui, está faltando um pouco (muito)dessa objetividade. Muitos trabalham para que o tempo torne inefetiva e inútil a decisão. E os tribunais são atores e coniventes com tal desperdício de tempo e dinheiro. Ademais, os poderosos daqui, que sempre despertam o olhar solidário de nossos juízes e tribunais, são café-pequeno lá.

IMPERTINÊNCIA!!!

VITAE-SPECTRUM (Funcionário público)

Observe-se a toleima de alguns comentários. Quanto besteirol!!! "Vide" decisões da Suprema Corte dos EEUU...

Por isso a Justiça no Brasil é de Terceiro Mundo!

Radar (Bacharel)

Sou bastante crítico quanto aos EEUU, mas devo tirar o chapéu para esse exemplo de justiça que decide, e não enrola. Suas sentenças são boas, senão pelo mérito, pelo menos pela objetividade. Muito melhor que as baboseiras, invencionices e compilações européias esdrúxulas que vemos na justiça brasileira, principalmente pelos ministros-pavão que temos por aqui, e que muitos endeusam, principalmente os mais conservadores. Tomara que o STF aprenda alguma coisa, enquanto o Brasil se recolhe a sua insignificância jurídica.

Comentar

Comentários encerrados em 1/03/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.