Consultor Jurídico

Sem alvarás

Justiça manda lacrar sambódromo por falta de segurança

A juíza Lílian Cristiane Siman, da 5ª Vara da Fazenda Pública, do Foro Central de Porto Alegre, mandou lacrar as instalações do Complexo Cultural do Porto Seco (Sambódromo) e do Complexo Arquitetônico Usina do Gasômetro, por falta de  atendimento às exigências legais de equipamentos de segurança à população. A liminar atende solicitação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) e vai vigorar até que o município de Porto Alegre e a Associação das Entidades Carnavalescas se regularizem perante o Corpo de Bombeiros. A determinação foi divulgada, na manhã desta quarta-feira (14/12), pela Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça gaúcho.

Em caso de descumprimento, a multa diária é de R$ 500,00, a ser suportada pessoalmente pelo secretário municipal de Gestão e Acompanhamento Estratégico, pelo secretário municipal de Obras, Viação e de Cultura e pelo presidente da Associação das Entidades Carnavalescas. Eles serão intimados pessoalmente do conteúdo da liminar nas próximas horas.

O MP gaúcho sustentou na Ação Civil Pública que vem pedindo, desde 2005, que a municipalidade e as entidades carnavalescas regularizem o sistema de prevenção e proteção contra incêndios no Sambódromo — sem conseguir sucesso. O MP também informou que o Alvará de Prevenção contra Incêndios da Usina do Gasômetro está vencido desde 31 de dezembro de 2008.

A juíza afirmou que tanto a legislação estadual como a municipal prevê a obrigatoriedade da instalação de equipamentos e o atendimento de medidas de proteção contra incêndio em todas as edificações e estabelecimentos. A Lei Estadual 10.987/97 diz que as instalações destinadas ao comércio, indústria, diversões públicas e edifícios residenciais deverão possuir plano de prevenção e proteção contra incêndio aprovado pelo Corpo de Bombeiros da Brigada Militar (a Polícia Militar gaúcha). Enfatizou, ainda, que a ausência do Plano de Prevenção contra Incêndio ‘‘é extremamente prejudicial à coletividade, já que é o único meio de garantir segurança aos participantes de eventos populares patrocinados nos referidos Centros’’.

ACP 11103364392




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de dezembro de 2011, 14h36

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 22/12/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.