Consultor Jurídico

Habitué em concursos

"Advogado da União quer cargo que pague melhor"

“O advogado da União jovem é concurseiro não por diletância, mas porque quer aproveitar o ritmo de estudo para passar em concursos para cargos que pagam melhor”. A afirmação é de Marcos Luiz da Silva, presidente da Associação Nacional dos Advogados da União (Anauni). Em nota, o advogado disse que “os advogados da União estão deixando a carreira para assumir cargos na magistratura, Ministério Pública, Procuradorias Estaduais e Municipais, o que significa que a AGU paga uma das piores remunerações do país aos seus advogados”.

Em reportagem publicada na quarta-feira (21/12), a Consultor Jurídico afirmou que a advocacia pública brasileira é exercida por homens jovens, que ingressaram na carreira na última década e acham o trabalho excessivo e, em sua maioria, pretendem seguir outra carreira jurídica. Apesar disso, no momento, não estão estudando para um novo concurso. A base das conclusões foi o I Diagnóstico da Advocacia Pública do Brasil, feito pela Secretaria de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça, com dados coletados em questionários em 2009 e 2010.

Em resposta à reportagem, a Anauni reconhece que “efetivamente a AGU tem servido como degrau para outras carreiras, pois a remuneração, a despeito de ser bom, é bem inferior às carreiras do Ministério Público Federal e da magistratura, sendo ainda inferior à grande maioria das Procuradorias Estaduais, e mesmo em relação a alguns municípios”.

“A AGU somente irá se fortalecer e conseguir manter os seus profissionais se alcançar dois objetivos: autonomia institucional; isonomia remuneratória com as demais funções essenciais à justiça. Isso estancaria a evasão de Advogados da União e permitiria a manutenção dos quadros da carreira em sua grande maioria”, diz a nota.

A entidade informa também que “a demanda processual dos Advogados da União é bem alta, e muitos colegas são obrigados a trabalhar à noite e nos fins de semana. Desestimula os colegas ainda trabalharem lado a lado com Advogados não concursados, ocupantes de DAS, especialmente nas consultorias jurídicas em Brasília, em que ainda é bem comum situações desse tipo”.

O levantamento
Responderam às perguntas de múltipla escolha do I Diagnóstico da Advocacia Pública do Brasil 1.394 advogados da Advocacia-Geral da União (AGU), de um total de oito mil (incluindo advogados da União, procuradores federais, procuradores da Fazenda Nacional e procuradores do Banco Central).

Pelo que se pode notar a partir dos dados, a advocacia pública tem prazo curto e, muitas vezes, serve de degrau para outras carreiras. Dos advogados públicos federais em atuação hoje, 80,1% têm menos de 40 anos e apenas 11,4% ingressaram na AGU antes do ano 2000.

Apesar dos bons salários — 50,7% recebem de R$ 14 mil a R$ 16 mil por mês—, a vontade de deixar a profissão é grande. Mais de um terço dos atuais advogados pretendem mudar de carreira, prestando outro concurso público. Entre estes, 65% querem ser juízes federais. O perfil de “concurseiro”, aliás, é comum. Antes do concurso que serviu para ingressar na AGU, 96,5% deles realizaram outros certames para cargos públicos.

A vontade é crescer imediatamente. A promoção, tão visada na carreira pública, é esperada por 51,1% nos próximos cinco anos. Uma das principais reclamações sobre a carreira é o excesso de trabalho. Apenas 20,4% consideram a demanda de atividades adequada.

A ascensão acadêmica, porém, é pouco almejada. São poucos os “doutores” que possuem doutorado — 0,9%. A maioria — 67,8% — não está estudando atualmente e 44% não realizaram nenhum curso de capacitação/aperfeiçoamento ofertados ou custeados pela instituição em que atuam nos últimos dois anos.

A pesquisa também foi realizada com 852 advogados de procuradorias estaduais, autárquicas e de fundações e 489 de procuradorias municipais. Os resultados podem ser conferidos aqui.

Leia abaixo a íntegra da nota:

1 - Efetivamente a AGU tem servido como degrau para outras carreiras, pois a remuneração, a despeito de ser bom, é bem inferior às carreiras do Ministério Público Federal e da Magistratura, sendo ainda inferior à grande maioria das Procuradorias Estaduais, e mesmo em relação a alguns Municípios. Os Advogados da União estão deixando a carreira para assumir cargos na Magistratura, Ministério Pública, Procuradorias Estaduais e Municipais, o que significa que a AGU paga uma das piores remunerações do País aos seus Advogados;

2 - O Advogado da União jovem é concurseiro não por diletância, mas porque quer aproveitar o ritmo de estudo para passar em concursos para cargos que pagam melhor, conforme assinalado no item 1.

3 - Há, realmente uma grande demora nas promoções na carreira, que está engessada há vários anos. Além disso, a demanda processual dos Advogados da União é bem alta, e muitos colegas são obrigados a trabalhar à noite e nos fins de semana. Desestimula os colegas ainda trabalharem lado a lado com Advogados não concursados, ocupantes de DAS, especialmente nas consultorias jurídicas em Brasília, em que ainda é bem comum situações desse tipo.

4 - A demanda por capacitação é grande, mas em face do contingenciamento de recursos implantando pelo Governo Federal poucos Advogados da União tiveram acesso a essa capacitação. Além disso há grande dificuldades para os Advogados da União participarem de cursos, pois o volume de processos é grande e em muitos casos a saída de um profissional irá implicar em dificuldades para o bom funcionamento da unidade. Além disso os estímulos concedidos pelo Governo Federal para que esse Profissional busque especializar-se não tem atraída os membros da carreira, que normalmente são contemplados apenas com a manutenção da remuneração no período de estudo, o que nem sempre é suficiente, uma vez que a grande maioria possui família e já utiliza esses recursos para as despesas ordinárias.

5 - Por fim, entendemos que a AGU somente irá se fortalecer e conseguir manter os seus profissionais se alcançar dois objetivos: autonomia institucional; isonomia remuneratória com as demais funções essenciais à justiça. Isso estancaria a evasão de Advogados da União e permitiria a manutenção dos quadros da carreira em sua grande maioria.

Cordialmente,

Marcos Luiz da Silva
Advogado da União

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de dezembro de 2011, 13h54

Comentários de leitores

9 comentários

Lamentável

Asclê Junior (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

É uma pena que a nobre carreira de Advogado da União seja maculada por pedido de salários, porque, tal qual a carreira de juízes, MP e outras carreiras públicas, é uma vocação.
No entanto, vemos um representante de uma associação de advogados, dentre as 4 ou 5 da AGU, culpando diversos fatores, menos a sua falta de vocação, cidadania e compromisso com a defesa dos interesses da União.
Cada passo que damos em nossa vida é carregado de toda responsabilidade, esforço, riscos e compromisso. Eis que está claro que não existe mais carreira pública no Brasil para o articulista e a associação que se manifestou, mas, somente, um polpudo salário (se tiverem comissões, mesmo que custe o emprego e o esforço de outrém, tudo bem!).
Claro que na nossa vida a evolução dever ser uma busca incansável para a nossa satisfação, mas quando se ingressa em uma carreira pública, pensamos no patriotismo, valor e aquilo que nós defendemos, os interesses de toda sociedade brasileira e da União Federal.
As ADIn´s intentadas pela própria ANAUNI com o objetivo de afastar quaisquer advogados que não sejam de seus quadros não tiveram êxito e agora estão tentando dar justificativas ao "trampolim" na carreira que alguns fazem uso. No entanto, falta amor à profissão e quem perde com isso é a União Federal, ou melhor, toda sociedade brasileira.
Em 2011, vimos vários escândalos em órgãos públicos e ministérios que poderiam ser evitados ou minimizados com concentração e dedicação ao trabalho. Em outros países causaria vergonha a todos.
Quando fazem o concurso para ingressar na carreira já sabem o que enfrentarão, daí tomam a vaga de quem alimenta o sonho de atuar e ainda ficam insatisfeitos... em um país aonde os salários não são altos.

Reclamando de barriga cheiA

Rafael_adv (Advogado Sócio de Escritório)

Se esse povo fosse advogar ai iriam perceber o quanto teriam que trabalhar para ganhar adequadamente... Esse povo não sabe o que e trabalhar.

Reclamando de barriga cheiA

Rafael_adv (Advogado Sócio de Escritório)

Se esse povo fosse advogar ai iriam perceber o quanto teriam que trabalhar para ganhar adequadamente... Esse povo não sabe o que e trabalhar.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/01/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.