Consultor Jurídico

Notícias

Defasagem em subsídios

Ajufe rebate posição de Dilma sobre reajuste de juízes

Comentários de leitores

12 comentários

Para lá e para cá.

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Enquanto continuarem escrevendo que juiz não leva trabalho para casa, continuarei escrevendo que leva, sim. Ao menos, no meu Estado, onde se trabalha muito, muito além das 8h diárias e 44 semanais, de modo que subtrair as férias de 60 dias e instituir horas-extras seria um enorme prejuízo econômico para a sociedade.
O contraponto é necessário para que não aconteça o preconizado por Goebbels, Ministro da Propaganda de Hitler: uma mentira dita cem vezes passa a ser verdade.

???Eleição ???

. (Professor Universitário - Criminal)

Se houvesse eleição para juízes no Brasil, correriamos o risco de eleger o Palocci (que fecharia sua consultoria), o Lula (com todo o seu saber jurídico). Também participariam da eleição os antigos terroristas (hoje no poder), os quais manteriam suas sentenças de morte (como eram habituados a fazer no passado, explodindo os corpos dos réus com bombas, como fizeram com o soldado do Exército, Mario Kozel Filho ou, ainda, estourariam a cabeça dos condenados a pauladas, como fizeram com o Tenente Alberto Mendes Júnior, da Polícia Militar de São Paulo. Ironias a parte, precisamos de juízes concursados, MAS NÃO MEROS DECORADORES DE LEIS E CÓDIGOS. Precisamos de juízes com idade suficiente para julgar e fazer justiça, não penas "aplicar a lei". Precisamos, não de rapazes que pretendem, apenas, ter seus carrões importados para as baladas de final de semana e moçoilas interessadas em manter arranjados seus lindos cabelos bem cuidados para receber elogios e fazer inveja às outras mulheres. Estamos cansados de pessoas interessadas apenas nos altos salários, sem a correspondente contraprestação. Não se admite que magistrados(as) continuem empurrando todo o trabalho para os abnegados servidores, que não tem hora para sair, porque não terminaram seu serviço. A velha história de que juízes levam trabalho para casa já não funciona mais, pois mentirosa. É preciso acabar com as mordomias, como férias de 60 dias, carros para conduzir membros de tribunais e, principalmente, colocar-se juízes com idade superior a 35 ou 40 anos, com vocação e maturidade para desempenhar missão que é nobre, mas também aviltada por muitos de seus membros.

Comparativo

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Quando os subsídios dos magistrados foram reajustados pela última vez, o salário mínimo valia R$300,00. Hoje, vale R$545,00, isto é, acréscimo de 81,67%.

Eleição direta para juiz mudaria o quê?

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Não entendi o comentário anterior.
Se os juízes fossem eleitos, teriam que conformar-se em ficar, anos e anos, sem seus subsídios atualizados, nem mesmo de acordo com a inflação?
É isso que um advogado realmente deseja: juízes submissos, que não podem lutar por seus direitos? Como ele ajuizaria uma demanda contra a União?

Eleição

Flávio Souza (Outros)

Concordo com o pronunciamento do Dr. Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo), com uma ressalva, ou seja, que a eleição atinja apenas cargos nas esferas maior do Judiciário, quer seja, TST, TSE, CNJ, STF, STJ e Plenos dos TJ´s. E de quebra, o Legislativo deve abolir o ingresso via quinto constitucional. Feito isso, não devemos esquecer de que é importante estudarmos no sentido de instituir tempo de mandato para quem vier ser eleito. E mais: o eleito não tem direito a aposentadoria integral, salvo se já tiver esse direito garantido pela lei. Imagine uma pessoa que é contribuinte do INSS por longos 25 anos e derepente ocupa um cargo destes por 10 anos e já tem direito a aposentadoria integral, p.ex: um governador de Estado que ocupa o cargo por oito anos e já garante aposentadoria integral. Será que essa mordomia tb não existe noutras esferas?.

Quem elege juízes?

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

A tal da Ajufe, de maneira pueril, se julga acima do bem e do mal. A bem da verdade, a maior cretinice forjada pelo inconsequente legislador de 1988, foi exatamente a maldita IGUALDADE DE PODERES! É sabido e ressabido que o cidadão, contribuinte e jurisdicionado NÃO elege magistrado. Sem levarmos em consideração inúmeras denúncias de fraude em concursos de ingresso na magistratura,contudo, a sissomia já está entronizada, mas, bastaria uma EC para acabar de vez com essa arrogância da tal Ajufe e outras entidades classistas que tanto defendem - apaixonadamente - os nem sempre éticos e responsáveis interesses de seus abnegados sócios magistrados: ELEIÇÕES DIRETAS JÁ PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA! E, longe de falar-se em utopia, basta estabelecer um criterioso currículo e submeter ao crivo do cidaddão, contribuinte e jurisdicionado. ELEIÇÕES DIRETAS E JÁ PARA O INGRESSO NA MAGISTRATURA, por ora, em seguida para o QUARTO PODER: MINISTÉRIO PÚBLICO! Vamos divulgar esta boa e salutar idéia aos quatro cantos deste país!!!

DILMA PERDIDA, CONGRESSO É O LEGISLATIVO NACIONAL , ACORDE

Bonasser (Advogado Autônomo)

"nem que seja necessário o Congresso recusar a demanda de aumento salarial do Judiciário"
No que a dilma menciona o que está acima, vejo que ela desconhece a constituição dos Poderes da Republica, no Brasil.
Vejo como temeraria essa atitude da Dilma que ao que parece ainda não assimilou que ocupa o maiaor cargo publico do País.
Ela não tem que definir comoo Congresso deverá se posicionar, encontra-se perdida, creio.
Um abraço a todos.
Carlos Bonasser.

Apoio

Flávio Souza (Outros)

Presidenta Dilma vc é a presidenta do Brasil. Foi eleita pela maioria, portanto, todos tem que obedecê-la. Não recue e tampouco intimide-se com qualquer tipo de manifestação do tipo marcha, greve, paralisação, cpi´s, etc etc. Se o governo atender o que todos pedem, o Brasil vai a falência. É preciso antes de dar aumento ao Judiciário, melhorar as leis e enxugar os inúmeros tipos de recursos ofertados e então não será preciso criar tribunais, varas, criação de novos cargos, etc etc. A máquina judiciária é pesada para o país. É preciso primeiro investir em educação e saúde. Se a presidente autorizar o aumento dos ministros do STF, haverá o efeito cascata em relação aos tribunais federais e estaduais e de quebra, outras categorias que remuneram seus servidores via subsídios requisitarão igual benefício.

Até tú brutus.....

JPLima (Outro)

O Brasil virou uma Zona mesmo. O pior é que não se vislumbra a possibilidade de melhora. Quem sabe talves daqui a uns 20 ou 30 anos.....

A Constituição é para todos.

Radar (Bacharel)

Os juízes reclamam por reajustes, e com razão. O restante dos servidores do judiciário federal, também está sem qualquer reajuste desde 2006 (5 anos). Seus vencimentos estão se esvaindo por causa da inflação do período. Alguma coisa a presidenta tem de conceder. Afinal, até quando o governo pretende jogar sobre os ombros do funcionalismo a responsabilidade pelo superavit? Reajuste zero, e eternamente? Não só os servidores, mas também a presidenta deve obediência à Constituição, que determina a revisão salarial periódica.

Tiro no pé

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A AJUFE vai dar um belo tiro no pé com essa "marcha". Há algumas semanas o Conselho Nacional de Justiça autorizou os TRFs a pagar uma gratificação absolutamente indevida aos juízes federais. Fizeram um raciocínio de que 2 + 2 = 8, e uma equiparação com o Ministério Público Federal sem pé nem cabeça, e quando as manifestações ocorrerem isso será jogado na cara de todos os magistrados federais. A massa da população já não gosta de juízes federais, muitas vezes imotivadamente, e quando tomarem conhecimento dos fatos a revolta será geral. Enfim, um tiro no pé.

Marcha?

Guilherme Pulis (Advogado Associado a Escritório - Civil)

A negativa da Presidente é bizarra. Porém, ainda mais abominável do que esta negação é a necessidade de juízes marcharem por reposição que já é ordenada pela Constituição...

Comentar

Comentários encerrados em 20/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.