Consultor Jurídico

Alteração legislativa

Senado criará comissão para reforma no Código Penal

O Plenário do Senado aprovou na noite desta quarta-feira (10/8) requerimento que cria uma comissão especial que vai elaborar o projeto de reforma do Código Penal. O requerimento, de autoria do senador Pedro Taques (PDT-MT), estabelece que a comissão terá 180 dias, após a instalação, para apresentar as propostas iniciais para a modificação do código. A ideia é fazer mudanças para tentar agilizar o processo penal no país, como informa o portal G1.

Possíveis nomes
O requerimento determina que os membros da comissão sejam escolhidos pelos parlamentares, mas Taques chegou a propor os nomes que poderiam integrar a comissão. Entre as sugestões, está o ministro do Superior Tribunal de Justiça Gilson Dipp; doutor e mestre em Direito Constitucional pela PUC-SP e procurador regional da República, Luiz Carlos dos Santos Gonçalves; e o professor Luiz Flávio Gomes, que é juiz aposentado, doutor em Direito Penal pela Universidade Complutense de Madri e mestre em Direito Penal pela USP.

O autor do requerimento também propõe que o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) indique um integrante para a comissão. A Mesa do Senado ficaria responsável por nomear um consultor legislativo para auxiliar nos trabalhos da comissão.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de agosto de 2011, 20h27

Comentários de leitores

1 comentário

Celeridade?

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Vê-se que estamos diante de um grupo de cegos de nascença caminhando em meio a uma tempestade no deserto. Como se poderá tornar o processo penal mais célere, alterando o Código Penal? A propósito, temos que a Justiça Penal no Brasil está com um atraso de mais de cem anos em relação aos países civilizados. Se de fato o Código for modernizado, ainda que não se adote as teorias mais modernas, por certo que o processo se tornará ainda mais lento já que a maior parte dos envolvidos não estão preparados tecnicamente sequer para lidar com as ultrapassadas teorias hoje empregadas. Assim, a única conclusão a quem podemos chegar é que o grupo tem por objetivo suprimir garantias dos acusados, possibilitando que o já dilatado poder persecutório do grupo político que domina o estado brasileiro seja irrestrito, como é em Cuba, na Venezuela e em outras ditaduras.

Comentários encerrados em 19/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.