Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Eleições e política

"Lei da Ficha Limpa é o Estatuto da Ética e Moralidade"

Por 

No entendimento do ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, expresso em seu voto, a Lei da Ficha Limpa é totalmente constitucional. "As alegações de inconstitucionalidades dessa lei decorrem de uma interpretação limitada da Constituição, que privilegia uma minoria de ocupantes de cargos eletivos em detrimento de toda a sociedade que anseia pela moralização da política brasileira, para que não haja mais engodo do eleitorado, manipulações e falsas promessas, para que os eleitores comecem a ter liberdade de escolha real, verdadeira", afirmou o ministro.

Em relação ao mérito, o ministro entende que a Lei Complementar 135/2010 é compatível com a Constituição, em especial com o que determina o seu parágrafo 9º do artigo 14, que diz que a lei complementar estabelecerá outros casos de inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indireta.

"Mais do que isso: considero que a referida lei ao complementar o dispositivo constitucional a ele se integra para formar um todo que poderíamos qualificar como Estatuto da Ética e da Moralidade da Cidadania Política Brasileira, vocacionado a reger as relações entre o eleitor e seu representante", conclui Barbosa.

Ainda segundo o ministro "é chegada a hora de a sociedade ter o direito de escolher e de orgulhar-se de poder votar em candidatos probos, sobre os quais não recaia qualquer condenação criminal; sobre os quais não pairem dúvidas sobre o envolvimento em crimes ou malversação do dinheiro público; sobre aqueles que honram seus mandatos até o fim; sobre aqueles que têm por preocupação o interesse público e não o interesse pessoal".

Para Barbosa, a Lei da Ficha Limpa faz uma correção histórica no Brasil: "Temos um notável passado sobre o controle dos eleitores, mas um controle débil dos eleitos." Consta do voto a discrição das Constituições passadas brasileiras, que proibiam que índios, negros e mulheres votassem.

Na sessão da última quinta-feira (30/11) do Plenário do STF, depois da fala do ministro Joaquim Barbosa, Luiz Fux reformulou seu voto. Voltou atrás da questão da inelegibilidade pela renúncia, e a considerou constitucional, conforme noticiado pela ConJur. No entanto, manteve sua outra ressalva, referente à alínea e do artigo 1º. Diz a lei que quem for condenado fica inelegível depois do trânsito em julgado da condenação e, depois de cumprida a pena, por mais oito anos. Para Fux, esse dispositivo "é um meio oblíquo de cassação de direitos políticos".

Neste ponto, Barbosa discordou. Preferiu não fazer alterações ao tempo que o candidato fica inelegível depois de cumprir pena — ou seja, os oito anos são válidos. Dias Toffoli também discorda da proposta feita por Fux, mas disse que gostaria de rever a contagem do tempo. No entanto, não disse que esta foi a motivação do pedido de vista.

Fux também reafirmou alguns pontos de seu voto. O principal deles foi quanto à validade da Lei da Ficha Limpa. Declarou que o texto só pode se aplicar às eleições de um ano depois da aprovação da lei, "ou seja, nas eleições de 2012".

Clique aqui para ler o voto do ministro Joaquim Barbosa.
ADC 29

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 3 de dezembro de 2011, 13h20

Comentários de leitores

7 comentários

Probidade

baroch (Outros)

Este termo é muito desconhecido na administração Pública, trata-se de princípio da moralidade que é de ordem pública, que prevalece sobre todos os outros. A meu ver as alegações de:presunção de inocência e recusa de fazer prova contra si; são perfeitamente submissa ao princípio maior: Moralidade. Já em tempo entender que acima de tudo há prevalência da MORALIDADE.

"Chingar" ?????

Axel (Bacharel)

Tomara que o advogado Marcos Alves Pintar não esteja ensinando "aos mais novos" a escrever a palavra xingar com "ch".

O QUINCA É NEGÃO

huallisson (Professor Universitário)

Muito inteligente a sacada do Min Joaquim Barbosa.A Lei da Ficha Limpa deve mesmo ser considerada o Código de Ética Eleitoral.Na arte da ética o Quinca é mesmo "negão"! Quanto ao advogado Ademilson acima, que condena a retroatividade da Lei, seria bom que o nobre comentarista soubesse que a moralidade na res publica antecede até mesmo as catilinarias.Para ser mais preciso, eu diria que surgiu com a idade da razão.Bem dito, para os bons porque para os maus nunca existiu.
Pedro Cassimiro - Professor

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/12/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.