Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

Falso Moralismo

baroch (Outros)

O Sr Ophir acumula dois cargos públicos que é ilegal, e pior, recebe sem trabalhar para poder atender seus interesses particulares como presidente da OAB. Como um bom cidadão que é deveria abrir mão das remunerações que seria medida acertada e honrosa.

A OAB necessita urgentemente de reformas

Edu Bacharel (Estudante de Direito)

Como disse o próprio Ophir em entrevista na Rádio CBN:
"nós temos que ter muita cautela em relação aos colegas que ingressam no mercado".
Parafraseando o presidente, temos que ter cautela tbm com quem tem pretensões a ser presidente do Conselho Federal.
A OAB precisa ser renovada e tem que ser submetida a um controle externo rigoroso.
Hoje a OAB é uma instituição imune à fiscalização, quer da sociedade, quer do Estado, embora seja uma autarquia federal, que vive à custa da contribuição compulsória dos seus filiados, sem falar da fortuna que arrecada com o Exame de Ordem.
Outro tema que merece destaque é a participação de todos os advogados na escolha do presidente do Conselho Federal. Portanto, diretas já!

Mais sólido do que um rochedo

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Por óbvio que nada disso importa. Todos nós sabemos que quando um advogado tem suas prerrogativas violadas formasse rapidamente um conluio entre integrantes da Ordem e a autoridade violadora das prerrogativas. A Ordem fica inerte, e em troca a autoridade violadora das prerrogativas fornece préstimos aos ocupantes de cargos e funções. É justamente por isso que a OAB acabou na prática abandonando a maior parte dos advogados. Ophir assim tem muito "fogo na manga", considerando ainda que desde quando assumiu o cargo não faz outra coisa senão politicagem barata usando o nome, estrutura e tradição da OAB. Defende interesses de quem lhe oferece favores, e agora é o momento de receber na mesma moeda. Isso faz com que seja mais sólido do que um rochedo, sendo necessário muito mais denúncias até que ele seja abandonado pelos seus e finalmente seja substituído por outro da mesma espécie.

REVOLTANTE

Advogada em Brasília (Advogado Assalariado - Tributária)

O Dr. Wadih está coberto de razão. É o Dr. Ophir que tem que se defender e não se utilizar do poder do cargo de presidente para, expondo a OAB ao ridículo, defender-se!
Se as licenças são legais, que ele mesmo reponda isso na Justiça! Mas mesmo que a justiça considere que estar 14 anos licenciado e recebendo salário é legal, a sociedade considera IMORAL! Eu, pelo menos, me sinto envergonhada de ser representada por um cidadão que recebe sem trabalhar há 14 anos! E não deve receber pouco... e além disso advoga contra e a favor do estado....ora, se ele não tem tempo para ser procurador, como pode arrumar tempo para advogar pelo seu escritório! Qualquer pessoa pode afirmar que isso é legal, mas é um ABSURDO! Não há outra palavra: REVOLTANTE!

COM TODA A RAZÃO: O OPHIR NÃO É A OAB

advogado paraense (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Certamente, as denuncias são contra o Ophir Cavalcante Júnior, Procurador do Estado do Pará e não contra a OAB, por isso o afastamento do Ophir da OAB é necessário para que a imagem da instituição seja protegida, em todos os cometários visualisados essa opinião é quase unissona, então por que o Ophir se mantém no cargo?
Por outro lado as denúncias não são somente acerca da licença remunerada por longo periodo, mais de uma década, mas sobretudo, pelo fato que de ele advoga, por seu escritório, contra Orgão da Fazenda Pública do Estado que o remunera, isto é advoga contra o Instituto de Previdência da Assembléia Legislativa do Estado do Pará - Autarquia Estatal, desse modo as denúncias são graves e cabe a justiça dizer se os atos do Ophir são ou não legais, pois é assim que as demandas devem ser tratadas em um Estado Democrático, cuja jurisdição é inafastável, como se isso não bastasse, nenhuma palavra na manifestação dos presidentes foi dita contra esse aspacto da denuncia que pese contra o Procurador Ophir Cavalcante Júnior, portanto seria importante também se questionar qual é a opinião deles sobre isso também.
Assim sendo, o Procurador Ophir Cavalcante Júnior por não se confundir com a OAB deveria sim se afastar, de modo a dar exemplo de que não se apegou ao cargo, e desse modo mantér equidistância da OAB como instituição respeitada e defensora dos valores democráticos.

Comentar

Comentários encerrados em 23/12/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.