Consultor Jurídico

Serviços de saúde

Vedação a capital estrangeiro não inclui laboratórios

Por  e 

Laboratórios clínicos e empresas de medicina diagnóstica do país têm sofrido questionamentos por parte de concorrentes sob o argumento de que não poderiam operar no setor de saúde por possuírem sócios estrangeiros. Nesse sentido, empresas com capital estrangeiro têm sido impedidas de participar de licitações públicas para a contratação de serviços laboratoriais de análise clínica e diagnóstica, pois a participação estrangeira seria ilegal.

Esse argumento teria fundamento nas restrições legais impostas à participação de estrangeiros no capital de sociedades que operam no setor de assistência à saúde. Nos termos do artigo 199, parágrafo 3º, da Constituição Federal, conquanto a assistência à saúde seja livre à iniciativa privada, empresas ou capitais estrangeiros não podem participar, direta ou indiretamente, na assistência à saúde no país, salvo nos casos previstos em lei. Tal vedação também possui amparo legal na lei que disciplina o Sistema Único de Saúde (SUS), a “Lei do SUS”.

Primeiramente, é importante destacar que essa vedação é juridicamente questionável, tendo em vista ser contrária ao espírito da Emenda Constitucional 6/2005, que eliminou de nosso ordenamento jurídico qualquer tipo de discriminação entre empresas constituídas no país com capital nacional ou estrangeiro. Além disso, a vedação é totalmente inadequada, na medida que impõe uma reserva de mercado no setor de assistência à saúde que não apenas contraria o papel cada vez mais relevante que o país vem desempenhando na economia mundial, como resulta em ineficiências injustificáveis, já que impede que hospitais, centros médicos e odontológicos sejam beneficiados por investimentos estrangeiros que poderiam resultar no incremento da eficiência dos serviços e na melhoria das tecnologias aplicadas na recuperação da saúde.

Para agravar a situação, empresas têm sido impedidas de participar de licitações após decisões ilegais e arbitrárias de certos órgãos da administração pública devido a interpretações equivocadas ou extensivas do termo “assistência à saúde”, cuja definição não foi dada pela Constituição ou pela Lei do SUS, o que acaba gerando grande insegurança jurídica.

Ora, o conceito de saúde é extremamente amplo, o que requer muito critério por parte dos órgãos públicos no momento de decidir sobre a aplicabilidade do artigo 199 da Constituição a determinado caso concreto. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o conceito de saúde não se limita apenas à ausência de doenças, mas ao completo estado de bem-estar físico, mental e social. Nesse contexto, tomando ao pé da letra o termo “assistência à saúde”, a restrição ao capital estrangeiro contida na Constituição deveria incluir laboratórios farmacêuticos, fabricantes de equipamentos médicos, clínicas de nutrição, prestadoras de serviços de saneamento básico e até mesmo academias de ginástica, o que beira o absurdo!

Nessa linha, alguns entendem que aquelas atividades em que há a relação direta médico-paciente com vistas à preservação e recuperação da saúde, devem ser considerados estabelecimentos nos quais há “assistência à saúde” por excelência, sendo aplicável nesses casos o artigo 199, parágrafo 3º, da Constituição Federal.

Por outro lado, estabelecimentos que prestam serviços auxiliares da assistência à saúde ou de apoio à medicina, tais como laboratórios de análises clínicas, de diagnósticos por imagem, nutrição, fisioterapia, locação de equipamentos médicos, dentre outros correlatos, não devem ser entendidos como estabelecimentos de assistência à saúde. Isso porque não realizam atendimentos ou tratamentos diretos, caracterizados pela relação médico/paciente na preservação ou recuperação da saúde, mas desempenham atividades auxiliares solicitadas pelo médico, para que este possa atender ao paciente.

Dessa forma, serviços de análise clínica e diagnóstica devem ser considerados instrumentos de apoio médico, o que descaracteriza, a nosso ver, a aplicação da vedação constitucional do artigo 199, parágrafo 3º.

Os exames realizados em laboratórios clínicos e diagnósticos são realizados apenas porque houve um pedido médico, oriundo da relação médico-paciente nesse sentido. Em geral, é necessária uma consulta prévia, na qual o médico poderá requisitar exames que poderão ser realizados por laboratórios clínicos e diagnósticos. A finalidade dos exames laboratoriais é complementar o diagnóstico do paciente, auxiliando o profissional de saúde a identificar as causas da doença e indicar o melhor tratamento.

Assim, em sendo essas atividades meramente auxiliares ou de apoio à assistência à saúde, estão fora do escopo da vedação ao capital estrangeiro. Nesse sentido, não há que se questionar a atuação de empresa com capital estrangeiro que preste serviços laboratoriais de análise clínica e diagnóstica, nem mesmo cogitar de sua inabilitação em licitações para contratação desse tipo de serviços.

Tais fatos levam à conclusão de que a vedação constitucional ao capital estrangeiro na assistência à saúde, enquanto tida como constitucional, deve ser interpretada caso a caso e de forma criteriosa, observando-se os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, sob pena de provocar incertezas, restringir injustificadamente a livre concorrência e, ainda, afugentar importantes investimentos internacionais em atividades de saúde que estejam fora do escopo da vedação.

Lauro Celidonio Neto

Rosoléa Miranda Folgosi

Paulo Eduardo Lilla




Topo da página

 é advogado, sócio do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados.

 é advogada do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados.

 é advogado do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados.

Revista Consultor Jurídico, 19 de agosto de 2011, 17h12

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.