Consultor Jurídico

Notícias

Currículo invejável

Luiz Fux será o primeiro ministro judeu do STF

Comentários de leitores

12 comentários

... se ele fôr ortodoxo ...

Luiz Eduardo Osse (Outros)

... e seguir a lei mosaica, estamos perdidos. Agora, se ele for um 'moderninho', 'janotinha' e tudo mais, nesse caso acho que estamos é até com sorte!

aos Irmãos judeus de plantão

sergio amarante (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Irmãos vocês sabem o porque de tudo isso, vou mais longe a maioria de nós somos judeus e não sabemos, e a causa é ser o povo escolhido, temos o dever de honrar aquele que nos levantou porque tudo é para Ele e por causa Dele foi criado. A minha admiração pelo ministro já era muito grande agora ficou maior por ser meu irmão que YEHOSHUA continue a ilumina-lo.

E daí?

Johnny1 (Outros)

E daí que ele é judeu?
O que interessa é que seja bom ministro, isso sim.
Desse jeito, daqui a pouco quem vai indicar pro STF vai ser o Boninho...

O Estado é laico. As pessoas não.

Leitor1 (Outros)

A indicação de que o indicado ao STF compõe este ou aquele grupo religioso é muito importante, sim. Ainda que o Estado seja (deva ser) laico, certamente o mesmo não se pode exigir dos ministros que compõem o Supremo. Questões relacionadas ao aborto, eutanásia, união homoafetiva, retribuição penal etc. são absolutamente metafísicas; de modo que a sua solução demandará sempre opções de cunho verdadeiramente religioso. Daí que o autorreconhecimento de alguém como católico, protestante luterano, judeu, hindu etc. é bastante importante, na medida em que tal opção influenciará certamente a vida de milhões de outras pessoas que talvez não compartilhem das mesmas crenças religiosas. Diante do postulado de universalização (Habermas) o fato é que, tanto quanto possível, também é exigido do juiz religioso um esforço a fim de que não imponha eventuais crenças meramente pessoais para todo o grupo (basta admitir que o juiz fosse ateu - o que também é uma forma de crença - e buscasse coibir opções metafísicas dos demais).
De minha parte, congratulo-me muito com a indicação do Dr. Fux, seja pelo grande conhecimento jurídico, seja pelo respeito que devoto à comunidade judaica e aos princípios de vida impostos pelo Talmud. O STF não pode ser loteado em cotas, por certo. Mas quando grupos que sofreram preconceito galgam aquela Corte máxima isso pode sinalizar para uma gradual alteração da nossa sociedade, aparentemente mais plúrima e menos intolerante. Espero que em breve não haja mais racismo, xenofobia, preconceitos por conta de melanina, credo, gênero, opção sexual, ocupação profissional.

Simplesmente um julgador

rogério lima (Estudante de Direito - Consumidor)

É verdade, Roland. Que besteira. Temos sim brasileiros natos e com notório saber jurídico e reputação ilibada, é o que basta.
Rogério Lima.

Que tolice.....

Roland Freisler (Advogado Autônomo)

A primeira mulher, o primeiro negro, agora o primeiro judeu. Será que teremos também o primeiro gay, o primeiro transexual, o primeiro ateu? à toa já temos bastante....

Corrigindo...

Carmen Patrícia C. Nogueira (Advogado Autônomo)

Corigindo erro de digitação:
"Eretz" Israel(terra de Israel) e não erets, digitado errado.
"B'hatzlacha" (בהצלחה: Tenha sucesso!

ah!

Neli (Procurador do Município)

Ah,esqueci-me,se a indicação dele for por ser judeu,quero que o próximo seja muçulmano,depois um indu,um budista etc.Quero que ele seja justo como uma amiga,e a considero como irmã, judia é e como outra amiga judia também o é.Muçulmano,budista ou indu não conheço.
E não venha com a história de tirar a tradição do Crucifixo das repartições.Têm outros símbolos religiosos ,inclusive na Constituição Nacional,que deveriam antes saírem:nome de Deus, imunidade tributária para todas as religiões,feriados religiosos mesmo o Natal e o Brasil tem problemas gravíssimos que antes deveriam ser extirpados:corrupção,o menoscabo com o dinheiro público etc.
Então,o futuro ministro está sendo indicado,por sua capacidade jurídica,despida de religião.

Desculpe-me

Neli (Procurador do Município)

Mas a religião nada tem a ver com a indicação,então acho tolice esse estardalhaço por ele ser judeu.
Aliás, nem sei,e nem me importa,saber a religião dos ministros do STF.Parece-me que o presidente César Peluso é católico:trabalhei com a sua esposa Lúcia que é católica.
O que me importa é o cabedal jurídico,o senso de justiça e principalmente quando estiver lá,honre a magistratura.
Que não fique reclamando de trabalho,não dê entrevistas(como muitos ministros deram), como se fosse ator de televisão etc.
Quem quer mídia e se acha bonito,mande o curriculum para a televisão e peça exoneração.Deve,enfim,honrar a magistratura.
Aliás, o estado é laico,então não exige a religião como requisito..
Ah,sou católica apostólica romana,mas respeito toda religião,e quero mais é que o meu Santos Futebol Clube seja sempre campeão!
Amém?Amém!Ele sim,a minha verdadeira religião!

MAZAL TOV !

Ana Só (Outros)

(Parabéns!)
Essa decisão surpreende favoravelmente. Já é tempo de acabar com esse antissemitismo crônico, sem nexo, e dar aos judeus, no Brasil, as qualidades que eles de fato têm: inteligência e (muito) esforço.
Crianças judias aprendem desde o berço o valor do estudo, pois têm a Torah nas mãos desde pequenas e com isso aprendem o prazer de ler e de estudar, o que não faz delas, quando adultos, fanáticos por religião. Os judeus se destacam em tudo que fazem porque os pais valorizam o ESFORÇO, muito mais que a inteligência.
Estudei a Shoah (Holocausto) durante muitos anos e sei que para eles nada cai do céu, a não ser a persistência e a fé na vida.
Tenho certeza de que ele passará nessa sabatina.
O que eu não faria para este homem ter nas mãos o meu processo de perseguição no trabalho, que se arrasta há seis longos anos, sem ver até hoje sequer a cor das verbas rescisórias, perseguição essa movida por pessoas não-judias, "todos eles príncipes, se os ouço e me falam" (F.Pessoa), que nos empurrou a uma condição a ponto de perdermos a casa própria - e está, pela demora (levou mais de 1 ano para "subir" só agora -, a me pedir uma sobrevida, além dos 60, para ver o fim desse processo. Deus o ilumine, e que ele seja aceito e ajude a agilizar o Judiciário - o que um bom jurista judeu saberá como fazer, e para quem nada é impossível.
Hatikva.

Responsabilidade redobrada

Carmen Patrícia C. Nogueira (Advogado Autônomo)

Como judeu sua responsabilidade será redobrada, pois servirá como "vtrine" do povo de Israel no STF.
Por oportuno, vamos lembrar a sabedoria judaica:
"Não é o cargo que faz o homem, mas o homem que faz o cargo".
Que o Ministro Fux "faça o cargo", dentro dos princípios milenares da Ética do Sinai e da Torá, que inspiraram todo o sistema jurídico e ético da humanidade.
Que o Eterno o abençoe, e que sua atuação no STF seja motivo de orgulho do povo de Erets Israel.

Judeu sim, sionista nunca

Robespierre (Outros)

Esperamos que seja judeu apenas, pois sionista seria o mesmo que aceitar um fascista no nosso supremo.

Comentar

Comentários encerrados em 13/02/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.